segunda-feira, 25 de setembro de 2017

A Maravilha Imperfeita

Autor: Andrea de Carlo
Edição: 2017/ julho
Páginas: 352
ISBN: 9789722062282
Editora: Dom Quixote

Sinopse: 
Tudo se passa na Provença, no outono, quando as primeiras névoas húmidas se entrecruzam com um longo rasto de calor quase estival. As vilas e as aldeias vão-se esvaziando de habitantes e turistas. Não obstante, prepara-se ainda um grande evento - o concerto de uma célebre banda inglesa, em parte com fins humanitários e em parte para comemorar o terceiro casamento de Nick Cruickshank, vocalista e carismático líder do grupo. Fervilham os preparativos, integralmente organizados com pulso firme por Aileen, a futura mulher de Nick.

Na vila há uma gelataria cuja gerente é uma jovem italiana, Milena, que cria, pensa e experimenta gelados com uma tensão de artista. Milena vive há alguns anos uma relação sólida com uma mulher estável e forte, quase a compensar a evanescência dos gelados, a ponto de se ir submeter dentro de alguns dias à fecundação assistida - um importante passo que talvez não tenha decidido. Sem o confessar, sente-se insegura. Tal como Nick, que pergunta a si mesmo a partir de quando a sua relação com Aileen perdeu o encanto dos primeiros tempos. 

Assim se cruzam os destinos de um famoso rocker inglês e de uma rapariga italiana e, no decurso de três dias, de quarta a sexta-feira, tudo se acelera e precipita num turbilhão inevitável e entusiasmante.

A minha opinião: 
Nesta curiosa demanda por novos autores tenho sido avassalada por revelações e sensações "numa corrente em que a perplexidade e a curiosidade se misturam em doses iguais". (pag.249) 

"- Porque é que a maravilha é imperfeita?
(...)
- Porque não dura.
(...)
- Desaparece. Juntamente com o espanto, a curiosidade, a atenção milimétrica, o divertimento, o prazer, a alegria que continha."           (pag. 112)

O livro não me passou despercebido. Admitamos que não é fácil. A maravilha a que se refere é a que é apresentada na capa, mas não só.  As relações considerando o temperamento de cada um e a sua maneira de reagir às circunstâncias, o conflito de aspirações e exigências que surgem, o equilibrio que é preciso manter sem deixar de ser verdadeiro. Alternando a voz feminina com a masculina, a ligeireza com a profunidade, o simples com o complexo, a comédia com o drama, num romance em que se sobrepõem perguntas dela e dele, de quarta a sábado em trinta e cinco capítulos.

Na contracapa lemos " A vida é demasiado curta para a desperdiçarmos a concretizar sonhos dos outros" e também é disso que se trata. O sentimento de pertença e a liberdade de ser distinto, numa leitura enriquecedora e nada fácil de processar através da introspeção inevitável. Protagonistas cativantes mas perturbados porque sentem a corda à volta do pescoço. 

Fascinante. A escrita, o enredo e o sentido. Um romance que apela aos sentidos e nos deixa a cabeça à roda. Um livro que nos pode mudar.

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Todas as Ondas do Mar

Autor: Kerry Lonsdale
Edição: 2017/ julho
Páginas: 336
ISBN: 9789896489410
Editora: IN

Sinopse:
Depois de um desastre avassalador destruir a sua família, Molly Brennan foge do amor da sua vida e dos erros trágicos que cometeu. Passados doze anos, tem uma vida nova com a sua filha de 8 anos, Cassie, num ambiente seguro e pleno de amor e carinho, algo que sempre faltou a Molly. Mas quando Cassie é atormentada com visões assustadoras e pesadelos terríveis, Molly vê-se obrigada a regressar ao único local onde jurou nunca voltar: a sua casa de infância.

A minha opinião:
De quando em vez gosto de ler um romance leve. Um romance sobre almas gémeas/ amores duradoures, laços de familia e capacidades extraordinárias. Um romance sobre mulheres. A avó Nana, a neta Molly e a bisneta Cassie, personagens que inspiram afeto e compaixão. A filha, falecida, não é esquecida porque a sua sorte afetou as pessoas que mais amava que sentiam saudade e remorso.

Molly é uma talentosa artista que consegue transformar o que é considerado lixo, o vidro poroso que encontrava na areia da praia em belissimas peças de arte, mas não se dá valor. Foi maltratada e desvalorizada, como a mãe. Cassie é uma criança brilhante que sofre com a sua clarividência. E Nana, é uma avó como qualquer pessoa gostaria de ter. Maternal e sábia, que se preparou para o regresso da sua familia e sofre em segredo. A união destas mulheres é magnética e a narrativa gira em torno delas e do unico elemento masculino que vale a pena ler - Owen. 

Esperança, espanto e amor. O que procuramos num romance. Uma fórmula simples que resulta se as personagens forem envolventes e convincentes, num cenário idilico e com um enredo bem desenvolvido. Gostei muito e fiquei muito curiosa com o romance anterior "Os segredos que guardamos", que se possível, vou querer ler.

sábado, 9 de setembro de 2017

Os Falsários

Autor: Bradford Morrow
Edição: 2017/ agosto
Páginas: 264
ISBN: 9789897243813
Editora: Clube do Autor

Sinopse:
Na tradição dos policiais de Agatha Christie e Arthur Conan Doyle, um romance misterioso e profundo sobre o fascínio do colecionismo e o lado sombrio do comércio de livros raros.

O que acontece quando mentimos tão bem que perdemos a noção do que é real? Numa prosa magnificamente cuidada, Bradford Morrow traça uma linha débil entre o devaneio e a intuição, a memória e a ficção autoilusória, entre o amor verdadeiro e o falso.

Uma comunidade bibliófila é abalada com a notícia de que Adam, um colecionador de livros raros, foi atacado e as suas mãos decepadas. Sem suspeitos, a polícia não consegue avançar no caso, e a irmã procura desesperadamente uma pista.

Ao longo das páginas repletas de mistério e simbologias, escritores famosos e citações brilhantes, Will, cunhado e colega de profissão de Adam Diehl, tenta obter uma resposta e, ao mesmo tempo, escapar às ameaças do misterioso «Henry James». Consciente do simbolismo do caso, ele sabe que um homem sem mãos se vê privado do instrumento mais precioso quando se trata de imitar a caligrafia de William Faulkner, James Joyce, Conan Doyle e outros que tais. Na verdade, Will, ele próprio genial falsário, talvez saiba demais.

A minha opinião:
A capa, o título e a sinopse tornaram este livro irresistível para uma leitora como eu. Um livro sobre livros. Falsários. E um crime perturbador. Um inofensivo amante de livros foi alvo de um ataque macabro. 

Brilhantismo e astúcia para concretizar missivas convincentes em manuscritos antigos com a pretensa caligrafia do autor que os peritos não detetam. São estes os falsários de livros raros, cobiça de colecionadores. 

Vamos ao que interessa...
Livro pequeno que me irritou sobejamente e pensei amiude abandonar. Personagens sem brilho, relacionamentos sem chama e uma trama que não evoluia. Aguardava uma surpresa que renovasse a minha expectativa, entretanto baixa, de que esta poderia ser uma leitura empolgante e viciante. Soturno e amorfo era o que pensava. Finalmente cheguei ao fim e fui apanhada no susto. Fiquei ainda mais irritada, se tal era possível,  mas compreendi a argúcia do autor. E pensei melhor sobre o que lera. E apreciei, o que antes não acontecera. Uma outra perspetiva que talvez venha a deixar marca, o que não é fácil. 

Uma experiência inesperada. Não sendo o meu tipo, contráriamente ao que supus pelo que vi do seu exterior, acabou por ser fecundante.

Sr. Mercedes

Autor: Stephen King
Edição: 2017/ março
Páginas: 472
ISBN: 9789722530477
Editora: Bertrand

Sinopse:
Numa madrugada gelada, uma fila de desempregados desesperados vai crescendo para conseguir lugar numa feira de emprego. Inesperadamente, um condutor solitário avança sobre a multidão num Mercedes roubado, atropelando os inocentes; depois recua e torna a avançar. Oito pessoas são mortas, quinze ficam feridas. O assassino foge. Meses mais tarde, noutro lugar da mesma cidade, um polícia reformado chamado Bill Hodges continua perturbado pelo crime que ficou por resolver. Quando recebe uma carta demente de alguém que se autodenomina «O Assassino do Mercedes» e ameaça um ataque ainda mais diabólico, Hodges desperta da sua reforma deprimente e decide a todo o custo evitar uma nova tragédia.

Brady Hartsfield vive com a mãe alcoólica na casa onde nasceu. Adorou aquela sensação de morte ao volante do Mercedes, e quer sentir aquilo de novo. Só Bill Hodges, com os seus dois novos (e improváveis) aliados, pode deter o assassino antes que ataque de novo. E não têm tempo a perder, porque a próxima missão de Brady, se for bem-sucedida, irá chacinar milhares de pessoas. Sr. Mercedes é uma luta épica entre o bem e o mal, e a exploração da mente de um assassino obsessivo.


A minha opinião:
Stephen King está a meio da tabela dos escritores de ficção que em 2016 mais lucraram. Conhecedora desse dado pensei que o devia ler. E se não o fizera antes com o tipo de histórias que o tornaram rico, poderia começar com o Sr. Mercedes, vilão e protagonista desta história. Uma mente engenhosa que encontra satisfação num crime de oportunidade. 

Uma carta que envia ao então reformado policia Bill Hodges, a reclamar o protagonismo reinicia a investigação sem intervenção das autoridades. A dedução e intuição de Bill Hodges que se associa a Jerome fazem-no avançar, apaixonar-se e conhecer Holly, a última das particpantes nesta corrida contra o tempo para impedir um crime ainda mais hediondo. 

O percurso existencial das personagens não é descuidado e as suas forças e fraquezas expostas, o que torna este thriller muito interessante dada a complexidade emocional e intelectual que se revela em personagens que nos parecem estranhas, mas às quais ficamos completamente rendidos.  O brilhantismo da narrativa fazem desta um sucesso com aproximadamente 500 páginas que se lêem sem tédio. 

Muito fácil de ler. Não sendo muito violento é um thriller muito competente que gostei.