segunda-feira, 24 de julho de 2017

O Pianista de Hotel

Autor: Rodrigo Guedes de Carvalho
Edição: 2017/ maio
Páginas: 480
ISBN: 9789722062701
Editora: Dom Quixote

Sinopse:
O Pianista de Hotel transporta-nos numa melodia.

É uma entrada para um mundo regido pela linguagem da música, pela sua força e beleza, presentes no ritmo de cada frase, de cada parágrafo rigorosamente medido.
Livro em camadas, nele se cruzam diversos planos, diversas histórias perpassadas pelo poder redentor da música que entra e rasga, a solidão, a dor e o vazio das pessoas que habitam nestas páginas. Com um vasto subtexto, a densidade das personagens está carregada de mistérios que nos prendem a sucessivas interrogações.

Há um pouco de nós em todas elas.
Há muito de nós neste mergulho ao mais fundo da alma humana.
É um romance que se lê e ouve, que mantém todos os sentidos alerta. Uma pauta musical, com andamentos diversos, que acabam por se cruzar numa vertigem imprevisível de autêntico thriller psicológico.

E, depois, há o pianista…

A minha opinião:
"O Pianista de Hotel" é o quinto romance de Rodrigo Guedes de Carvalho e o primeiro que leio deste autor. A publicidade e os comentários favoráveis tornaram possível esta leitura, marcada por uma inquietação ou tensão constante. Uma leitura que não se quer rápida, apesar da linguagem acessível e rica em diferentes tons.  A estrutura narrativa  não tem qualquer reparo, excepto o acesso sem pejo que a torna compulsiva. 

Duas personagens principais, Maria Luísa e Luis Gustavo, dois nomes próprios como que a chamar a atenção para a solidão, a perda e o desamparo, num vazio tão  grande que os torna conscientes do que e de quem os rodeia. Circunstâncias tão próximas que julguei que teriam que se encontrar. Outras vidas se sobrepõem nesta narrativa, como Pedro Gouveia e Saúl Samuel, outras dores se acumulam no quotidiano de uma grande cidade portuguesa. A violência contra as mulheres que me toca particularmente. Bullying, homossexualidade e morte. E claro, a música e o pianista de hotel. A beleza que não ouvimos neste romance que desperta os sentidos. 

Um romance forte e acutilante. Um romance que vou querer reler. Um romance para o qual desejava um final idílico. Um romance que perturba. Muito bom. 

domingo, 23 de julho de 2017

A Chave para Rebecca

Autor: Ken Follett
Edição: 2017/ abril
Páginas: 384
ISBN: 978-972-23-6003-6
Editora: Presença

Sinopse:
Para os alemães, é conhecido por Esfinge; para os outros, é Alex Wolff, um empresário europeu. Espião alemão, Wolff chega ao Cairo vindo do deserto. Leva consigo um rádio, um punhal e um exemplar do romance Rebecca, de Daphne du Maurier. Trata-se de um homem implacável, violento e disposto a tudo para levar a cabo a missão de que foi incumbido.

Wolff tem de enviar a Rommel mensagens diárias, utilizando um código no referido exemplar. A campanha britânica no Norte de África está em perigo e só o major William Vandam, dos serviços secretos, e Elene, uma prostituta egípcia por quem este se apaixonou, podem travar as mensagens clandestinas de Wolff. À medida que as tropas de Rommel avançam, Vandam persegue Wolff em busca da chave do código secreto e do confronto final, do qual só um deles sairá vencedor.

Com uma história intrincada e maravilhosamente bem construída, A Chave para Rebecca é um dos thrillers mais entusiasmantes de Ken Follett.
   

A minha opinião:
Admito, li muito pouco de Ken Follett. Não resisti quando encontrei este livro a baixo custo. Não sabia que era uma nova edição de um livro já lançado anteriormente. Ainda assim, não desvaneceu em nada o prazer da leitura.

Thriller de espionagem em que ambas as forças intervenientes na Segunda Guerra Mundial procuram vencer. Alex Wolff é um espião alemão de regresso ao Egito, que se depara com o major William Vandam, chefe de segurança dos Serviços Secretos Britânicos no Cairo para o travar. O espião conhecido por Esfinge, consegue um bom avanço com a cooperação de Sonja, uma famosa bailariana do ventre, ao revelar aos alemães muitos dos planos e segredos dos Aliados. Elene, jovem, judia e egípcia, apaixona-se pelo viúvo major Vandam e aceita seduzir o espião para deste modo o localizarem e prenderem.

Uma intricada trama, com algumas personagens relevantes para a ação, e com um enredo inicíal muito simples. A diferença é no modo rápido e ritmado, como é contada a história. E nos detalhes que tornam esta trama coerente e consistente. Cinematográfica. O carisma e a inteligência do vilão é uma surpresa que, num outro romance de Ken Follett também me surpreendeu. Apesar disso, torci pelos bons. Não foi dos melhores livros que li do género mas foi uma agradável leitura. 

terça-feira, 11 de julho de 2017

Isto Acaba Aqui

Autor: Colleen Hoover
Edição: 2017/ maio
Páginas: 336
ISBN: 9789898800985
Editora: TopSeller

Sinopse:
O que te resta quando o homem dos teus sonhos te magoa? 

Lily tem 25 anos. Acaba de se mudar para Boston, pronta para começar uma nova vida e encontrar finalmente a felicidade. No terraço de um edifício, onde se refugia para pensar, conhece o homem dos seus sonhos: Ryle. Um neurocirurgião. Bonito. Inteligente. Perfeito. Todas as peças começam a encaixar-se.

Mas Ryle tem um segredo. Um passado que não conta a ninguém, nem mesmo a Lily. Existe dentro dele um turbilhão que faz Lily recordar-se do seu pai e das coisas que este fazia à sua mãe, mascaradas de amor, e sucedidas por pedidos de desculpa.

Será Lily capaz de perceber os sinais antes que seja demasiado tarde? 
Terá força para interromper o ciclo?

A minha opinião:
Com esta capa, dificilmente teria lido este livro, senão me tivesse sido imposto por uma boa amiga com um único comentário - "Tens que ler este livro!" E acertou, claro!

Um romance que ultrapassa barreiras. Do preconceito. Ou de ideias préconcebidas, nomeadamente de que se pretende apenas entretenimento. 

Um romance que é um caso sério. Uma temática batida mas nunca o suficiente, e sempre pertinente. Ideal para mentes sonhadoras e idealistas, corajosas e ousadas, que não devem perder os seus limites. Mulheres fortes e inteligentes que se apaixonam por homens bonitos, carinhosos, compassivos e divertidos numa relação que parece perfeitamente possível e ainda assim, ter de escolher. A empatia com os protagonistas é de realçar porque  torna esta leitura imparável e absorvente. 

Uma estória pessoal e exigente para a autora que merece a minha admiração pelo desfecho exemplar. O início também vale a pena recordar e as cartas para Ellen DeGeneres no formato de diário que nos dão a conhecer Atlas num outro caso que importa repensar. 

Um romance a não perder. Enredo, personagens, narrativa sem motivo para crítica. Um prazer de ler!

sábado, 8 de julho de 2017

Nem Morto!

Autor: Lee Child
Série: Jack Reacher
Páginas: 424
ISBN: 9789722532426
Editora: Bertrand Editora

Sinopse:
Jack Reacher não tem para onde ir e quando chega a uma passagem de nível numa pradaria com o curioso nome de Mother's Rest, aquele parece-lhe o sítio ideal para fazer uma paragem de um dia. Está à espera de encontrar uma campa abandonada num mar de trigo maduro… mas, em vez disso, encontra uma mulher à espera do colega desaparecido, uma mensagem crítica acerca da morte de duzentas pessoas e uma cidade de gente silenciosa e vigilante. A paragem de Reacher transforma-se numa missão sem fim... no coração das trevas!

A minha opinião:
Ando numa de estreias. Lee Child é um dos escritores que nunca li, num género literário que é do meu agrado. Uma investigação com um protagonista 
excepcional - taciturno e frugal nas respostas, mas que inspira confiança e segurança - Jack Reacher. Consigo imaginar Tom Cruise no papel de Reacher de um filme que nunca vi.

Nesta trama mistério tem uma parceira casual, Michelle Chang, ex FBI, atualmente investigadora privada, que procura um outro investigador, entretanto desaparecido, que pedira o seu apoio em Mother´s Rest. A relação entre eles é de profundo entendimento nesta narrativa marcada por muitos diálogos.

Thriller com ação. O foco está nas personagens e no cenário bem descrito, mas lá mais para o fim percebi onde é que toda aquela trama mistério ia desenrolar. Um repugnante e lucrativo esquema que foi um murro no estômago tal a sordidez dos crimes. Uma ótima leitura de férias!

quarta-feira, 5 de julho de 2017

A Terceira Mulher

Autor: Lisa Jewell
Edição: 2017/ junho
Páginas: 304
ISBN: 9789898869043
Editora: TopSeller

Sinopse:
Todos temos segredos, e os segredos têm consequências.
Adrian Wolfe tem duas ex-mulheres, cinco filhos e demasiada bagagem.

Mesmo assim, ele e a sua terceira mulher, Maya, vivem em harmonia com a sua extensa família… Até que Maya morre inesperadamente e sem explicação. Um ano depois, as circunstâncias bizarras da sua morte continuam a atormentar Adrian: terá sido mesmo acidente? Ou suicídio? Teria Maya razões para tirar a sua própria vida?

Tentando ultrapassar o luto, Adrian decide investigar e descobre segredos perturbadores que o levam a passar em revista a relação com as ex-mulheres e os filhos. De repente, a frágil bolha de felicidade que envolvia a sua esquizofrénica família rebenta. Nem tudo é o que parece com os Wolfes. E quanto mais defeitos Adrian descobre na sua vida aparentemente perfeita, mais ele se questiona: será que algo ou alguém levou Maya à beira do precipício?

Um romance intenso sobre famílias modernas, que o deixará completamente agarrado aos seus segredos.

A minha opinião:
Não, não e não. Não tem comparação com os romances de Liane Moriarty.
Vagamente semelhante no tipo de enredo em que sentimentos ocultos em ambientes alegres vão sendo gradualmente expostos. A intensidade, o ritmo e o suspense que Liane consegue tão bem, não são atingidos neste romance. As personagens também não são tão bem conseguidas. Em suma, é um bom romance mas ficou aquém das minhas expectativas, considerando a possibilidade referida na capa.

Maya é a protagonista que morre no início da estória, e justamente por isso, a narrativa avança e recua no tempo, para deste modo se compreender a relação causa e efeito na razão deste desfecho numa aparente feliz família alargada. Uma utopia.  Adrian assumia que quando partia atrás do brilho de uma nova relação com uma nova mulher, as ex. e os filhos ficavam bem na sua antiga vida sem ele. A mesma casa, os mesmos amigos, a mesma escola. Era generoso. Enfim... os problemas surgem com uma misteriosa mulher e a revelação de emails críticos que Maya escondeu enviados por um deles. 

Atual e analítico. Sensível. Faltou o rasgo de genialidade para ser um romance empolgante e memorável.