segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

Os Pecados do Pai

A minha opinião:
Terminei o segundo livro da saga dos Clifton, por conta do convite aceite para uma leitura conjunta. A opinião não é consensual, sequer este livro é recente, mas eu pretendo ler os restantes cinco, tal é o envolvimento e a curiosidade em conhecer o que se irá passar no pós-guerra. 

A trama deste livro decorreu no período da Segunda Guerra Mundial e continua a ser uma narrativa individual alternada dos protagonistas que vivenciaram diferentes experiências, que não achei tão previsiveis assim, conforme li em outros pareceres.
Desejáveis, sim.

Mal posso esperar para continuar a ler.

Autor: Jeffrey Archer
Páginas: 184
Editora: Bertrand Editora
ISBN: 9789722530118
Edição: 2015/ Outubro

Sinopse:
A Grã-Bretanha está na iminência de declarar guerra à Alemanha. Harry Clifton, na esperança de fugir às consequências de um escândalo familiar e percebendo que nunca poderá casar com Emma Barrington, alista-se na marinha mercante. Quando um submarino alemão afunda o seu navio, Harry e um punhado de marinheiros, entre eles um americano chamado Tom Bradshaw, são salvos pelo Kansas Star. Nessa noite, quando Bradshaw morre, Harry aproveita a oportunidade para enterrar o seu passado e assume a identidade do morto.

Nova Iorque, 1939. Tom Bradshaw é preso por homicídio qualificado. É acusado de matar o irmão. Quando Sefton Jelks, um advogado de renome de Manhattan, lhe oferece os seus serviços a troco de nada, não resta grande alternativa a Tom, que não tem dinheiro a não ser aceitar a sua garantia de uma sentença mais ligeira. Depois de julgado e condenado, Jelks desaparece e a única maneira que Tom tem de provar a sua inocência é revelando a sua verdadeira identidade, algo que ele jurou nunca fazer de forma a proteger a mulher que ama.

Entretanto, a jovem em questão viaja até Nova Iorque, deixando para trás, em Inglaterra, o filho de ambos. Recusa-se a acreditar que o homem com quem ia casar tenha morrido no mar e está decidida a fazer o que for preciso para o encontrar. A única prova que tem é uma carta, que ficou por abrir numa cornija de lareira em Bristol durante mais de um ano.
Jeffrey Archer dá seguimento à saga dos Clifton com este romance épico.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

Cozinha Vegetariana à Portuguesa

A minha opinião:
Mea Culpa!
Tenho este livro há meses, nunca o divulguei e faço algumas das receitas com regularidade. Segundo uma opinião válida, os pratos vegetarianos que faço seguindo as receitas de Gabriela Sobral são excelentes.

Não sou vegetariana, mas o meu filho é e desde então toda a familia come menos carne e menos peixe. Com prazer.

Adoro comer. Por isso, tenho que me agarrar aos tachos e panelas para alimentar a minha prole. E é um gosto reunirmo-nos à mesa em amena cavaqueira. 

Testámos e repetimos amiúde Arroz à Labrador no Forno, Cataplana de Legumes e Bifinhos de Seitan com Cogumelos. Uma delicia. Uma inapta como eu as faz com facilidade e rapidez. 
E ainda Tofu com Broa e Rancho Vegan à Portuguesa.
Bom Apetite!

Autor: Gabriela Oliveira
Páginas: 184
Editora: Arte Plural Edições
ISBN: 9789896921347
Edição: 2018/ Maio

Sinopse:
Numa casa portuguesa fica bem… comida vegetariana sobre a mesa!
A antiga cozinha tradicional portuguesa não precisa de peixe nem de carne para ser saborosa e atrativa. É possível desfrutar do melhor da gastronomia portuguesa usando exclusivamente ingredientes de origem vegetal e tornando-a ainda mais saudável, ecológica e compassiva.

Pataniscas? Sim, de legumes! Filetes? Sim, de cogumelos! Panadinhos? De beringela! Croquetes? De grão e alheira! Alheira? De cogumelos! Peixinhos da horta, "francesinha", cozido vegan, rojões de seitan, tofu à Zé do Pipo, tempero de vinha d’alhos, migas de feijão, açorda de tomate, cataplana de legumes… mais de 70 receitas com todos os sabores da melhor comida à portuguesa numa versão 100% vegetariana. E não ficam de fora os doces: arroz-doce, natas do céu, travesseiros, pastéis, queijadinhas, bolas-de-berlim, boleima, bolos de arroz, bolo podre… Receitas tradicionais recriadas e preparadas cuidadosamente pela autora de cozinha vegetariana que mais vende em Portugal.

sexta-feira, 29 de novembro de 2019

A Vda Sonhada das Boas Esposas

A minha opinião:
Possidónio Cachapa. Este nome não se esquece. E os romances que dele li também não. Gsto muito. Mais ainda depois de ler este romance.

Escrita fluída, irónica e bem humorada, que capta a alma lusa sem que nada passe despercebido, numa linguagem rica e prolífera em que conta uma história incrível de uma mulher apagada que fica viúva de um déspota. Depois... a vida acontece.

Neste romance pinta um quadro muito realista da vida de muitas familias, na relação com os filhos adultos, no papel da esposa ou na frugal existência para todos os caprichos satisfazer aos filhos. Toca o leitor pela proximidade, em que a empatia e o repúdio pelas personagens é garantia de sucesso.

O realismo mágico surge nos sonhos da protagonista que refleten os seus medos.

A capa é fantástica e está a par com a história, que é uma lição para todos. Divertida, li com gosto A Vida Sonhada das Boas Esposas.

Autor: Possidónio Cachapa
Páginas: 200
Editora: Companhia das Letras
ISBN: 97898965559097
Edição: 2018/ Novembro

Sinopse:
O novo romance de Possidónio Cachapa é um olhar contemporâneo sobre o papel da mulher, a expressão da sua sexualidade e a visão que a família e a sociedade mantêm sobre ela à medida que o tempo passa.

quarta-feira, 27 de novembro de 2019

Uma Receita de Família

A minha opinião:
Bestseller do Sunday Times atraiu-me, para mais quando li alguns bons comentários ao livro anterior da autora - A Livraria dos Destinos, que eu não li. Poderia ser mais um livro fofinho ou enfadonho mas não começou mal. A história é contada a dois tempos.

Jilly ficou orfã em 1942 durante um ataque à sua bela cidade -Bath, enquanto se entregava nos braços de um atraente piloto. Laura, a neta, em 2014 vive o drama do ninho vazio quando a sua filho caçula saí para a universidade. A asma da filha aflige-a. E... fiquei agarrada a este romance porque conheço bem o temor com esta doença. O carisma e a boa caracterização das personagens contribuiram para esse efeito.

A narrativa e a trama, apesar de nada ter de extraordinário envolvem com um terno ambiente doméstico com personagens muito generosas. 

Um hino à verdadeira amizade. Jilly e Laura tinham duas amigas inquebráveis.

Autor: Veronica Henry
Páginas: 352
Editora: TopSeller
ISBN: 9789896685591
Edição: 2018/ Setembro

Sinopse:
Uma mistura perfeita de família, amigos e comida deliciosa.

Laura Griffin está numa fase complicada da sua vida: as suas duas filhas estão na universidade e ela tem de se habituar a uma nova rotina. Na atarefada casa, onde sempre existiu um burburinho constante e o aroma dos cozinhados a pairar no ar, prevalece agora o silêncio. Laura sabe que este é o curso natural das coisas e tenta mentalizar-se de que poderá agora ter mais tempo para si e para o marido, Dom.

Mas uma revelação inesperada faz vacilar o seu casamento, um segredo que ela é incapaz de aceitar. Sentindo-se cada vez mais só, Laura encontra o reconforto num valioso tesouro familiar: a caixa de receitas da avó, uma compilação preciosa cuja origem remonta à Segunda Guerra Mundial e que, juntamente com as bem-sucedidas compotas de Laura, será a ajuda de que precisa para reencontrar o sentido para a sua vida.

Determinada a trilhar o seu próprio caminho, Laura decide seguir os seus sonhos. Mas até a pessoa mais corajosa precisa daqueles que ama, e esse poderá ser o ingrediente que falta para a felicidade de todos… e também de Laura.

segunda-feira, 25 de novembro de 2019

Que Sombra te Acompanha

A minha opinião:
Soube sem o saber, o que iria ler. Um pequeno grande romance de sentimentos calados. Um romance poderoso e brilhantemente escrito. Um romance vivido e emotivo. Não é preciso muito escrever para se ser eloquente. 

A vida de Alfredo. Uma vida que se escoa. Um emigrante numa frande cidade. Uma vida em que o sentir é motivo de reflexão e a saudade, a culpa e a solidão falam mais alto.

No fim, há um volte-face. Um encontro que dá que pensar a Alfredo. E deixa questões sem resposta. Questões que inquietam. Colectivas. Resta-me agradecer a Tiago Gonçalves por me ofertar este livro. 

Um prazer de ler que conto renovar num próximo livro.

Autor: Tiago Gonçalves
Páginas: 48
Editora: Mosaico de Palavras
ISBN: 9789898921000
Edição: 2018/ Junho

Sinopse:
Todos somos emigrantes, nem que seja só uma vez. Todos deixamos o nosso lugar de origem para vivermos noutro lugar, nem que seja só por algum tempo. Pouco importa se vamos de uma cidade para outra, de um país para outro, ou se apenas de um lugar para outro. Talvez só abandonemos as raízes em que nascemos por outras completamente diferentes. Talvez só emigremos profissionalmente. Pouco importa, as dúvidas acompanham-nos, as questões que colocámos também.

Neste livro acompanhamos um sonhador que partiu à procura do mundo que lá não tinha. Agora ele é uma sombra do que foi, sem a alma de outrora, vivendo confortado com pouco conforto. Nesta tarde, contudo, encontra mais do que procura e do que pediu. Nunca quis, mas hoje revisita a sua vida numa conversa que é mais que um fortuito reencontro.

quarta-feira, 20 de novembro de 2019

Longa pétala de mar

A minha opinião:
"Uma longa pétala de mar, de vinho e de neve" com uma "cintura de espuma negra e branca"  era como Pablo Neruda havia definido o Chile, o que não era suficiente para o dar a conhecer aos mais de dois mil espanhóis que embarcaram a 4 de agosto de 1939 como refugiados para este país. A odisseia do exílio.

135 páginas antes percebemos o que os levou a este destino numa narrativa dramática e veloz mas repleta de alento e esperança. A extraordinária Isabel Allende no seu melhor.

Roser e Victor são os protagonistas que viviam numa cumplicidade profunda que suavizava as penúrias do dia a dia e os fantasmas do passado numa narrativa apaixonante sem pontas soltas. Garanto!

Pablo Neruda tem um papel preponderante, embelezando este romance com várias citações. Procurei confirmar a veracidade desse papel mas não o consegui inicialmente o que estranhei dado que todo o romance apresenta rigor histórico.

"Cada um carrega às costas a sua história e a vontade de a contar. " (pag. 247)
Com um fulgor inebriante Isabel Allende sabe contar a História que o Chile carrega às costas. A memória é fraca e tudo se esquece e tudo descarta, mas ela recorda-a com vontade de a contar. 
Eu, aplaudo, reconhecida, um grande romance com personagens admiráveis, que não será fácil  esquecer. 

Autor: Isabel Allende
Páginas: 392
Editora: Porto Editora
ISBN: 978-972-0-03233-1
Edição: 2019/ Novembro

Sinopse:
Espanha, final da década de 1930. A vitória iminente das tropas franquistas na Guerra Civil obriga milhares de pessoas a abandonar o país, numa perigosa viagem através dos Pirenéus. Entre eles, Roser Bruguera, uma jovem viúva, e Víctor Dalmau, médico e irmão do falecido marido de Roser.
Em França, conseguem embarcar no Winnipeg, um navio fretado pelo poeta Pablo Neruda que transportou mais de 2 mil espanhóis até ao Chile - essa «longa pétala de mar, de vinho e de neve» -, onde são recebidos como heróis.
Víctor e Roser integram-se com sucesso na vida social do país de acolhimento, durante várias décadas, até ao golpe de Estado que derruba Salvador Allende, parceiro de xadrez de Víctor Dalmau. Os dois amigos de toda uma vida são de novo forçados ao exílio, mas, como diz a autora, «se vivermos o suficiente, todos os círculos se fecharão».

Isabel Allende propõe-nos uma viagem através da História do séc. XX, pela mão de personagens inesquecíveis que descobrirão que numa só vida cabem muitas vidas e que, por vezes, o difícil não é fugir, mas regressar.

sexta-feira, 15 de novembro de 2019

O Mistério da Minha Irmã

A minha opinião:
De início, fiquei desanimada. Julguei que iria ser uma leitura apressada dada a falta de empatia com as personagens e a banalidade da trama, que se desenrola em três e depois dois períodos temporais distintos, bem diferenciados por capítulos. Às páginas tantas, por volta do sétimo (capítulo) o mistério começou a espicaçar a minha curiosidade e a aumentar o meu interesse pela história das irmãs desaparecidas. Um estranho casal parecia-me ser a chave do enigma.

As personagens ganham alguma densidade e a ligação que tinham ao mar ao mergulharem para verem a florestas submersas também começou a exercer o seu fascinio. E... uma história de amor trágica não me deixava indiferente, mas... continuava a faltar consistência.

Quando terminei de o ler mantive a mesma convicção. Enfim... não me convenceu, e por isso, não é um romance que me marque. Leitura fácil mas não passa de um primeiro romance da autora com lacunas que no futuro não irão existir. 

Autor: Tracy Buchanan
Páginas: 336
Editora: Bertrand Editora
ISBN: 9789722537841
Edição: 2019/ Setembro

Sinopse:
As recordações que Willow tem dos pais são cheias de sorrisos, ternura, sol e gargalhadas. Porém quando recebe um misterioso convite que a leva a uma exposição de fotografia, é confrontada com um segredo sombrio, que aparentemente todos têm tentado esconder-lhe sobre um trágico acidente que aconteceu há anos.

Willow é obrigada a questionar tudo o que sabe sobre Charity, a mãe que perdeu ainda criança, e Hope, a tia com quem vive desde então.
Qual a relação entre este enigmático fotógrafo e os pais de Willow? Porque é que Hope não quebra o seu silêncio?

Para seguir em frente, Willow precisa de respostas. Mas já não sabe em quem confiar…

terça-feira, 12 de novembro de 2019

Só o Tempo Dirá


A minha opinião:

Fantástico.
Um romance histórico intemporal como um grande clássico. Uma saga que se deseja ler sem parar ou não fosse Jeffrey Archer um notável e rentável contador de histórias. Percebo agora a sua fama. Só não percebo é porque ainda não me tinha tentado. Para isso, servem as amigas que lançam desafios (e emprestam os livros).

Uma narrativa em seis versões que não se sobrepõem, mas cruzam e complementam. E depois... temos uma história de tenacidade e amizade entre pessoas honradas e dignas como Harry e Giles, os dois amigos de classes sociais distintas, Maisie, a mãe de Harry, Emma, a irmã de Giles e Old Jack, o pai que faltou a Harry. Por fim, temos o mau da trama que é o pai de Giles, Hugo. Todas as personagens orbitam em torno de Harry por diferentes razões e com distinto impacto. 

O final marca o início de uma nova fase na nova vida de Harry. Ui, mal posso esperar para ler o que se segue. 

Autor: Jeffrey Archer
Páginas: 408
Editora: Bertrand Editora
ISBN: 9789722529044
Edição: 2015/ Março

Sinopse:
Primeiro volume da série épica que narra a vida de Harry Clifton desde os anos 20. Harry nunca conheceu o pai, que morreu na guerra, e é criado pelo tio nas docas. Uma inesperada bolsa de estudo faz com que a sua vida mude radicalmente. Já adulto, descobre a verdade sobre a morte do pai, mas também surge a dúvida de quem era efetivamente o seu pai. Harry terá de escolher entre ir para Oxford ou alistar-se na marinha para lutar contra Hitler. Das docas da Inglaterra às animadas ruas de Nova Iorque dos anos 40, o início de uma saga que se estende por cem anos.

quarta-feira, 6 de novembro de 2019

Britt-Marie esteve aqui

A minha opinião:
Britt-Marie é uma mulher peculiar. Rígida e digna. E no entanto, é uma mulher comum. Uma mulher de sessenta e três anos que durante quarenta anos trabalhou em prol da familia e acaba só. Quer um emprego. Quer que saibam que ela está aqui.

É inevitável lembrar-me da rezinguisse do Ove. Uma personagem com um coração de ouro que eu amei. Como gosto da Britt-Marie. Às tantas, fico de perdida de riso com as situações que ela preconiza e de coração apertado com o que sei. Perdida ela limpa. Ha? E todos sabem que ela esteve aqui. 

Este romance é impróprio para cardiacos. Todas as personagens contam e marcam num romance tão extraordinário como a vida. 

A minha perfeita prenda de Natal. 

Autor: Fredrik Backman
Páginas: 304
Editora: Porto Editora
ISBN: 978-972-0-03244-7
Edição: 2019/ Novembro

Sinopse:
Não é que Britt-Marie seja uma pessoa crítica, exigente ou difícil - ela apenas espera que as coisas sejam feitas de uma determinada forma. Uma gaveta de talheres desarrumada está no topo da sua lista de pecados imperdoáveis. Os seus dias começam, impreterivelmente, às seis da manhã, porque apenas os lunáticos acordam mais tarde do que essa hora. E não é passivo-agressiva. De modo nenhum. As pessoas é que, às vezes, interpretam as suas sugestões úteis como críticas, o que não é, de todo, a sua intenção. Afinal, Britt-Marie não é alguém que julgue os outros, não importa o quão mal-educados, desleixados ou moralmente suspeitos possam ser.
Quando Britt-Marie descobre que Kent, o marido, lhe é infiel, a sua vida perfeitamente organizada, de repente, desorganiza-se. Tendo de passar a sustentar-se sozinha, arranja um emprego temporário como zeladora do centro recreativo de Borg. Nessa posição, a exigente Britt-Marie tem de lidar com muita sujidade, eletrodomésticos temperamentais, indisciplina a rodos e até uma ratazana como companheira. Britt-Marie vê-se então arrancada da sua zona de conforto e arrastada para a vida dos seus concidadãos de Borg, uma estranha mistura de seres desesperados, canalhas, bêbedos e vagabundos, sendo incumbida da impossível tarefa de levar a equipa de futebol local, composta por várias crianças sem qualquer tipo de talento para acertar numa bola, à vitória. E, quando um dia Kent aparece a pedir-lhe desculpa, ela tem de decidir, de uma vez por todas, o que realmente deseja da vida. Nesta pequena localidade de gente inadaptada, pode Britt-Marie encontrar o lugar a que realmente pertence?
Engraçado e comovente, perspicaz e humano, Britt-Marie esteve aqui celebra as amizades inesperadas que nos mudam para sempre e o poder do mais gentil dos espíritos, para tornar o mundo um lugar melhor.

domingo, 3 de novembro de 2019

Decide o teu Caminho

A minha opinião:
O problema da Humanidade é espíritual. A alienação. Não é algo que afecte o autor, exceto no que observa. De uma maneira lúcida e até racional, questiona os anteriores pressupostos que nos levaram à alienação e lança um alerta, (em síntese dos livros anteriores) com vista a um novo caminho que nos conduza a uma sociedade avançada que nos una como espécie. As religiões deixariam de usar o medo e a culpa para manipular as pessoas.

Uma mudança de paradoxo. Alguns, sem o saber já o procuram. Um ponto de partida. E não é por acaso que lemos este livro. Quando sabemos mais, fazemos melhor.

Não é um livro piegas ou fantasioso. É um livro bom para quem se quer bem. Leitura fácil e rápida que, recomendo para quem sente que o deve ler.

Autor:  Neale Donald Walsch
Páginas: 144
Editora: Albatroz
ISBN: 978-989-739-063-0
Edição: 2019/ Outubro

Sinopse:
«Bem dentro de ti já sabes quem realmente és. Todos nós sabemos. Não é uma questão de descobri-lo, é uma questão de reivindicá-lo. Simplesmente sendo quem realmente és. E isso é mais fácil do que parece. Só precisas de tomar aquela decisão essencial.»
Neale Donald Walsch

Vivemos tempos de alienação a vários níveis, nomeadamente, na política, na economia e na espiritualidade. A Humanidade parece estar a distanciar-nos das pessoas que amamos, das nossas esperanças e sonhos, da nossa mãe-Terra, daquilo que verdadeiramente dá sentido à vida. Culpamos tudo e todos ao redor pelos problemas coletivos que nós mesmos criamos. Voltamo-nos uns contra os outros ao invés de criarmos união.
Em Decide o teu Caminho, o grande mestre espiritual Neale Donald Walsch apresenta a solução radical para o crescente problema da alienação da Humanidade, convidando-nos a questionar velhas crenças sobre nós, os outros, a vida e Deus.
Numa era em que as mudanças planetárias são evidentes, surge este livro urgente como um empurrão para tomarmos a decisão que nos fará escolher quem realmente somos.

Obsessão

A minha opinião:
Adorei a escrita. Adorei a protagonista. Adorei a forma como a história começou a ser contada. Adorei o romance de estreia, antes mesmo de chegar à obsessão.

Ella foi contratada como ama do pequeno William e a desenvoltura e a beleza de Lonnie fascinaram-na tanto que se transformou numa obsessão. A história contada na perspectiva de Ella incomoda às páginas tantas. No papel da visada, pelo escrútinio e devassa na sua vida. Muto há para revelar sobre estas duas mulheres e essa expectativa não se concretiza, ficando uma leitura enviesada da estranha relação.

Por fim, não gostei deste romance. Perdeu o fôlego e perdeu o interesse.

Autor: Madeline Stevens
Páginas: 304
Editora: TopSeller
ISBN: 9789896685782
Edição: 2019/ Setembro

Sinopse:
Ella Crawford tem 26 anos. Sozinha e sem dinheiro, seduz homens desconhecidos para que lhe paguem o jantar. O seu destino muda no dia em que Lonnie e James, um casal abastado, a contratam como ama do seu filho, arrastando-a para um mundo de privilégio.

Ella começa por detestar Lonnie, que, além de rica, é bela, talentosa e parece ter alcançado de mão beijada uma vida familiar perfeita. Mas, à medida que vai convivendo com ela, a sua aversão transforma-se numa atração inexplicável e obsessiva. Começa assim a desejar tudo o que lhe pertence: o seu estilo de vida, a sua atenção, o seu marido e até o amante. O que a levará a uma série de ações progressivamente irrefletidas e perigosas.

quarta-feira, 30 de outubro de 2019

Conta-me o teu segredo

A minha opinião:
Não é o primeiro mas não foram muitos os livros de Dorothy Koomson que li. O que sei é que gosto da escrita escorreita, sem subterfúgios, em histórias centradas em mulheres que alternadamente se dão a conhecer. Mulheres de fibra. Mulheres com um drama ou um crime por revelar e superar. Mulheres que sabem o que é o preconceito e a injustiça.

A angústia e a culpa. As duas protagonistas são dominadas por este sentir que tentam recalcar, enquanto o criminoso continua a fazer vitimas num romance que me arrebatou até ao empolgante final, sendo este não desprovido de surpresas. 

E mais não conto para não revelar demasiado mas... pode haver uma mudança de papeis. 
Vale a pena ler e descobrir!


Autor: Dorothy Koomson
Páginas: 432
Editora: Porto Editora
ISBN: 978-972-0-03213-3
Edição: 2019/ Outubro

Sinopse:
Pieta tem um segredo.
Há 10 anos, Pieta foi raptada por um homem que se autointitulava "O Assassino da Venda", e que prometeu não a matar se mantivesse os olhos fechados por 48 horas. Pieta nunca contou a ninguém o que lhe aconteceu, decidindo seguir com a sua vida como se nada se tivesse passado. Mas quando "O Assassino da Venda" começa a perseguir as vítimas sobreviventes, Pieta percebe que terá de revelar o seu segredo para salvar a própria vida...

Jody tem um segredo
Há 15 anos, Jody, polícia, cometeu um erro terrível que permitiu que o criminoso em série conhecido como "O Assassino da Venda" escapasse em liberdade. Ao descobrir que a jornalista Pieta sobreviveu a um ataque desse mesmo homem, Jody percebe que talvez tenha encontrado uma forma de o apanhar. Mas essa decisão poderá colocar a vida de duas pessoas inocentes em risco...
Pieta e Jody mantiveram o silêncio para se protegerem. Se o revelarem agora, estarão a salvar ou a sacrificar alguém?
O novo e emocionante thriller da autora de A filha da minha melhor amiga.

quarta-feira, 23 de outubro de 2019

Sem Mentiras

A minha opinião:
Este livro tentou-me... pelo autor e pela sinopse.

Um rapto no Brasil, em S. Paulo. Um facto que é do conhecimento público. Convence à partida. Uma trama, um bom enquadramento  sócio-politico e personagens marcantes. Robert Wilson provou o seu brilhantismo. Fiquei fã.

A história agarrou-me desde o início com Sabrina, a vitima inocente do sequestro. E... Boxer. Um protagonista com passado, (há outros três thrillers antereiores que não li) mas não é o único.
Neste poderoso thriller temos uma terceira personagem impactante. O tenebroso Iago Melo, que está a negociar a libertação da filha.

Uma história repleta de ação e muita emoção, que podemos dividir em duas partes, em que o pico e do realismo foi durante o combate urbano, mas a intensidade e o desasossego continua até tudo ser revelado.

Autor: Robert Wilson
Páginas: 416
Editora: Dom Quixote
ISBN: 9789722068536
Edição: 2019/ Outubro

Sinopse:
O multimilionário político brasileiro Iago Melo sabe o que quer e como consegui-lo. Sem quaisquer escrúpulos. Quando, apesar de todas as precauções, a sua filha Sabrina é sequestrada, ele contrata formalmente um negociador, mas continua a jogar o seu perigoso jogo, mesmo pondo em risco a vida de Sabrina. Porque um Iago Melo não pode mostrar fraqueza.

Por sorte, ele não contou com a perícia de Charles Boxer, o especialista em sequestros, vindo da Europa, que faz tudo para libertar Sabrina - mesmo contra a vontade do seu cliente. Mas ele não sabe que está profundamente envolvido numa densa rede de política e vingança. E que, no final, a sua dolorosa história pessoal irá desempenhar um importante papel...

quinta-feira, 17 de outubro de 2019

Uma Conspiração de Estúpidos

A minha opinião:
O prefácio, de leitura obrigatória, põe-nos logo em alerta. A mãe do autor é que conseguiu que este livro fosse publicado, depois do suicidio deste, alegando que era formidável, como acabou por ser reconhecido.

Uma conspiração de estúpidos é mesmo isso: uma conspiração de estúpidos com Mrs. Reilly, Ignatius, Mancuso e Jones. Uma Tragicomédia com um protagonista grosseiro e tresloucado que nos faz rir, lamentar e reflectir. Uma sociedade e as suas vicissitudes caricaturizada. E tantas, tantas manhas e manias... numa narrativa endiabrada pautada por muitos diálogos. 

Genial se considerarmos quando foi escrito e a pouca experiência de vida do autor. Um romance intermporal que pode não agradar a todos. Conveniente ler o que se segue para entender melhor a que me refiro.



Autor: John Kennedy Toole 
Páginas: 356
Editora: Terramar
ISBN: 9789727101177
Edição: 2000/ Abril

Sinopse:
O protagonista deste romance é uma das personagens mais memoráveis da literatura norte-americana.


Aos 30 anos, Ignatius J. Reilly vive com a mãe, ocupado a escrever uma demolidora denúncia do século XX, uma perturbante alegação contra uma sociedade perturbada. Devido a uma inesperada necessidade de dinheiro, vê-se catapultado para a febre da existência contemporânea, febre que, por sua vez, contribui para aumentar em alguns graus.


Com prefácio de Nuno Markl surgiu recentemente um nova reedição que reza assim:


"Já tinha ouvido falar e lido algumas referências sobre este clássico da literatura americana, mas nunca me ocorrera lê-lo; a aparente importância da minha frase inicial morre aqui também, pois o que me levou a comprar o livro foi ele estar em saldos e eu precisar de uma obra para ler na viagem de volta a Portugal.
Mal eu sabia que tinha nas mãos um dos meus futuros livros preferidos de sempre e um que me complicaria a apreciação de alguns bons livros que li a seguir («Pronto, é bom mas não é Uma Conspiração de Estúpidos!»). A viagem Nova Iorque — Lisboa passou num instante, com a saga do balofo e arrogante Ignatius e a sua caótica busca por um emprego (e, no fundo, pelo sentido da vida) a ser lida com uma voracidade só interrompida pela ideia de que, mal aterrasse, teria de me dedicar a caçar as outras obras de John Kennedy Toole. Pensamento que depressa esmoreceu ao recordar-me das palavras do escritor Walker Percy no prefácio da minha edição do livro, narrando a triste — mas por fim vitoriosa — saga de Uma Conspiração de Estúpidos. Toole escrevera apenas dois livros — para além deste, A Bíblia de Néon — e suicidara-se em 1969, vítima de uma depressão profunda, alimentada por anos de rejeição do seu trabalho por vários editores. Se o mundo tem hoje esta preciosidade que é Uma Conspiração de Estúpidos, isso deve-se ao comovente e inabalável empenho da mãe do autor, Thelma Toole, e do próprio Walker Percy, que abriu as portas do mundo literário à obra de John Kennedy Toole. O autor morreria longe de imaginar que o seu livro ganharia um Pulitzer e acabaria por tornar-se uma das obras maiores da literatura americana.» 

quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Suite 405

A minha opinião:
Suite 405 é nomeada na primeira página deste romance, com o qual recuperei o prazer de ler o que a Sveva escreve.  Li todos (ups!, menos o último que parece que foi o primeiro) e os romances tem todos um elo comum. Um romance com personagens abastadas e priveligiadas, outras humildes e dignas, num cenário de uma beleza absoluta em Itália. 
Personagens que individualmente têm uma história para contar. 

O que me espanta é que não lhes consigo resistir. A escrita fluída, os capítulos curtos, em romances que não são muito fogosos, levam-me a um mundo de glamour e educação que me fazem esquecer tudo o resto. E mais, fico sempre fascinada com algumas personagens. Neste romance foi com Armanda e Chiara. Personagens fortes, com uma obsessão pelos cabelos.

"A música, tal como a leitura, deve ser desfrutada, em todas as suas expressões."  (pag. 362) 
Ora, nem mais! ADOREI.

Autor: Sveva Casati Modignani
Páginas: 376
Editora: Porto Editora
ISBN: 978-972-0-03247-8
Edição: 2019/ Outubro

Sinopse:
Um automóvel de luxo avança velozmente a meio da noite pela autoestrada que liga Roma a Milão. A bordo segue o conde Lamberto Rissotto, proprietário de uma importante indústria metalúrgica que gere com sensatez, apesar das dificuldades inerentes à crise económica do país. Lamberto tem pressa de chegar a casa: acabou de descobrir a última e embaraçosa loucura da sua lindíssima mas impulsiva mulher e quer terminar definitivamente a relação com Armanda. Para mitigar a desilusão leva na memória a imagem do recente e fugaz encontro com uma desconhecida "muito jovem, muito bonita, com muita classe".
No meio da noite, outro homem viaja na mesma autoestrada de sul para norte, num carro utilitário coberto de pó: é Giovanni Rancati, sindicalista, que regressa de um encontro com operários. Em Milão espera-o a companheira, Bruna, cabeleireira que, após anos de muitos sacrifícios, conseguiu abrir um salão só seu. Vivem juntos num bairro popular, um daqueles em que as casas que partilham a mesma varanda deixam a descoberto as alegrias e as dores de cada um, uma realidade em que é difícil aguentar até ao fim do mês e em que um sonho pode custar as economias de uma vida. Lamberto e Giovanni representam dois mundos opostos e distantes, mas os seus caminhos vão acabar por se encontrar, um pouco por necessidade e um pouco por acaso. Desse encontro nasce um fascinante cruzamento de destinos em que se reflete a Itália de hoje, ainda dividida por contradições e lutas sociais, mas unida por uma profunda e absoluta necessidade de justiça e de amor.

terça-feira, 8 de outubro de 2019

Hotel Melancólico

A minha opinião:
María Gainza é um gosto confirmado. Diferenciado. Boémio. Nos seus livros é como se estivesse a dialogar com o leitor. 

A narrativa de uma mulher com uma mente aguçada e um olhar treinado que nos fala de pintura mas também da arte de viver numa escrita extraordináriamente simples, intima. Um livro infímo e revelante. Uma experiência em si. A realidade pode ser mais estranha do que a ficção e também mais difusa é o que nos explica. 

Duas mulheres que se cruzaram. "A negra" é uma personagem mítica, falsificava obras de arte, enquanto Enriqueta foi a mentora da narradora e o seu ídolo. Viajantes solitários na bolha do tempo do Hotel Melancólico.

Título lindo para um romance marginal. 

Autor: María Gainza
Páginas: 152
Editora: Dom Quixote
ISBN: 9789722068215
Edição: 2009/ Outubro

Sinopse:
Cansado de a ver desocupada, o tio da narradora arranja-lhe um emprego num banco para trabalhar com uma avaliadora de obras de arte. E, contra todas as expectativas, o ofício torna-se absolutamente fascinante, não só pelas incríveis descobertas que faz sobre falsificações, mas sobretudo pelas histórias secretas que a chefe acaba por lhe contar, uma das quais é a do Hotel Melancólico, onde viviam artistas que copiavam quadros para ganhar a vida e por onde passou a misteriosa Negra, figura central deste romance, que falsificava sobretudo a obra de Mariette Lydis, a pintora a quem a alta-sociedade de Buenos Aires encomendava os retratos.

Um belo dia, porém, a chefe estranhamente não aparece para trabalhar e o mais certo é que lhe tenha acontecido algo de grave; mas, se assim for, como será possível continuar a viver sem saber o fim de todas aquelas histórias que ficaram a meio?

Depois do internacionalmente aplaudido O Nervo Ótico, este Hotel Melancólico é, de novo, um romance sobre a relação turbulenta entre a arte e a vida, mas também sobre o engano e a manipulação, sobre a realidade e a ficção, sobre o vivido e o contado; uma narração sinuosa, enigmática e envolvente em que as personagens reais parecem de ficção e o contrário também é verdade.

sexta-feira, 4 de outubro de 2019

Três Mulheres

A minha opinião:
Três mulheres e as suas histórias de vida ligadas ao desesjo e ao sexo não foi uma leitura fácil. Não por não serem histórias felizes de não ficção, sequer por se tratar de uma leitura crua e incómoda, mas... por ser demasiada informação no dissecar de sentimentos e emoções da Maggie enquanto menor iludida por um professor respeitado; da Lina num casamento sem sentido ou Sloane num casamento aberto. 
Apesar da temática não é um livro erótico. 

Compreendo estas mulheres e sei que foram vitimas e que muito do que relataram se sabe por experiência própria mas cansou-me. Acho que não era o que me apetecia ler. Tanto negrume. Tanto pormenor. Tanta desesperança. 

Autor: Lisa Taddeo
Páginas: 312
Editora: Editorial Presença
ISBN: 9789722364416
Edição: 2009/ Outubro

Sinopse:

Uma fascinante narrativa sobre a vida sexual de três mulheres americanas, fundamentada num rigoroso trabalho jornalístico, empreendido por Lisa Taddeo. o desejo emociona-nos e atormenta-nos; controla os nossos pensamentos, destrói as nossas vidas, porém, pouco falamos sobre ele. Qual força submersa em nós, o desejo não sido devidamente explorado.

Lisa Taddeo numa interessante pesquisa jornalística, realizada ao longo da última década, viajou pelos Estados Unidos onde conheceu mulheres comuns de diferentes origens e regiões, e traz-nos agora um retrato profundo e inovador do desejo.

Começamos por conhecer Lina, no Indiana. Dona de casa, dois filhos. Após dez anos de casamento, já não há sinais de paixão no seu marido. Os seus dias são preenchidos com tarefas domésticas, como cozinhar para um homem que a rejeita. Carente de afeto, Lina sofre de ataques de pânico diários. Quando reencontra um velho amigo nas redes sociais, rapidamente inicia um caso extraconjugal.

Maggie é uma estudante de dezassete anos, no Dakota do Norte. Tem um romance com o seu professor de Inglês, já casado. Apesar de Maggie alimentar esperanças de uma vida em comum, ele termina a relação entre ambos no dia em que faz trinta anos. Passados alguns anos, Maggie não tem um curso, nem carreira, nem sonhos de vida e pensa vingar-se…

Sloane, dona de um restaurante bem-sucedido, é casada e feliz. Mas o marido gosta de a observar a ter relações com outros homens e mulheres. Ele seleciona os parceiros, só para ela ou a três. Ela tem de garantir a satisfação de todos. ao longo dos anos, Sloane tem-se questionado sobre onde termina o desejo do marido e começa o dela. Até que surge um novo parceiro sexual - que traz um segredo que irá finalmente forçar Sloane a refletir acerca de tudo aquilo que define o estilo de vida do casal.

Três Mulheres é o retrato inovador do desejo erótico, expondo a fragilidade, a complexidade e as desigualdades com que a mulher se confronta no relacionamento sexual. Uma obra sem precedentes escrita com grande profundidade e um poder emocional intenso.

quarta-feira, 2 de outubro de 2019

As Filhas do Capitão

A minha opinião:
Quase seiscentas páginas não é coisa pouca. Os romances de Maria Dueñas são pesos pesados. "O tempo entre costuras" é o único que tenho por ler, enquanto "As vinhas de La Templanza" foi uma leitura prazerosa que me encheu as medidas. Esperava o mesmo deste novo romance da autora e apesar de começar com menos ímpeto foi conquistando paulatinamente o meu entusiasmo com as fantásticas filhas d' O Capitão e a irmã Lito numa Nova Iorque dos idos anos trinta. A narrativa vibrante e vivaz como uma dança de flamenco fácilmente me levou a visualizar as cenas com as aguerridas personagens, os seus afectos, agravos e receios neste romance sobre desprovidos imigrantes. A escrita de Maria Dueñas tem esse poder. 

O romance é sobre o clã formado por quatro mulheres que foram ao encontro do seu destino, quando Emílio assentou arrebatado um negócio que mal conseguiu abrir em que deixou a familia desamparada e endivídada. Duríssima vida esta que as ensinou a sobreviver enquanto eu até às tantas lia impressionada por estas mulheres e ansiosa para conhecer o desfecho que a autora cumpriu com talento e acerto.
Sem mais... Obrigada Porto Editora.

Autor: María Dueñas
Páginas: 576
Editora: Porto Editora
ISBN: 978-972-0-03218-8
Edição: 2009/ Setembro

Sinopse:
Nova Iorque, 1936.
O pequeno restaurante O Capitão abre as portas na rua 14, um dos enclaves da colónia espanhola que sobrevive na grande cidade americana.

A morte acidental do seu dono, o libertino Emilio Arenas, obriga a que as suas filhas indomáveis – filhas também da loucura dos anos 20 – assumam as rédeas do negócio, enquanto nos tribunais se resolve a herança.

Abatidas pela súbita necessidade de sobreviver, as temperamentais Victoria, Mona e Luz Arenas abrirão caminho através das adversidades, decididas a transformar um sonho em realidade.

Com uma leitura tão ágil quanto envolvente e emocionante, As Filhas do Capitão conta-nos a história de três jovens espanholas que se veem obrigadas a cruzar um oceano, instalando-se numa cidade deslumbrante, e lutar com bravura para encontrar um caminho.

Baseado numa história real, este romance é também um tributo a todas as mulheres que resistem, mesmo quando os ventos sopram em desacordo, e uma homenagem aos valentes que viveram – e vivem – a aventura, simultaneamente épica e quase sempre incerta, da emigração.

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Voar no Quarto Escuro



A minha opinião:
Não fiquei surpreendida com a escrita apurada deste romance da Márcia mas fui apanhada pela intensidade dos sentimentos descritos. Não o li de imediato porque não me sentia preparada para a violência do que sabia capaz de exibir quando poucos o conseguem. É preciso coragem para enfrentar o que se oculta mal em muitos lares ou o que se calca no coração porque há o que proteger. Não é uma temática fácil mas presente e bem real, se estivermos atentos ao que se passa em nosso redor.

Acutilante e perverso este romance. Sentimentos e emoções fortes no sentir de várias mulheres com ligações entre si. Um mundo de pensamentos que voam no quarto escuro da mente de cada uma e fazem eco no leitor.  Solidão, culpa e amor num romance que li avidamente em poucas horas. 
Parabéns Márcia. Gostei muito. 

Autor: Márcia Balsas
Páginas: 196
Editora: Minotauro
ISBN: 9789898866646
Edição: 2019/ Agosto

Sinopse:
«Sou eu a minha prisão, agora. Até acordar cercada por grades, algures.»

Eduarda apenas sonhara em refazer a sua vida após a morte do marido, que a deixou sozinha no mundo com uma filha adolescente. Não desconfiou que essa nova casa, com um novo companheiro, a conduziria a uma vida de violência, destinada ao esquecimento. Anos de submissão encaminham-na para uma noite de tempestade.

Este é o momento em que as paisagens tão dissonantes da vida de seis mulheres se entrelaçam de uma forma inegável, numa demanda pelo significado da vida. Mães, filhas, amigas, amantes, casas devastadas pela dúvida e pela loucura - todas obrigadas a enfrentar o medo de voar no quarto escuro.

segunda-feira, 23 de setembro de 2019

Nove Perfeitos Desconhecidos


A minha opinião:
O que me passou pela cabeça quando vi o título deste livro é que seria um quebra cabeças com nove personagens reclusas numa casa para um concurso televisivo. Estava parcialmente equivocada porque estão juntas num retiro terapêutico. Não procuram lucrar mas antes recuperar. Todos têm algo a contar. E todos têm voz que usam à vez. 

Na verdade, não são nove mas onze personagens. As histórias pessoais de cada um determinam o seu comportamento e ao longo da narrativa vamos sendo surpreendidos. Algumas revelações são difíceis de processar. E o final é brilhante. 

E mais não conto... mas continuo a admirar os enredos puzzle e as personagens incriveis que Liane consegue criar. 

A não perder!

Autor: Liane Moriarty
Páginas: 496
Editora: Edições Asa
ISBN: 9789892345888
Edição: 2019/ Agosto

Sinopse:
Se alguém lhe garantisse uma transformação total em apenas 10 dias, você aceitava?
Nove pessoas aceitam. Os seus motivos são diferentes mas todas embarcam num retiro de luxo. Esperam massagens, meditação e dieta detox. Estão longe de imaginar o desafio que têm pela frente.

Frances Welty é uma escritora bestseller em plena crise de inspiração (entre outras). Quer recuperar a alegria de viver.
Ben e Jessica ganharam 22 milhões de dólares na lotaria. Já não lutam para esticar o dinheiro até ao fim do mês mas passaram a lutar um com o outro. Querem salvar a sua relação.
Napoleon, Heather e Zoe sofreram uma tragédia familiar. Querem perdoar-se a si mesmos e reencontrar a paz (possível).
Tony é um ex-jogador de futebol que perdeu aquilo que mais amava.
Carmel é uma mãe (exausta) de quatro filhos que foi trocada por uma mulher mais nova.
Lars é um advogado gay que se debate com um dilema impossível…

Será que estas nove pessoas vão encontrar a solução para os seus problemas?
Ou será melhor fugirem enquanto podem?

É que Masha, a diretora do retiro, tem para os seus clientes um plano que nenhum deles conhece…