domingo, 28 de agosto de 2016

A Incrível Viagem de Arthur Pepper

Autor: Phaedra Patrick
Edição: 2016/ maio
Páginas: 320
ISBN: 9789898839817
Editora: Topseller

Sinopse: 
Repleta de personagens inesquecíveis e episódios memoráveis, A Incrível Viagem de Arthur Pepper é uma história imperdível sobre o despertar para as possibilidades infinitas da vida. 

Arthur Pepper, de 69 anos, leva uma vida simples e rotineira, como quando a sua mulher, Miriam, era viva. Levanta-se às 7h30, rega a sua planta Frederica e vai tratar do jardim. O dia a dia de Arthur corre como deve ser. Sem surpresas. Sem sobressaltos. 

Até que no primeiro aniversário da morte da mulher, tudo muda. Ele encontra no meio dos pertences de Miriam uma pulseira que não se recorda de ter visto antes. Uma pulseira com oito berloques diferentes, cada um mais misterioso do que o outro. Num deles encontra até um número de telefone. 

Intrigado, Arthur resolve telefonar e descobrir a quem pertence aquele número. As revelações que se seguem vão lançá-lo numa jornada surpreendente. De Londres a Paris, cidades que nunca imaginou visitar, Arthur irá fazer novas e fascinantes descobertas não só sobre a sua mulher, mas também sobre si próprio. 

Encantador e comovente, mordaz e cheio de humor, este romance é ideal para leitoras de ficção romântica.

A minha opinião: 
Este é um livro encantador e muito simples. Despretensioso. Apenas entretenimento e alguma reflexão ou balanço para uma fase mais tardia da vida. Contudo, pareceu-me uma leitura mais juvenil ou adequada a um leitor menos experiente. 

Gostei de o ler mas não retive muito. Uma lufada de ar fresco entre leituras mais pesadas e exigentes.

Um idoso em plena forma que se deixara esmagar pelo luto da mulher com quem partilhara uma existência rotineira e confortável em que se sentia seguro. Uma vizinha também ela enlutada que se desdobra em cozinhar para outros que se sentiam perdidos enquanto o seu filho jovem não reagia aos seus apelos, insiste em atazanar Arthur Pepper. 

Uma misteriosa e intrigante pulseira com berloques que é o início de uma grande aventura para este homem que vai descobrir o passado da mulher que ela nunca revelara mas também muito mais sobre si próprio. Na verdade, este é um livro sobre recomeços. 

terça-feira, 23 de agosto de 2016

A Fortuna

Autor: Cynthia D'Aprix Sweeney 
Edição: 2016/ junho
Páginas: 384
ISBN: 9789724750934
Editora: Editorial Teorema

Sinopse:
A família Plumb destaca-se pela sua espetacular disfuncionalidade. Há anos que os quatro irmãos Plumb desesperam por causa da herança. Em testamento, o pai ditou que o dinheiro fosse distribuído apenas quando a filha mais nova celebrasse 40 anos. O seu objetivo era salutar: incentivá-los a lutarem pelos seus sonhos. Mas o plano saiu gorado, pois a poucos meses do aniversário, eles estão tão endividados que só a fortuna familiar poderá salvá-los.
Melody conta pagar a hipoteca da casa e a universidade das filhas gémeas. Jack espera saldar a dívida que contraiu para manter a sua loja de antiguidades. Bea, uma escritora promissora, debate-se com a inércia e a falta de rumo. Leo, o único que vingou por si próprio, arrisca perder tudo num divórcio tumultuoso. 
E quando estão prestes a deitar a mão ao dinheiro, Leo entra seu Porsche acompanhado por uma jovem empregada de mesa. O que acontece a seguir vai ter consequências devastadoras… e um preço exorbitante que só a herança poderá pagar. 

Privados daquilo que os definiu perante si próprios e os outros, o que será dos irmãos Plumb? A solução para todos os males parece estar nas mãos do próprio Leo. Estará ele disposto a sacrificar-se? Ou terão todos de se adaptar a novas (e infernais) circunstâncias? Unidos pela primeira vez, os irmãos revisitam velhos rancores, enfrentam novas verdades, e (finalmente!) refletem sobre as escolhas que fizeram na vida.

A minha opinião:
Gosto de romances de estreia. Gosto do entusiasmo e energia que marcam a escrita e agarram com facilidade como este romance cinematográfico sobre quatro irmãos no meio cosmopolita de Nova Iorque e a relação entre eles quando está em causa uma herança que tomaram como garantida e a que se habituaram a referir como "a Fortuna". 

Um romance que correspondeu plenamente às minhas expectativas, com um enredo bem desenvolvido e personagens bem definidas, numa narrativa ligeira e movimentada sobre o poder desagregador do dinheiro no seio de uma família com comportamentos disfuncionais que escolhiam um local de encontro porque não sabiam estar uns com os outros enquanto carregavam fracassos pessoais A noção de direito de cada um deles sobre esse dinheiro que deturpa memórias e decisões.

Leo, Jack, Bea e Melody são as personagens centrais desta narrativa, mas gostei muito de Stephanie, que ganha destaque enquanto Leo perde. Gostei dos laços que se criam com a convivência inicial sobre o dinheiro mas alargando para outros assuntos. Gostei de encontrar o que fui buscar. Esperança de que o apego não seja material e outros valores mais elevados se sobreponham, o que não é para todos. Esses são o que falham.

Sem reservas, recomendo. Não é um best seller mas vale bem a pena ler. 

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

As Histórias que não se Contam

Autor: Susana Piedade
Edição: 2016/ julho
Páginas: 344
ISBN: 9789897415524
Editora: Oficina do Livro

Sinopse: 
Ana pergunta-se como seria hoje o seu dia-a-dia se tivesse sabido detetar no namorado os indícios da doença que o levou inesperadamente. Isabel, seis meses depois da tragédia que lhe virou a vida do avesso, ainda se sente culpada por não ter chegado a horas ao infantário naquela tarde de chuva. Marta, que ousou abandonar, ainda adolescente, uma casa onde era maltratada, não tem agora a coragem de confessar que o amor em que apostou tudo está longe de ser um mar de rosas. São três mulheres jovens, com a vida inteira pela frente, mas para quem o presente se tornou um fardo difícil de carregar e o futuro um tempo sem qualquer esperança. Quem poderia entender a sua dor incomparável? Para quê, então, contarem as suas histórias? Um acidente acabará por cruzar estas três desconhecidas num lugar onde muitas vidas se perdem, mas que para elas representará sobretudo o nascimento de uma amizade que lhes vai permitir lutarem contra o sofrimento e recuperarem aos poucos o ânimo e a vontade de viver. Porque quanto maior é o drama, maior tem de ser a partilha. Com uma linguagem cuidada e uma estrutura francamente original, este belíssimo romance de estreia, finalista do Prémio LeYa em 2015, traz para a cena questões de grande atualidade que afetam muitas mulheres e não devem ser silenciadas, e lê-se de um fôlego, mantendo o suspense até à última página.

A minha opinião: 
"As histórias que não se contam" é sugestivo. Um bom título. As histórias de três protagonistas femininas que vão intercalando as suas vozes enquanto avaliam o que sentem intensamente. Não deve ter sido nada fácil analisar a fundo emoções tão difíceis como as que Ana, Isabel e Marta vivem, como também não foi para mim ler.

Depois de um período em que li bons romances, estava indecisa sobre o que ler a seguir. Procurava um livro que continuasse nessa linha. Não necessariamente um romance exemplar, mas um que me levasse ao abandono dos meus pensamentos enquanto o lesse. E este livro ...hesitei durante dois dias, receava o conteúdo, especificamente a temática da dor da perda e a violência doméstica. O fim dos sonhos e o encarar de uma realidade que não se quer crer. Atual e intemporal.

Gostei da escrita e da fluidez da narrativa, e o meu receio revelou-se certo. Custava-me a avançar e tinha de abrandar para interpretar o sentido das palavras e amortecer o seu impacto, ainda que admirando quem assim escreve. Com alma.

Aproximadamente a meio do livro, dei por mim a lê-lo com avidez, curiosa com o desenrolar de acontecimentos ou o concretizar de possibilidades deixadas em suspense. A amizade entre Ana, Isabel e Marta faz a diferença. Progressivamente, na partilha, vão desconstruindo os problemas, num rumo inesperado que me agradou muito.

Por tudo isto, um romance que recomendo. Uma ótima estreia. Um caso sério ou para ser levado a sério.