quarta-feira, 22 de julho de 2015

Uma Casa no Campo

Autor: Elizabeth Adler
Edição: 2014/ julhol
Páginas: 376
ISBN: 9789897261268
Editora: Quinta Essência

Sinopse:
Issy, de quinze anos, e a mãe, recentemente divorciada, lutam por encontrar o seu caminho e o seu lugar na vida, sozinhas e em conjunto.
Aos trinta e oito anos, com pouco dinheiro e a braços com todas as responsabilidades, Caroline tenta reconciliar-se com a nova situação em que se encontra. Ao decidir deixar para trás a desafogada vida que levava em Singapura (bem como o seu infiel marido e a amante de longa data), acaba a viver no pub de uma aldeia inglesa, trabalhando como chef para ganhar a vida, conhecendo as pessoas mais pitorescas da zona e fazendo amigos.

Porém, Issy adora o pai e secretamente culpa a mãe pela reviravolta operada na sua vida. Ao mesmo tempo que o sonho de Caroline de converter um velho celeiro num restaurante começa a tomar forma, a sua oportunidade de ser feliz é posta em causa por rumores de vingança e homicídio. Quando Issy, a meio caminho entre a adolescência e a idade adulta, começa a fazer algumas escolhas arriscadas, a situação complica-se ainda mais.

A minha opinião:
Não me vou alongar muito, no meu comentário a este romance lançado há um ano. Um romance típico de Elizabeth Adler. 

Singela estória, bem contada, com intriga, crime e romance. Muito agradável e "terapêutico", mas sem grandes exigências ou expectativas. 

Do que recordo, pensei num outro romance desta autora, "Casamento em Veneza", pelo crime e pela ligação das personagens à Ásia.   

O crime rapidamente desvendado, não é de todo o mais importante nesta trama. Algum suspense, mas pouco. O mais relevante é a crescente relação de cumplicidade e estima entre mãe e filha num novo recomeço. Novos amigos e novo ambiente, com várias dificuldades a superar, e muito para descobrir sobre elas próprias, numa narrativa fluída e despretensiosa. Para entreter.  

domingo, 12 de julho de 2015

A Última Dança de Charlot

Autor: Fabio Stassi
Edição: 2015/ abril
Páginas: 256
ISBN: 9789722529600
Editora: Bertrand Editora

Sinopse:
Tal como uma vidente previu, na noite de Natal dos seus 82 anos, a morte vai ao encontro de Charlie Chaplin para o levar consigo. Mas o seu filho mais novo, Christopher, ainda é muito pequeno e o ator quer vê-lo crescer mais um pouco. Faz então um pacto com a Morte: se conseguir fazê-la rir, viverá mais um ano. 
Na sua longa carta de despedida ao filho, enquanto espera por mais um Natal, Chaplin vai contando a surpreendente história da sua vida e das figuras improváveis com quem se cruzou.

Das suas origens humildes em Londres, passando pelo abandono do pai, a doença mental da mãe, o primeiro emprego no circo até à chegada à América. Ardina, tipógrafo, pugilista, realizador de cinema, cada passo contribui para o nascimento de Charlot.

A minha opinião:
"O desejo é o tema da vida.(...)
"Simplesmente, sem desejo nunca houve vida, para mim. Dir.me-ão que são os dramas do sexo que moldam a personalidade. (...) 
Porem, há algum tempo, amiúde dou por mim a pensar, que é sempre o desejo de alguém ou de alguma coisa que origina toda a estupidez, a vulgaridade, a crueldade e o infantilismo dos seres humanos. O desejo tornou-me muitas vezes ridículo, não apenas aos olhos do mundo, como também aos meus, tornou-me surdo, e idiota, expôs-me ao perigo. (...) A hipocrisia quer que não se fale disso, mas é a força mais poderosa que há e ninguém está a salvo dela, em qualquer idade."  (pag. 236/7)

Um pequeno livro sobre o extraordinário percurso e a incrível sorte de Charlie Chaplin, o vagabundo. A ultima dança de Charlot foi negociar com a Morte, conhecido de outros tempos, e assim inicia a narrativa com essa interacção trágico-cómica, que desencadeia uma longa carta ao filho Christopher, onde tudo revela sobre a sua longa vida.

Leitura pausada e ritmada mas eloquente  e enérgica,  que nos puxa para a introspecção e reflexão sobre um tempo em que o cinema começava e em que Charlie na sua roupa desalinhada começava uma longa viagem solitária dando a volta à América entre gente que vivia de expedientes, ou que não vivia de todo, no coração de uma humanidade alheada, excêntrica e miserável. Quão distantes estamos agora?  

sábado, 11 de julho de 2015

Fim de Semana Inesquecível

Autor: Veronica Henry
Edição: 2015/ maio
Páginas: 376
ISBN: 9789897412684
Editora: Quinta Essência

Sinopse:
Três dias podem tornar-se as férias de uma vida. Segredos. Mentiras. Escândalos.
Num belíssimo hotel da Cornualha, o fim de semana grande está apenas a começar... Claire Marlowe é dona do Townhouse by the Sea juntamente com Luca, o carismático chef. Ela assegura-se de que tudo corre bem - até que um hóspede inesperado faz o check-in e vira todo o seu mundo do avesso.

O resto dos hóspedes chega também com os seus problemas: há um casal à procura de distração de uma tragédia familiar; um homem que tenta remediar um caso amoroso que lamenta amargamente... e a jovem que pensa que aquela povoação pode ser a chave para o seu passado. Temos assuntos do coração, segredos, mentiras e escândalos - tudo embrulhado num longo fim de semana quente.

A minha opinião:
As cores e a paisagem da capa sugerem o que o titulo define. Um romance sobre um fim de semana inesquecível. O imediatismo e intensidade de um fim de semana passado num sitio belo e novo, o gosto picante da descoberta com tudo o que se puder explorar e desfrutar num curto período de tempo. Um romance que nos transporta para um hotel de cinco estrelas numa vila à beira mar, com a sensação dum pequeno paraíso. Personagens tão fantásticas e bem caracterizadas que, gostamos de acompanhar os seus sentimentos mais inquietantes, enquanto se confrontam com segredos que se tornam problemas, e os deixam vulneráveis.

Sem nenhum destaque particular, todas as personagens são acarinhadas pelo leitor durante este fim de semana especial em que tudo se revela e se resolve, numa narrativa segura e bem delineada que nos deixa em suspense enquanto torcemos pelo bom desfecho para todos os envolvidos. Um verdadeiro turn-page em que o amor marca presença como qualquer romance que nos predispõe a acreditar num sonho possível.

Veronica Henry - uma referencia neste género de leitura que tanto aprecio. 

domingo, 5 de julho de 2015

Cinco Dias de Vida

Autor: Julie Lawson Timmer
Edição: 2015/ janeiro
Páginas: 416
ISBN: 9789892328898
Editora: ASA

Sinopse:
Mara é uma advogada de sucesso, tem um casamento feliz, é uma mãe dedicada. Tem, também, uma doença devastadora que esconde do marido e da filha pequena. Ama-os demasiado para aceitar ser um fardo para eles. E tudo corre bem durante alguns anos. São anos maravilhosos mas sobre os quais paira a sombra da sua decisão aquando do diagnóstico: viverá enquanto puder manter-se digna. Agora que o seu corpo está finalmente a ceder, Mara estabelece um doloroso prazo: dentro de cinco dias, acabará com a sua própria vida.

A mais de mil quilómetros de distância, Scott tem também apenas cinco dias para cuidar de Curtis, um menino que acolheu em sua casa e que será agora novamente entregue à mãe, que está prestes a terminar uma pena de prisão. Foi com Scott que Curtis conheceu a estabilidade e o amor e desfrutou plenamente da infância pela primeira vez. O que o espera é uma angustiante incógnita. Para proteger Curtis, Scott tem agora de abdicar dele para sempre.
Mara e Scott são duas pessoas em contagem decrescente. Inesperadamente, as suas vidas vão cruzar-se e unir-se numa amizade que os acompanhará ao longo da semana mais difícil das suas vidas. E, no final dessa dura semana, qual deles estará feliz? Qual estará de luto? E qual deles terá desaparecido para sempre?
Terno e cruel como a própria vida, Cinco Dias de Vida relembra-nos que, por vezes, amar é lutar e nunca desistir; mas, outras vezes, implica abrir mão de tudo.

A minha opinião:
Um romance que é um bom exemplo de como as elevadas expectativas podem não corresponder ao esperado. Gostei deste romance centrado em duas fortes personagens que tem um prazo de cinco dias, que faz toda a diferença numa jornada marcada por uma escolha impossível, mas... não tanto como gostaria. Narrativa muito extensa e detalhada, nem sempre relevante.

Uma clara preocupação da autora em desenvolver no enredo, de forma precisa, todos os aspectos da doença de Huntington, que atingiu Mara e ainda uma profunda reflexão sobre a adoção. Muito mais do que poderíamos pensar de animo leve. O impacto para os pais e os filhos. E o peso dos pais biológicos. Um lado muito serio de um romance que nos obriga a encarar a vida de frente, quando as circunstancias são limites e o dialogo e o bom senso não bastam paras se fazer uma escolha em que o amor é o fiel da balança.

Paradoxo interessante e muito atual, o facto de se expor sentimentos mais íntimos através do anonimato da Internet com novos amigos que nada sabem, porque não conhecem o quadro geral, exceto o que se partilha.

Um romance inteligente e sensível que usa as emoções para chegar à razão, numa linguagem corrente e abrangente mas um tanto exaustiva.