terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Ricochete

AutorSandra Brown
Edição: 2011, Setembro
Páginas: 466
ISBN9789898228642
Editora: Quinta Essência

Sinopse:
Quando o detetive Duncan Hatcher é chamado à mansão do juiz Cato Laird para investigar uma morte, compreende que a discrição é a chave para manter o seu emprego. Elise, a mulher-troféu do juiz, afirma ter matado a tiro um gatuno em legítima defesa, mas Duncan tem quase a certeza de que ela mente. A investigação que faz ao passado pouco suspeito de Elise convence-o de que ela é mentirosa, manipuladora e, mais do que provavelmente, uma assassina.
Mas quando Elise desaparece…
Sem saber em quem acreditar, Duncan vê-se envolvido na investigação de um homicídio que desafia a sua lógica, o seu infalível instinto e a sua inabalável integridade. Não confia em ninguém, exceto na palavra do criminoso que prometeu eliminá-lo.
E confia ainda menos na mulher que mais deseja.

A minha opinião:
Foi o primeiro livro de Sandra Brown que li. Fui possivelmente influenciada por boas criticas e alguma curiosidade.

No ínicio pareceu-me semelhante aos policiais de James Patterson com personagens carismáticas e uma trama com algumas reviravoltas surpreendentes no decorrer da investigação. Contudo, fui mudando de opinião porque o determinado detective Duncan utilizava uma linguagem um tanto rude e até ordinária quando interrogava a bela Elise, e não me recordo de tal no que li de Patterson.
Neste ponto da estória, achei um tanto rebuscado ou cliché, a poderosa atracção do detective Duncan por Elise. A sua parceira Dee-Dee era o "seu grilo falante" que exprimia o que ele reprimia.

Um romance bem construido, com todos os elementos para nos prender à leitura. Peca por me parecer um tanto extenso ao explorar determinadas situações ou por demasiados diálogos que pouco acrescentam, mas ainda assim é um livro que li avidamente.

Recomendo.

sábado, 17 de dezembro de 2011

O Sol da Minha Vida

Autor: Catherine Anderson
Edição: 2011, Outubro
Páginas: 384
ISBN: 9789892800585
Editora: Arcádia (uma chancela Babel)

Sinopse:
Quando Isaiah contratou Laura, não estava à espera de uma tão grande lufada de ar fresco. Impressionado pelo seu toque - e assombrado pela sua beleza - Isaiah apaixona-se. E move o Céu e a terra para lhe demonstrar que ela é a mulher que ele mais precisa - a única que conseguirá trazer o sol para a sua vida.

A minha opinião:
Um romance maravilhoso.

Catherine Anderson cria personagens fascinantes numa estória bem construida que nos prende da primeira à última pagina numa leitura absolutamente viciante. Li este romance com deleite.

Animais é um dos temas que me enternece e foram personagens secundárias nesta clinica veterinária com dedicados profissionais (excepção de um deles que é o mistério que desvendamos no fim) dos gémeos Coulter. O sol - Laura, uma personagem generosa e atenciosa que conquista os afectos de todos apesar das suas limitações intelectuais. E Isaiah. O ideal de homem de qualquer mulher. Másculo, atraente, inteligente e apaixonado pela profissão e pela familia.

A familia numerosa e ruidosa em que todos se estimavam e apoiavam. Alguns elementos desta familia acompanhei os seus romances em outos livros desta autora.

Um prazer de ler num dia frio de Inverno em que as emoções nos arrebatem e nos façam esquecer tudo o resto.

Feliz Natal

Escola: Os Piores Anos da Minha Vida

Autor: James Patterson
Ilustrações: Laura Park                                                                         Edição: 2011, Setembro
Páginas: 288
ISBN: 978-989-707-020-4
Editora: Booksmile 

Sinopse:
Quem diria... Um livro infantil deste fabuloso autor!

Rafe Khatchadorian já tem problemas suficientes em casa sem ter de meter a escola ao barulho. Felizmente, ele tem um plano perfeito para ter o melhor ano de sempre, isto é, se o conseguir levar para a frente. Vai tentar quebrar todas as regras do código de conduta da sua escola.
Mas quando o jogo começa a perder a piada, ele terá de decidir se ganhar é o mais importante, ou se está finalmente pronto para aceitar as regras, lidar com os provocadores e com as verdades que ele está sempre a evitar.

Faixa etária: A partir dos 11 anos

A minha opinião:
Giríssimo.
Aprecio particularmente este escritor. Assim não podia deixar de ler este livro indicado para jovens como os que tenho em casa.

Um livro maravilhoso que foca sobretudo as dificuldades de adaptação de um pré-adolescente no inicio de um novo período escolar numa nova escola, bem como a dinâmica familiar.
Criativo e inteligente, Rafe ficciona os professores e os colegas e partilha os seus esquemas e segredos com o seu silencioso amigo Leo e, excepcionalmente divide com um novo amigo - o leitor.
Essa empatia é um exclente elo de ligação inicial que o talentoso James Patterson cria com o jovem leitor à história. Outro, são as divertidíssimas imagens que ilustram muito bem a narrativa do Rafe e a própria estória que  é muito bem escrita e com algumas surpresas.

Uma recomendadíssima prenda para ler em férias de Natal.  Desenvolver o gosto pela leitura.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Um Dia

Autor: David Nicholls
Edição: 2011, Agosto
Páginas: 456
ISBN: 9789722631792
Editora: Civilização

Sinopse:
Podemos viver toda uma vida sem nos apercebermos de que aquilo que procuramos está mesmo à nossa frente.
15 de Julho de 1988. Emma e Dexter conhecem-se na noite em que acabam a universidade. No dia seguinte, terão de seguir caminhos diferentes.
Onde estarão daqui a um ano? E no ano depois desse? E em todos os anos que se seguirão?
Vinte Anos, Duas Pessoas, Um Dia.

A minha opinião:
No início, não foi fácil envolver-me com esta estória porque a achava pouco consistente. Dexter e Emma, pareciam-me um tanto confusos e o seu relacionamento casual. Algo os atraía e algo os afastava. Expectativas e objectivos de vida diferentes, mas em que procuravam sempre o apoio e o "colo" um do outro nos momentos mais difíceis ou mais importantes.
Emma com seu espírito critico e sentido de humor acutilante e pertinente foi-me conquistando e persisti na leitura.

Depois, as suas histórias de vida evoluem e, enquanto ele se deslumbra num sucesso vazio e ilusório, ela vive uma relação insatisfatória e adia os seus sonhos. Por fim, o declínio dele e o início do sucesso profissional dela e... 15 anos de avanços e recuos numa cadência anual marcada pelo dia 15 de Julho. Perspectivamos duas vidas e podemos encontrar paralelo com muitas outras que conhecemos. Momentos de humor e momentos de angústia.

Não foi uma leitura fluida apesar de ritmada nos vários capítulos em que evidencia algum humor ou vivacidade nos diálogos, mas a narrativa é muito extensa e exaustiva. Esta é uma daquelas raras situações em que creio que o filme "ganha" ao livro, porque possivelmente sintetiza o que há de melhor nesta estória e no relacionamento de Dexter e Emma.  Vi o trailler e fiquei entusiasmada em vê-lo, principalmente pela atriz que faz o papel de Emma.

A estória é maravilhosa e tem significado para todos aqueles numa determinada faixa etária viveram os anos 80 como os seus anos loucos. E agora, que rumo tomaram? Que construíram nas suas vidas?

sábado, 3 de dezembro de 2011

Lições de Desejo

Autor: Madeline Hunter
Edição: 2011, Agosto
Páginas: 368
ISBN: 9789892315621
Editora: ASA

Sinopse:
Se Phaedra Blair não possuísse tanta beleza e estilo, a alta sociedade achá-la-ia apenas estranha. Mas como a Mãe Natureza a dotou de ambas as coisas, consideram-na interessante e excêntrica. Ela é uma mulher à frente do seu tempo. Deseja liberdade e persegue um sonho. Apaixonar-se não está nos seus planos imediatos. Aliás, o seu primeiro encontro com Lorde Elliot não é auspicioso. Injustamente presa, será graças ao poder e charme do jovem que consegue escapar. Mas Phaedra depressa descobre que o preço da sua "liberdade" é ficar virtualmente ligada ao seu "herói". Pois Elliot Rothman não agiu apenas numa missão de boa vontade. O seu objectivo é garantir que Phaedra não publicará um manuscrito que ameaça destruir o bom nome da sua família, e para tal, ele está disposto a tudo. Não contava, porém, encontrar uma adversária à sua altura. Os dois jovens vão debater-se com as convenções de uma sociedade rígida e, acima de tudo, com sentimentos tão intensos quanto contraditórios.

A minha opinião:
As lições de Madeline Hunter são sobre desejo, sedução e sensualidade. Palavras estas que são muito apelativas numa romance.

Conheço e aprecio a escrita de Madeline Hunter sobre uma época em que a sociedade distinguia classes sociais e se regia por valores diferentes que estabeleciam normas de conduta para homens e mulheres. Romances de época ou romances históricos com personagens fortes e admiráveis, que se distinguem pelos sentimentos e emoções que experienciam numa narrativa vibrante e intensa, para quem aprecia este género literário.

Lord Elliot Rothwell é o filho mais novo do anterior Lord de Easterbrook, título assumido pelo filho mais velho, Christian que o incube duma missão. Essa missão dá ínicio a uma história de desejo e paixão, de sedução e fantasia e perigo, de casamento e repudiação e amor, entre Elliot e Phaedra Blair.

Usos e costumes em que por exemplo, os duelos entre cavalheiros são uma forma de defender a honra e o bom nome da familia. Neste contexto, um manuscrito que referisse um possivel crime passional encomendado e encoberto não deveria constar nas memórias do pai de Phaedra que esta iria publicar sobre o anterior Lord de Easterbrook.

Phaedra era uma bela, intrigante e determinada mulher que tal como a sua mãe desprezava as "estúpidas regras sociais", procurando ser independente e livre e sendo marginalizada por isso. Mas também ela tinha um enigma para decifrar sobre os últimos anos de vida da sua mãe que envolvia uma fraude e traição.

À semelhança dos contos de encantar que liámos e ouviamos enquanto crianças, este romance é um conto sobre um príncipe encantado e exerce um poderoso fascínio sobre sonhadoras leitoras, que tal como eu, gostam desta fantasia. Maravilhoso no género. Um prazer de ler.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

O Livro do Amanhã

Autor: Cecelia Ahern
Edição: 2011
Páginas: 280
ISBN: 9789722346214
Editora:  Editorial Presença
Coleção: Champanhe e Morangos

Sinopse:
Tamara Goodwin tem dezasseis anos e vive confortavelmente numa mansão moderna com seis quartos, habituada a ter tudo o que quer quando quer. Mas, quando o pai morre deixando inúmeras dívidas, Tamara e a mãe não têm outra alternativa senão vender tudo e ir viver com parentes para um lugar distante e isolado junto ao castelo de Kilsaney. Para Tamara o choque parece inultrapassável, até que um dia uma biblioteca itinerante chega à vila trazendo consigo um misterioso livro encadernado a couro e fechado com um cadeado dourado… O que a jovem descobre entre as páginas está prestes a mudar toda a sua percepção do presente...

Imprensa:
«Um autêntico page-turner...cheio de originalidade e personagens coloridas. Mais um sucesso de Ahern.»
News of The World

«Esta história vertiginosa, uma inegável proeza de Ahern, deixa o leitor sob o efeito de um sortilégio.»
Publishers Weekly

«Num original gótico moderno, este apaixonante romance desenrola-se numa atmosfera de segredos familiares, intrigas e magia.»
Booklist

A minha opinião:
Por qualquer razão inexplicável, os livros de Cecelia Ahern atraem-me e acabo por os adquirir mas nunca tinha conseguido ler nenhum. Finalmente, decidi-me a ler "O livro do Amanhã" e fiquei rendida a este maravilhoso romance e a esta escritora. Agora, devo "devorar"todos os outros livros que dela foram publicados.

Concordo que as criticas da imprensa não são nada exageradas e efecttivamente é um autêntico page-turner, com uma narrativa suave, mágica e vertiginosa, pontuada por descrições em que visualizo o meio em que a acção se desenrola, bem como sentimentos e emoções dificilmente expressos por palavras.

Lindo...

Tamara Godwin de 16 anos, tinha tudo o que o dinheiro pode comprar. Era insolente, sarcástica e prepotente porque esperava tudo e pensava que merecia tudo só porque todas as pessoas que conhecia tinham essas coisas. Vivia no presente e nunca pensava no amanhã. Com o suícidio do pai e a consequente expropriação de tudo o que tinham, a vida de Tamara e da mãe mergulha no caos. A mãe fica perdida e alienada e recorrem à familia -o tio Arthur e a tia Rosaleen que as acolhem enquanto se restabelecem.

Desde o ínicio da estadia em casa dos tios, Tamara detectou muitas incongruências. Viva e perspicaz como era, foi seguindo as pistas e num dado dia surgiu uma situação misteriosa e inexplicável, que se torna intrincado para o leitor. Neste ponto, a trama de Tamara adensa-se, com emoções ao rubro que são transmitidas ao leitor que não consegue suspender a leitura, até ao desfecho.

Mais do que o conteúdo, é a forma como esta estória é contada. Apesar do apelo à fantasia e misticismo, a consciência critica e analista da personagem principal na sua relação consigo própria e com os outros, torna esta leitura um bom exercício reflectivo.

Como exemplo:

"Não tem nada que ver com religião, não tem nada que ver com a estabilidade mental, mas tem tudo que ver com o instinto natural do espirito humano, que é ter esperança mesmo quando ela já não existe, a menos que seja um completo cínico. Tem que ver com o amor, com perdermos alguém que amamos, com uma parte de nós que nos é arrancada e que faríamos quase tudo, ou acreditariamos em qualquer coisa, para que ela nos fosse devolvida. É a esperança de que um dia voltaremos a vê-lo, que ainda o sentimos próximo de nós. Uma esperança destas ... não nos transforma em pessoas fracas. É a descrença que nos torna fracos. A esperança torna-nos mais fortes, porque traz cosigo o sentido da razão. Não uma razão acerda do modo, ou do motivo pelo qual ela nos foi retirada, mas uma razão para vivermos. Porque é um talvez."

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

O centenário que fugiu pela janela e desapareceu


Autor: Jonas Jonasson
Edição: 2011, Setembro
Páginas: 368
ISBN: 978-972-0-04301-6
Editora:  Porto Editora

Sinopse:
Um romance hilariante e um fenómeno internacional de vendas a ler sem qualquer moderação!
No dia em que Allan Karlsson celebra 100 anos, toda a cidade o aguarda para uma grande festa em sua honra.
Mas Allan tem outros planos: Morrer de velho? Sim, mas não ali!
Munido de um par de chinelos gastos, joelhos empenados e uma ousadia tremenda, Allan lança-se numa extraordinária aventura, arrastado numa torrente de equívocos e golpes de sorte.
E ao mesmo tempo que acompanhamos a sua última viagem (ou será que não?), conhecemos o seu passado, perdido entre guerras, explosões e mulheres fatais - qual delas a mais perigosa!
Uma estreia literária impressionante que conquistou centenas de milhares de fãs.

Imprensa:
Humor negro, história do século XX e protagonistas irónicos capazes do impossível: fazer-nos ansiar pela velhice! Uma receita absolutamente viciante. Luís Filipe Borges

Depois de nos fazerem tremer com os seus policiais, os suecos dedicam-se a fazer-nos rir. Le Figaro
Uma brilhante odisseia burlesca… Paris Match

É o Forrest Gump sueco, o velhinho gaiteiro protagonista de O Centenário que Fugiu pela Janela e Desapareceu, a hilariante estreia narrativa de Jonas Jonasson. Ansa

A grande gargalhada do ano. Hemmets Journal

Completamente louco, um relato hilariante… Aftonbladet

A Suécia revela um gosto renovado pela ironia, um humorismo paradoxal (…) muito diferente das atmosferas noir da literatura escandinava dos últimos anos. Ansa

A minha opinião:
Absolutamente viciante, imprevisivel e muito divertido. Uma grata surpresa.

Com um título destes e uma capa não muito cativante, é um livro que lamentavelmente pode facilmente passar despercebido. A saga de Allan Karlsson é incrivel pela reviravoltas e peripécias que vivencia com total despreocupação porque não se inquietava com as surpresas boas ou más da vida.
As coisas que tinham de acontecer aconteceriam de qualquer maneira. Não aceitava causa alguma segundo qualquer ideologia politica ou religiosa mas podia ajudar se lhe fosse conveniente. Allan não percebia as implicações politicas porque, regra geral, quando as pessoas se punham a falar de política, ele deixava de ouvir. Era um reflexo.

Intercala alternadamente o presente (Maio de 2005) com épocas passadas da história de vida de Allan. Muitas aventuras em que o humor singular e algo negro tem uma tónica dominante, com desfechos que são de ler, gozar e pedir por mais.

A prodigiosa imaginação de Jonas Jonasson tece sobre acontecimentos importantes do seculo XX e personagens históricas como "Franco", "Truman", "Estaline", "Mao-Tsé-Tung", "Churchill", "De Gaulle", (e muitas outras) recriadas em encontros com o centenário Allan nas suas viagens pelo mundo.

A apaixonante vida deste centenário que "em cem anos, só por duas vezes" falara de mais; quando explicara ao Ocidente como se fazia uma bomba atómica e, depois, quando fez a mesma coisa para os de Leste.
Afinal, nada dura eternamente, a não ser, talvez, a estupidez humana.

Mirabolante, fantasioso e irónico, recheado de aventuras como se lesse banda desenhada. Até a paquiderme Sonya me consquistou nesta odisseia que a levou a Bali, assim como todas as outras incriveis personagens que se cruzaram com Allan após a sua fuga aos festejos do seu aniversário.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Bingo!

Autor: Esther Tusquets
Edição: 2009, Outubro
Páginas: 136
ISBN: 9789724414478
Editora:  Minotauro (uma chancela Almedina)

Sinopse:
O protagonista, à beira de fazer sessenta anos, está casado com uma mulher por quem nunca esteve verdadeiramente apaixonado. Talvez por isso, a sua vida foi — e é — sossegada, repleta de prazeres contidos e equilibrados. Porém, há uns meses que deixou de desejar. De forma gradual e inexplicável, as viagens, a música — até as mulheres —, tudo aquilo que lhe dava mais prazer começou a ser-lhe indiferente.
Para ele, a velhice seria a exasperação de desejar e de não ter forças para o conseguir, não este prolongado vazio — o médico dá-lhe mais trinta anos de vida — sem gozo nem dor. Um dia, ao tentar escapar do sol e dos primeiros calores, e da azáfama da vida, entra num Bingo.
É aí que conhece Rosa, uma bela jogadora de Bingo, já madura na idade, junto de quem recupera a vitalidade. Rosa será o seu guia num novo mundo, que lhe dará uma segunda oportunidade.

A minha opinião:
Um pequeno grande livro.

Um livro reflexivo. Reflexão que "o homem" faz no seu sexagésimo aniversário sobre a sua vida e reflexão do leitor enquanto lê sobre como encaramos passado, presente e futuro.

Um livro pragmático também.

É sempre bom sermos agradavelmente surpreendidos e encontrarmos algo mais num livro. Inteligentemente equilibrado e com uma escrita realista que nos conduz numa leitura breve e absorvente.

Numa fase de desinteresse e apatia apesar do sucesso que granjeou, "o homem" entrou num espaço para fugir ao sol e procurar a solidão e repito-me, refectir no meio de estranhos, quando porém vai conseguir alguma partilha na companhia das peculiares personagens que jogam diáriamente o Bingo. E mais importante, apesar das muitas mulheres que povoaram a sua vida, e de Adele, a esposa adequada e conveniente, recorda a Ana que magoou e... volta a apaixonar-se.

Afinal, "o homem não aspira a uma existência tranquila, o homem continua a preferir viver intensamente do que a viver em paz. ...Prefere acrescentar vida aos anos que acrescentar anos à vida."

domingo, 30 de outubro de 2011

ÁGUA, PEDRA, CORAÇÃO

Autor: Will North
Edição: 2011
Páginas: 328
ISBN: 9789722344890
Editora:  Editorial Presença

Sinopse:
Andrew Stratton é arquitecto e professor na Universidade da Pensilvânia, e sente-se realizado, até ao dia em que a sua ambiciosa mulher o deixa. Profundamente ferido, resolve deslocar-se a Inglaterra para participar num curso em Boscastle, na Cornualha. Aí, conhece Nicola Rhys-Jones, uma artista plástica americana, também divorciada. As afinidades entre ambos em breve transformam aquele encontro em algo bem mais forte do que a simpatia ou uma amizade. Mas se para Andrew é difícil aceitar os riscos de um novo relacionamento amoroso, para Nicola é quase impossível. Um enredo cativante que decorre num cenário idílico a que a ocorrência de uma catástrofe realmente ocorrida em 2004 naquela região confere um supremo toque de realismo.

A minha opinião:
"Sabes uma coisa Drew?"

Não, não sei, Lee, que coisa?"

Eram sempre assim os encontros matinais entre Lee, aliás Lilly, que se sentava no muro de pedra, junto ao portão da casa de Andrew, virada para a porta da frente, como se esperasse impacientemente que ele se despachasse.

Esta menina era filha dos donos da quinta e provocava um aperto no coração de Andrew porque era exactamente o tipo de criança que ele gostaria de ter tido como filha. Uma menina franzina, inquisitiva, sensitiva e muito viva que apesar da sua idade não tinha paciência para disparates.

Fiquei encantada com esta narrativa e os diálogos em que a pequena Lee se relaciona com os adultos que mais ama depois dos pais, Nicki e Drew.

O romance passa-se em Boscastle, uma aldeia real situada na costa norte da Cornualha no Sudoeste da Inglaterra e a 16 de Agosto de 2004 a conjugação invulgar de um conjunto de fenómenos metereológicos provocou uma das piores inundações registadas em Inglaterra em que milagrosamente não houve vitimas. O autor brilhantemente aproveitou alguns acontecimento verídicos e algumas personagens neste fascinante romance.

Um romance inebriante, envolvente, escrito com alma em que o autor enreda dados de uma região que tão bem descreve e transporta-nos para lá para nos apaixonarmo-nos pela zona e por todas as encantadoras personagens que lá habitam.

Este livro é perfeito para ler num dia de Outono, aconchegadas e tranquilas. Um romance com conteúdo. É comparado a Nicolas Sparks e a escrita talvez tenha traços comuns mas sem os finais emocionalmente dramáticos que é frequente em Sparks.

As personagens principais tem um passado que se reflecte no modo como se relacionam. Nicki conseguia ser muito carinhosa, brincalhona e sensual mas depois tornava-se distante, retraída e hostil, o que confundia e desconcertava Andrew que se apaixonara por ela e era correspondido mas por medo era irascível com ele.

E muito mais haveria para escrever sobre este romance mas o melhor mesmo é lê-lo. Recomendadissimo. Depois de ler o primeiro romance de Will North - Entre o Céu e a Montanha - fiquei atenta a tudo o que fosse publicado deste talentoso escritor e finalmente consegui dedicar-me a lê-lo, o que confirmou que serei uma fiel seguidora.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

NOVIDADE QUE ME SEDUZ

Autor:  José Jorge Letria
Edição: 2011, Outubro
Páginas: 216
ISBN: 9789895558179
Editora:  Oficina do Livro

Sinopse:
Ao longo dos tempos, têm sido proferidas frases por grandes figuras da história da Humanidade que a memória colectiva registou e imortalizou. Apenas dois exemplos: «Não sois vós que me expulsais, sou eu que vos condeno a ficar», pronunciada por Demóstenes, na Grécia Antiga, e «os tempos que nos esperam serão de sangue, suor e lágrimas», da autoria de Winston Churchill, ao anunciar a entrada do Reino Unido na II Guerra Mundial. Como estas, existem centenas de frases, incluindo várias de origem portuguesa («Obviamente, demito-o!», de Humberto Delgado, ou «Sou socialista, republicano e laico», de Mário Soares, entre outras), que merecem ser recordadas e recontextualizadas de uma forma criativa, colocando em cena os autores e as circunstâncias históricas em que foram pronunciadas. Até já temos o «Porreiro, pá», dito pelo (nosso) Sócrates…

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

A evolução de Calpurnia Tate

Autor:  Jacqueline Keely
Edição: 2011, Junho
Páginas: 248
ISBN: 9789896660994
Editora:  Contraponto

Sinopse:
“O meu nome é Calpurnia Virginia Tate, mas, nesses tempos idos, toda a gente me tratava por Callie Vee. Nesse verão, tinha onze anos e era a única rapariga de um total de sete irmãos. Conseguem imaginar pior do que isto?”
O verão de 1899 é quente na adormecida cidade do Texas onde vive Calpurnia, e não há muitas maneiras eficazes de combater o calor…

A única alternativa que Callie encontra é cortar discretamente o cabelo, uns furtivos dois centímetros de cada vez. Também passa muito tempo no rio na companhia do seu irascível avô (um ávido naturalista), e descobre que cada gota de água está cheia de vida – nada como olhar através de um microscópio. Ao mesmo tempo que Callie vai explorando o mundo natural à sua volta, segundo os passos de Darwin, consegue desenvolver uma forte relação com o avô, contornar o perigo que é viver com seis irmãos e aprender o que significa ser-se rapariga na viragem do século.

A minha opinião:
"- E qual é a lição que podemos tirar disto?

... fiquei a olhar embasbaca par ele. Ele respondeu:

- A lição de hoje é: vale mais viajar com a esperança no coração do que chegar em segurança. Compreendes?

- Não, avô.

- Significa que devemos celebrar o fracasso de hoje porque é um sinal claro de que a nossa viagem de descoberta ainda não acabou. O dia em que a experiência tiver êxito é o dia em que a experiência terá um fim. E descobri que, inevitavelmente, a tristeza do fim prevalece sempre sobre a celebração do êxito."

Um livro terno sobre uma criança na viragem para o seculo XX à descoberta do mundo sob a orientação do avô. O avô, sobrevivente de guerra delegara o trabalho da quinta no filho e vivia à margem da familia no seu nicho de interesses e conhecimentos. Num Verão quente e monótono, permitiu que a sua única neta partilhasse o seu espaço e aprendesse algumas lições que estavam vedadas a raparigas.

A vida e o quotidiano na familia e na comunidade de Callie Vee são também outros dos temas que esta narrativa abrange e promove alguns bons momentos de entretenimento tranquilo. Não correspondeu às minhas expectativas mas foi uma leitura aprazível sem grandes pretensões ou arrojos. Medianamente interessante.

sábado, 15 de outubro de 2011

MISTER GREGORY

Autor:  Sveva Casati Modignani
Edição: 2011, Setembro
Páginas: 464
ISBN: 978-972-0-04358-0
Editora:  Porto Editora

Sinopse:
Aos oitenta e cinco anos, Gregorio Caccialupi passa em revista uma vida intensa marcada por contrariedades e vitórias. Para trás ficam as recordações de uma infância pobre na Itália dos anos 1930 e uma decisão que mudou para sempre a sua vida - emigrar para a América em busca de um futuro melhor.
Ambicioso e determinado, coleciona sucesso atrás de sucesso e uma série de mulheres procuram conquistar o seu coração - Florencia, o seu primeiro amor, Nostalgia, com quem se casou, e Erminia, a sua derradeira paixão. Com o decorrer do tempo, Gregorio Caccialupi torna-se Mister Gregory, dono de uma importante cadeia de hotéis, um homem rico e influente. Porém, um investimento mal calculado leva-o à ruina. Conformado com a sua vida discreta num lar de idosos, está longe de saber que um encontro inesperado lhe trará uma revelação surpreendente e a possibilidade de retomar as rédeas do seu destino.
Mister Gregory é um magnífico romance de Sveva Casati Modignani, que pela primeira vez elege como protagonista um homem: complexo, terno e fiel aos seus princípios, sedutor, esquivo e sempre irresistível.

A minha opinião:
Confirmei mais uma vez o quanto admiro e aprecio os romances de Sveva Casati Modignani, pela sua capacidade criativa nas histórias de vida de carismáticas personagens, bem como o seu talento para as contar envolvendo o leitor desde as primeira páginas.

Este volumoso romance é para mim, talvez o mais maravilhoso de todos os que li desta autora.

Mister Gregory que é uma personagem fascinante. Integro e profundamente honesto com uma aurea de mistério para as mulheres, que por ele suspiram. Um porte nobre e elegante apesar das origens humildes. Gregorio enquanto italiano e Gregory com a nacionalidade americana é um homem que se fez a si próprio quando desiludido com a separação dos pais e com o que supunha ciumes da bela Isola, a sua muito amada mãe, embarcou para os Estados Unidos determinado a vencer na vida.

Toda a sua história é luminosa e enquanto leitora também fui seduzida por ele.

Quem conhece a escrita de Sveva e as pausas/ capítulos que nos deixam em suspense sempre que muda de tema ou aborda outra perspectiva percebe que a técnica que usa é de uma hábil contadora de histórias que bem poderia ser uma narrativa verbal. Emoções não ficam de fora e o envolvimento é completo em que visualizamos todas as personagens com as suas caracteristicas fisicas e psicológicas

Romance intenso que me fica na memória e no coração durante muito tempo e que quando com o tempo se esbater vou gostar de o reler com prazer.

sábado, 8 de outubro de 2011

Tantos são os livros que quero ler... neste Outono.

De que são feitos os sonhos

Autor:  Melissa Senate
Edição: 2011, Junho
Páginas: 324
ISBN: 9789899711648
Editora: Noites Brancas (uma chancela Clube do Autor)

Sinopse:
Depois da morte da avó, Holly assume a direcção da sua Escola de Cozinha. As aulas, marcadas por receitas especiais que incluem desejos e memórias na lista de ingredientes, vão mudar a vida de Holly e a dos alunos. Em conjunto, eles vão perceber que podem criar as suas próprias receitas para a felicidade.
Quando Holly Maguire herda a «Camilla’s Cucinotta», a escola de cozinha italiana da avó, dezasseis alunos inscritos no curso de culinária desistem. Afinal, Holly não é Camilla, conhecida por ser a «deusa do amor», cujos molhos secretos possuem propriedades afrodisíacas e cujas adivinhações têm o poder de mudar a vida dos seus alunos. Holly é uma mulher de trinta e dois anos, desencantada com a vida, que nem sequer sabe cozinhar. Mas depois da morte da avó, decide manter vivo o seu legado. Armada do caderno de receitas de Camilla, Holly acolhe os novos alunos: Mia, uma menina desesperada por aprender a cozinhar para impedir o pai de casar com a namorada imbecil; Juliet que chora a filha perdida; Simon, que se esforça por ser um pai presente para a filha depois do divórcio; e Tamara, que anseia pelo verdadeiro amor. Todas as receitas de Camilla incluem desejos e memórias, tristes ou doces. Misturando desejos ardentes e memórias agridoces com molhos apetitosos e deliciosos pratos italianos, Holly e os seus alunos acabam por criar as suas próprias receitas para a felicidade e descobrir que, afinal, o futuro pode ser bem doce…

A minha opinião:
Que delicia!!!

No Verão, em férias, vi este livro e pensei "Mais um livro que mistura a fantástica comida italiana com relacionamentos e sentimentos". Não me enganei. Apesar de não ser original, a estória simples e quase banal, tem um leque de maravilhosas personagens que encantam enquanto exprimem os seus anseios, mágoas e receios na confeccção de pratos que deixam água na boca.

Agradeço a preciosa critica da Fernanda que me ajudou a decidir em lê-lo.

Holly é uma terna e um tanto perdida personagem que retoma ao Maine depois de mais um desgosto de amor. Com a morte da avó que sempre a amparou e acarinhou, vê-se na contigência de assumir o negócio que ela com o seu dom assegurou contra todas as adversidades e ressentimentos. Insegura, Holly e os seus apenas 3 alunos e Mia - uma criança inteligente e sensivel, cozinham em conjunto todos os ingredientes que incluem desejos e memórias. Na cumplicidade e partilha, constroem uma maravilhosa amizade e encontram o amor.

Não conhecia esta autora mas vou estar atenta aos próximos romances. Sabe contar e escrever bem. Uma estória ritmada e fluida que envolve e conforta com tão apetitosa e apelativa comida. Um prazer de ler.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

O Lago dos Sonhos

Autor:  Kim Edwards
Edição: 2011, Agosto
Páginas: 448
ISBN: 978-972-26-3371-0
Editora: Civilização

Sinopse:
Depois de vários anos no estrangeiro, Lucy regressa a casa. Encontrando-se numa encruzilhada na sua vida, sente-se perseguida pela morte misteriosa do pai, que ocorreu há uma década. Certa noite, já tarde, enquanto deambula pela enorme casa familiar na margem de um lago, descobre, escondida no assento de uma janela, uma coleção de objetos que, à primeira vista, parecem simples curiosidades, mas que depressa irão revelar uma complexa história familiar.
As saudades do passado, avivadas pelo reencontro com o seu primeiro grande amor, conduzem-na a situações inesperadas. Lucy descobre e explora os contornos do seu passado. A história da família como ela a conhecia é destruída – e, depois, dramaticamente reconfigurada, animando-a a viver com uma liberdade que ela nunca tinha experimentado antes.
Com constantes surpresas e cheio de detalhes vibrantes, O Lago dos Sonhos é uma saga poderosa e envolvente, que seguramente vai cativar os milhões de leitores que adoraram Segredos de Família.

A minha opinião:
Desta vez a minha opinião não é tão positiva como outras que tenho deixado aqui.Definitivamente esta saga não me cativou. Apesar da capa e da sinopse me teremr agradado, a leitura foi um tanto fastidiosa. Provavelmente, por motivos meramente subjectivos, mas na minha humilde opinião a autora não conseguiu imprimir ritmo a esta estória com demasiadas descrições e outros detalhes que nada acrescentavam.

A linguagem é cuidada mas a narrativa é longa e o encanto perde-se. A interação das personagens não era a de uma familia que se reencontra depois de algum tempo afastados porque não parecem ter intimidade ou ligação.

A personagem principal "nada em águas turvas" desde a morte do pai. Ao encontrar casualmente o rasto de uma corajosa familiar que esteve na luta pelo sufrágio feminino começa uma exaustiva investigação para desvendar o passado e encontrar um sentido no presente. Os segredos ou mistérios que desvenda contam uma história de vida.
Não fiquei envolvida ou senti empatia mas compaixão e compreensão com esta leitura.

Encantador mas ... não viciante ou ...

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Os 30 - Nada é como Sonhámos

Autor:  Filipa Fonseca Silva
Edição: 2011, Maio
Páginas: 176
ISBN: 9789895557233
Editora: Oficina do livro

Sinopse:
FILIPE assume-se como um coleccionador de relações falhadas e continua preso à sua paixão de adolescência. MARIA foi deixada pelo namorado três meses antes do casamento e procurou curar-se do desgosto com uma longa viagem; e JOANA, menina do papá controladora e moralista, acabou por dar o nó com o rapaz errado, vivendo um relacionamento de fachada por mero oportunismo. Os três conhecem-se desde os tempos da faculdade, quando faziam parte de um grupo de amigos muito unido e cheio de sonhos e expectativas; mas a vida – com as suas voltas e reviravoltas às vezes ingratas – encarregou-se de os ir afastando, e está na hora de todos se juntarem para, finalmente, falarem do que os une e do que os separa. Durante um jantar no qual tilintam os cristais e brilham os talheres de uma Joana cada vez mais convencional, demasiadas surpresas ameaçarão, porém, a ordem natural das coisas: revelações e encontros imprevistos, reconciliações e jogos de sedução, transgressões e actos de adultério. No fim, já se vê, nada será como antes. Como uma espécie de “Os Amigos de Alex do século XXI”, este é um romance extremamente lúcido sobre o fim da inocência e os percursos de um grupo de jovens que, entre paixões e desilusões, chegam, mesmo sem querer, à idade adulta. Com doses iguais de humor e realismo, a autora capta de forma perspicaz o sentimento de uma geração a que chamaram «rasca», fazendo o seu retrato ao mesmo tempo indulgente e implacável.

A minha opinião:
Gosto particularmente de ler romances , apesar de também me dedicar por vezes a ler outros géneros literários. No entanto, não gosto de ler romances excessivamente "cor-de-rosa" que de tão fantasiosos e fantásticos parecem contos de fadas.

Hesito em ler autores portugueses porque nem sempre me satisfazem. Mas já fui agradávelmente surpreendida como é o caso. O reencontro de amigos não é  uma ideia original mas foi bem conseguida. Um romance divertidissimo, inteligente e escrito de um modo irepreensivel que me proporcionou bons momentos de entretenimento e reflexão.

Personagens ricas de conteúdo e expressividade que são estereotipos que tão bem conhecemos. A interação das mesmas com as suas diferenças depois de um período de afastamento e construção leva-as a confrontos criticos mas também a reflexões e auto-análises.

Imperdível.  Um prazer de ler.

sábado, 24 de setembro de 2011

As Raparigas da Villa

Autor:  Nicky Pellegrinno
Edição: 2011, Setembro
Páginas: 352
ISBN: 9789892316024
Editora: Edições Asa

Sinopse:
Rosie, Addolorata, Toni e Lou: onde quer que estejam, estas quatro amigas cumprem sempre o pacto que fizeram quando eram ainda colegas de escola. Apesar de terem seguido rumos muito diferentes, todos os anos se reúnem para passar férias num destino paradisíaco. Entre confissões, romances e pura evasão, os lânguidos dias passados ao sol em encantadoras villas são-lhes imprescindíveis.

Lou é insegura e debate-se permanentemente com os seus sonhos e expectativas. A inconveniente Toni encontrou no jornalismo uma carreira à sua medida mas as suas escolhas pessoais parecem ser uma eterna fonte de problemas. Como boa filha de italianos, a extrovertida Addoloratta, gosta de partilhar o seu amor pela vida. Será ela a salvar Rosie da solidão em que vivia desde a morte dos pais e a incluí-la neste grupo de amigas. Inesperadamente, será a tímida Rosie quem vai ver o seu futuro mudar mais radicalmente graças ao pacto… e a um sensual italiano chamado Enzo.

A minha opinião:
Um bom romance que li descontraída e absorta em que Rosie e a Herdade das Oliveiras com toda a família Santi e principalmente Enzo como personagem principal me enlevaram suavemente, sem artifícios ou apelos lamechas.

Rosie conduz a sua vida sem qualquer plano pré-definido ou determinado, quase de um modo casual e acidental depois da perda dos pais. Enzo pelo contrário, tem desde sempre a sua vida determinada pela família como herdeiro e gestor de uma grande herdade dedicada ao cultivo das oliveiras e à produção do melhor e mais puro azeite. Inexplicavelmente estas duas pessoas que se conhecem em ambiente de férias apaixonam-se mas o peso da tradição e a corrupção alteram o quotidiano da vida familiar de Enzo e interrompem o romance seguindo ambos com as suas vidas.

As amigas com as suas diferenças mantêm um pacto de se juntarem e gradualmente vão consolidando a amizade que tal como o amor surge misteriosamente. Os apontamentos do diário de Addolorata são muito pertinentes.

Neste romance é possível reflectir sobre o que pensamos e o modo como nos sentimos, as escolhas que fazemos e a insatisfação numa demanda de mais e mais ou melhor. Muitas vezes o que parece não é, e o que realmente sentimos está oculto bem dentro de nós.

Conheço e aprecio a escrita e as estórias de Nicky Pellegrino com narrativas em que faz referência à amizade, família e em que o clima e a comida têm uma estreita ligação. Traços marcadamente latinos. Neste livro não foge à sua principal característica com todo o impacto que a comida tem na forma de estar e sentir da mulher. E que comida, porque boa parte do livro estive com água na boca de tão apetitosos que são os pratos descritos.

Recomendadíssimo.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

MISTER GREGORY

Autor:  Sveva Casati Modignani
Edição: 2011, Setembro
Páginas: 464
ISBN: 978-972-0-04358-0
Editora: Porto Editora

Sinopse:
Aos oitenta e cinco anos, Gregorio Caccialupi passa em revista uma vida intensa marcada por contrariedades e vitórias. Para trás ficam as recordações de uma infância pobre na Itália dos anos 1930 e uma decisão que mudou para sempre a sua vida - emigrar para a América em busca de um futuro melhor.

Ambicioso e determinado, coleciona sucesso atrás de sucesso e uma série de mulheres procuram conquistar o seu coração - Florencia, o seu primeiro amor, Nostalgia, com quem se casou, e Erminia, a sua derradeira paixão. Com o decorrer do tempo, Gregorio Caccialupi torna-se Mister Gregory, dono de uma importante cadeia de hotéis, um homem rico e influente. Porém, um investimento mal calculado leva-o à ruina. Conformado com a sua vida discreta num lar de idosos, está longe de saber que um encontro inesperado lhe trará uma revelação surpreendente e a possibilidade de retomar as rédeas do seu destino.

Mister Gregory é um magnífico romance de Sveva Casati Modignani, que pela primeira vez elege como protagonista um homem: complexo, terno e fiel aos seus princípios, sedutor, esquivo e sempre irresistível.

AGUARDO COM ALGUMA ANSIEDADE, O LANÇAMENTO DESTE NOVO LIVRO DESTA ESCRITORA QUE TANTO APRECIO

Encontro na Provença

Autor:  Elizabeth Adler
Edição: 2011, Maio
Páginas: 364
ISBN: 9789898228574
Editora: Quinta Essência

Sinopse:
No Sul da França, os segredos serpenteiam pelo campo ensolarado como os ramos das videiras – e como um bom vinho, tornam-se melhores a cada ano que passa. Mas Franny Marten sabe pouco desse mundo. Tudo o que serpenteia através da sua pequena casa de campo na Califórnia é o sonho de se apaixonar. Franny pensava que o sonho podia tornar-se realidade - até que conhece a mulher do seu amante! Mas, quando começa a sentir que o seu coração já ficou destroçado demasiadas vezes, Franny recebe uma carta misteriosa que muda tudo...
A carta é um convite para uma reunião da família Marten num château na Provença. Sabendo pouco sobre a família, Franny decide arriscar e faz as malas para a aventura de uma vida. A sua decisão de ir a França irá empurrá-la para um mundo na orla do tempo, onde o azul do Mediterrâneo se mostra ao longe com a promessa de que tudo é possível. E quando Franny descobre por que motivo o destino a levou à Provença, vai finalmente entender que quando se trata de amor, às vezes nem tudo é o que parece. Às vezes, é ainda melhor...

A minha opinião:
Li alguns dos livros de Elizabeth Adler e percebi que os seus romances que encontro em vários pontos de venda, mesmo não sendo best-sellers são recheados de paisagens bucólicas e idílicas, com personagens carismáticas e incriveis e as narrativas são dinâmicas, marcadas por mistérios, intriga, humor, algum suspense e romance. Para tal, existe também um vilão.

Como entretenimento e lazer, este romance é uma boa sugestão. Deleitei-me nesta fantástica fantasia romântica em que as personagens são convidadas para uma deliciosa aventura no Sul de França onde o clima, as paisagens, as comidas são uma tentação que gostariamos de experimentar.

Como romance não é muito convincente mas que importa quando queremos uns momentos de sonho e fantasia?

domingo, 18 de setembro de 2011

Um Amor em Segunda Mão

Autor:  Isabel Wolff
Edição: 2010, Setembro
Páginas: 350
ISBN: 9789896660581
Editora: Contraponto

Sinopse:
Phoebe Swift é uma especialista em história da moda que decide deixar o seu emprego na prestigiosa leiloeira Sotheby’s para abrir o seu próprio negócio – uma pequena loja de roupa vintage no Sul de Londres, chamada Vintage Village. Ao mesmo tempo, Phoebe está a lidar com a recente perda da sua melhor amiga, Emma, e com a separação do seu noivo. Por isso, refugia-se no trabalho – restaurando as maravilhosas e antigas peças de roupa que compra, revendendo-as para que tragam algum glamour à vida das suas clientes. Mas Phoebe não consegue deixar de pensar nas «vidas passadas» destas roupas – nas histórias que contariam se pudessem falar.
Um dia conhece Thérèse Bell, uma senhora de idade, de origem francesa, com uma belíssima colecção de moda para vender. Entre os fatos elegantes e vestidos de alta-costura, Phoebe encontra um casaquinho de criança azul que data da época da Segunda Guerra Mundial – uma peça que a Sr.ª Bell se recusa a vender. À medida que se vão tornando amigas, Phoebe vai escutando a triste e inspiradora história por trás do casaquinho azul – e vai descobrir uma ligação inesperada entre a vida da Sr.ª Bell e a sua, uma ligação que lhe permitirá libertar-se da dor do passado e voltar a amar.

A minha opinião:
A Paixão pelo Vintage (moda desde os anos vinte aos anos oitenta) é a mudança que Phoebe Swift introduz na sua vida, depois de marcante perda da sua melhor amiga, da ruptura com o seu noivo e da interrupção de uma bem sucedida carreira. Um recomeço.
Um encantador romance que entrelaça descrições de peças de roupa vintage com mulheres que se deixaram seduzir por elas e que outrora fizeram parte do passado de outras mulheres. Histórias de vidas que me provocaram vários sentimentos.
Perturbador foi ler sobre a relação parental de Miles com Roxy, uma jovem que não conhecia limites, porque nada lhe tinha sido negado ou exigido.
Recomendo pela escrita e pela história.

A Filha do Rei

Autor:  Barbara Kyle
Edição: 2010, Setembro
Páginas: 460
ISBN: 9789896570965
Editora: Planeta

Sinopse:
A Filha do Rei é o segundo volume da série Torneigth e, tal como o primeiro livro da autora publicado em Portugal, A Aia da Rainha, é um romance histórico situado no tempo de Henrique VIII. Em A Aia da Rainha, sobre uma aia com um segredo que poderia mudar a História, Barbara Kyle mergulha o leitor na Londres do século XVI, uma época dominada por reformas religiosas, uniões por conveniência e jogos de bastidores. E é também sobre este pano de fundo que se desenrola a história de A Filha do Rei. O novo romance de Barbara Kyle passa-se na Inglaterra dos Tudor, durante o reinado de Maria I, a rainha sanguinária (bloody Mary, em inglês) e apresenta dados inéditos sobre este conturbado período da história europeia.

No livro, a autora levanta a possibilidade da soberana ter queimado os ossos de Henrique VIII, seu pai, criando assim a dúvida se de facto este está sepultado onde se crê estar. Rico em detalhes de uma época pródiga em episódios e personagens fascinantes, A Filha do Rei não poupa o leitor a imagens cruas e impressionantes sobre o cárcere de famílias inteiras, sobre alianças maquiavélicas em torno do poder e sobre a luta de uma mulher pelo futuro de uma nação… Isabel I.

A minha opinião:
Maravilhoso romance histórico.
Envolvi-me completamente na história num tempo e num lugar marcado por conspirações, traições, alianças, lutas e crimes, em que a religião e a politica se misturavam, durante o reinado de Maria. A época dos Tudor, em que a determinação de Isabel Thornleight nos arrasta para aventuras audazes em prisões tenebrosas, com o mercenário espanhol Carlos Valverde, para salvar o pai e, ainda assim, auxiliar os rebeldes que queriam evitar a aliança, através do casamento, entre a sua rainha e o filho do imperador Filipe de Espanha.
O clima de sedução e as muitas aventuras que envolveram Carlos e Isabel, fizeram com que fosse difícil interromper a leitura até chegar ao fim.
O tempo voou enquanto eu o li.

 

A Memória da Água

Autor:  Karen White
Edição: 2010, Junho
Páginas: 384
ISBN: 978-972-0-04509-6
Editora: Porto Editora

Sinopse:
Na noite em que a mãe desaparece numa tempestade no mar, as irmãs Diana e Marnie Maitland descobrem que pode haver mais do que um tipo de morte. As duas passarão a guardar os seus próprios segredos sobre o que realmente aconteceu, segredos que as perseguirão até à idade adulta.
Após dez anos de silêncio entre as duas irmãs, Marnie Maitland regressa à Carolina do Sul a pedido de Quinn, o seu ex-cunhado. O pequeno Gil voltou de um passeio de barco com a mãe profundamente perturbado e recusa-se a falar. Para ajudar o sobrinho, Marnie será obrigada a reabrir velhas feridas e trazer à superfície memórias inquietantes e há muito enterradas. E terá de confrontar Diana. Mas serão elas capazes de exorcizar os fantasmas que as atormentam? Serão capazes de lidar com as suas próprias fraquezas?
Intenso e comovente, A MEMÓRIA DA ÁGUA explora os laços que unem duas irmãs e a coragem para enfrentar os obstáculos mais difíceis e as memórias mais dolorosas.

A minha opinião:
Intenso e perturbador, é a melhor definição que encontro para este romance. Toda a trama está assente no misterioso passado de duas irmãs que vamos descodificando gradualmente com todo o seu colorido, porque, ou está recalcado, ou não é sujeito a diálogo. E que incríveis surpresas se nos revelam em toda uma história de coragem, amor e resistência.
Magistralmente escrito e com "pausas" sempre que lemos sobre o sentir e o pensar das principais personagens, como a Diana e a Marnie (as irmãs desavindas), o Quinn (ex-marido da Diana) e o Gil (o filho da Diana e do Quinn).
Um romance profundo para desfrutar, memorizar e recordar.

Contra o Vento

Autor:  Angeles Caso
Edição: 2010, Junho
Páginas: 227
ISBN: 9789896570729
Editora: Editora Planeta

Sinopse:
O romance vencedor do Prémio Planeta 2009, o mais importante galardão literário atribuído em Espanha, narra os infortúnios das mulheres que se recusam a viver a vida que lhe estava predestinada e que, contra o vento do destino, seguem lutando a cada dia que passa.
Ángeles Caso, autora de Contra o Vento, lançado sob o pseudónimo de Virgínia Évora, quem sabe uma mistura eclética entre Cesária Évora e Virgínia Woolf, inspirou-se na ama da sua filha, São, uma cabo-verdiana que emigra primeiro para Portugal e daqui para Espanha, para escrever a obra vencedora do Prémio Planeta 2009.
Baseada nesta e em muitas outras mulheres emigrantes, o livro trata da luta de todas elas contra o vento da miséria, dos maus-tratos, da inexistência de oportunidades profissionais e dos sonhos frustrados.
Comovente e ao mesmo tempo repleto de esperança, Contra o Vento, que segundo a autora dá voz às heroínas do século XXI, as mulheres emigrantes que chegam para “cuidar de nós, dos nossos filhos e dos nossos velhos”, é também um romance sobre a amizade feminina, sobre a força da solidariedade e o poder da música e da dança enquanto forma para superar as dificuldades e a dureza da vida.
Sem esconder o compromisso assumido – primeiro com a literatura, depois com a sociedade, mas acima de tudo com as mulheres, Ángeles Caso confessa que há algo na vida das mulheres que a fascina: a valentia e o fortíssimo sentido de amizade. São, a cabo-verdiana que inspirou a autora e por quem Ángeles Caso nutre uma imensa admiração, é disso exemplo.
Mesmo sem nunca saber a identidade da narradora, é impossível ficar indiferente à história de São, uma história narrada com ritmo e cuja crítica elogia sobretudo pelo realismo da escrita.
 
A minha opinião:
Há livros que, pela sua qualidade, permanecem na nossa memória por muito tempo e engrandecem-nos como pessoas. Ler a narrativa viva, com extrema sensibilidade e sem floreados ou apelo ao sentimentalismo sobre a São e outras mulheres valentes que cruzaram o seu caminho e sobreviveram à fome, à violência, às doenças no mundo onde desafortunadame nte nasceram e viveram, levam-nos a reflectir e a valorizar o que nos rodeia.
E não se trata de ficção, porque sabemos que este romance é baseado em relatos verídicos.
A descrição de sentimentos e emoções é tão autêntica e bem definida com poucas vezes li.
Um excelente romance, que tive o prazer de ler.

A Próxima Vez

Autor:  Marc Levy
Edição: 2010, Março
Páginas: 232 
ISBN: 9789896660598
Editora: Contraponto

Sinopse:
Jonathan é um especialista em arte com uma paixão inexplicável pela obra do pintor russo Vladimir Radskin. Quando, nas vésperas do seu casamento, lhe chega a notícia de que uma galeria em Londres tem em sua posse cinco quadros do pintor – entre eles, possivelmente, a sua mítica última obra, A Jovem de Vestido Vermelho, misteriosamente desaparecida em 1868 –, Jonathan não hesita em partir.
Ao chegar a Londres, encontra Clara, a dona da galeria, e é acometido por uma forte sensação de déjà vu: certamente já viu aquele rosto, já ouviu aquela voz. Mas onde, e quando? Será que entre eles há algo mais em comum do que uma paixão por pintura?
A sua busca leva-os da galeria em Picadilly Circus a uma loja de tintas em Florença, de um laboratório no Louvre a uma misteriosa mansão em Inglaterra. Quanto mais Jonathan e Clara descobrem acerca da última obra de Radskin, mais descobrem acerca de si próprios: três vidas muito diferentes, três destinos entrelaçados, presos numa corrida contra o tempo...
 
A minha opinião:
Os livros de Marc Levy são arrebatadores e envolventes. A história surpreende-nos e prende-nos com dados que não cogitamos, mostra como os sentimentos podem ser eternos e os destinos de duas ou mais pessoas podem estar determinados.
Mas, o que mais me agrada são os bem humorados diálogos das personagens. E que personagens... maravilhosas!!!
Para mim, este escritor consegue ser prodigioso a contar uma história, porque, sem ser lamechas, escreve sobre a amizade e o amor de um modo profundo e sentido.

O Esplendor da Vida

Autor:  Sveva Casati Modignani
Edição: 2010, Setembro
Páginas:  368
ISBN: 978-972-0-04305-4
Editora: Porto Editora

Sinopse:
Depois de Desesperadamente Giulia, Sveva Casati Modignani dá continuação à história de Giulia de Blasco, uma das personagens-chave mais emblemáticas de toda a sua obra.

Giulia de Blasco é uma escritora de sucesso que venceu uma difícil batalha contra o cancro e conquistou o amor do cirurgião Ermes Corsini. Apesar disso, Giulia não consegue encontrar a serenidade que tanto deseja.
O seu filho Giorgio, de dezasseis anos, atravessa uma adolescência conturbada e acaba por influenciar negativamente a relação de Giulia e Ermes e fazer Giulia questionar as suas capacidades como mãe.
É no meio destas dúvidas e incertezas que surge Franco Vassalli, um enigmático e fascinante empresário, habituado a conseguir tudo o que quer...
Para Giulia começa assim mais um período dramático e intenso da sua vida.
 
A minha opinião:
Mais um livro desta talentosa escritora que me deixou presa numa animada intriga de personagens multifacetadas que se cruzam numa sequência de peripécias com uma extraordinária ironia.
Nenhuma das personagens é completamente boa ou completamente má e, mesmo nos piores, encontramos um lado bom e, nos melhores, também descobrimos um lado mau.
Giulia, um exemplo de sucesso depois das
vicissitudes da vida, é ainda assim uma mulher frágil, insegura, com dificuldade em conviver consigo mesma. Em suma, uma personagem complexa, feita de coerência e de contradições, de força e de fragilidades que lida com algumas adversidades com o problemático filho adolescente e vacila no amor arduamente reconquistado. Genuína na sua relação com os outros e verossímil para mim como leitor.
Fiquei arrebatada com o inteligente, charmoso e enigmático Franco Vassalli.
Frequentemente, fui surpreendida com facetas ou acções imprevisíveis que me mantiveram em suspense e empolgada em continuar a leitura até ao final.
É essa característica que adoro nos livros da Sveva Casati Modignani.