domingo, 20 de novembro de 2016

Água do meu coração

Autor: Charles Martin                         
Edição: 2016/ setembro
Páginas: 384
ISBN: 978-972-0-04802-8
Editora: Porto Editora

sábado, 19 de novembro de 2016

O Meu Nome é Lucy Barton

Autor: Elizabeth Strout                                     
Edição: 2016/ setembro
Páginas: 176
ISBN: 
9789896651176
Editora: Alfaguara Portugal

domingo, 13 de novembro de 2016

A Empregada

Autor: Laura Amy Schlitz
Edição: 2016/ outubro
Páginas: 368
ISBN: 9789896488123
Editora:Editora In

Sinopse: 
Inspirado no diário da avó de Laura Amy Schlitz, a premiada autora deste livro, este é um romance de época que se traduz numa perspicaz e realista visita guiada pela América do início do século XX. A viagem da protagonista, Joan, conduz o leitor por uma interessante exploração dos temas mais quentes da viragem do século, como o feminismo e o trabalho doméstico, a religião e a literatura, a educação e a independência financeira, o amor e a lealdade, antissemitismo, kosher, gratidão, velhas rezingonas, gatos, chapéus e joanetes. Um livro divertido e emotivo, que relata na primeira pessoa a luta de uma jovem inteligente e lutadora pelo direito a um futuro melhor, e do preço que por ele se tem de pagar.

A minha opinião: 
"A empregada" é um romance em forma de diário de uma jovem de 14 anos em 1911 que para fugir a uma vida de subserviência num ambiente familiar rural e masculino consegue um trabalho remunerado como empregada domestica mentindo sobre a idade. 

Os usos e costumes, as diferenças socioeconómicos e o antissemitismo destacam-se nesta historia contada na primeira pessoa do singular. 

Romance de época leve e divertido que me transportou no tempo com a Joan Skraggs (Janet Lovelace para a família judia que a acolheu em Baltimore) e me envolveu nos seus dramas como se os testemunhasse.  Impulsiva, romântica e justa, conquista a idosa governanta Malka com o seu bom coração e esforço, assim como todos os membros da família judaica. Personagens bem caracterizadas pela autora.

O que me conquistou como leitora foi a paixão de Joan pelos livros que minimizavam a sua solidão, mas adorei o conflito entre a sua fé católica e a fé judaica dos Rosenbachm que ela resolveu brilhantemente na sua conversa com o padre. 

Exactamente o tipo de leitura que eu precisava na ocasiao. Aventura e sonho sem devaneios românticos enjoativos. 

domingo, 6 de novembro de 2016

Uma Dor tão Desigual

Autor: Afonso Cruz, Dulce Maria Cardoso, Gonçalo M. Tavares, Joel Neto, Maria Teresa Horta, Nuno Camarneiro, Patrícia Reis, Richard Zimler
Edição: 2016/ setembro
Páginas: 200
ISBN: 9789724751139
Editora: Teorema

Sinopse:
Este livro resulta de um desafio feito a oito autores portugueses para que explorassem as fronteiras múltiplas e ténues que definem a saúde psicológica e o que dela nos afasta. Em estilos muito diferentes, um leque extraordinário de escritores brinda-nos com textos que mostram como qualquer um de nós pode viver momentos difíceis e precisar de ajuda.
Estas são histórias de perda, solidão, fraqueza e delírio, mas também de esperança e humanidade. São relatos de gente que podíamos conhecer e talvez conheçamos, histórias íntimas e ricas de homens e mulheres como nós.
A área da saúde psicológica está ainda sujeita a muitos preconceitos, que dificultam a procura de ajuda profissional e estigmatizam quem sofre. Pretende-se com este livro combater esses preconceitos, despertar consciências e ajudar a encontrar uma saída.

A minha opinião: 
Gosto de contos. São curtos, concisos e diretos. Ou seja, estórias pequeninas, sem muitos detalhes que não façam diferença, em que rapidamente chegamos à mensagem que estava na mente do autor, ou não, porque cada leitor foca aspectos que mais lhe interessam.   

Estes contos são relevantes pela temática que abordam. E foi justamente isso que me chamou a atenção.  Isso e o conjunto de autores convidados para este desafio, que do meu ponto de vista foi superado com exito.  

Pode-se gostar mais de um ou de outro dos oito contos que aqui se apresentam,  mas todos foram bem conseguidos. Criativos e muito bem escritos como seria de se esperar. Todos focam problemas distintos e tocam-nos porque já os conhecemos através de amigos, familiares ou meras versões verbais bem menos imaginativas e mais assustadoras. Provavelmente, em algum momento das nossas vidas sentimos a necessidade de ajuda ou de compreensão para situações assim que fugiram do nosso controle. 

Se não, não deixem de ler como um  breve interlúdio que não se deve dispensar pelo muito que nos faz sentir e reflectir.  Uma dor tão desigual. Um prazer de ler!