sábado, 21 de janeiro de 2017

A Gorda




Autor: Isabela Figueiredo
Edição: 2016/ novembro
Páginas: 288
ISBN: 9789722128339
Editora: Editorial Caminho

Sinopse:
Maria Luísa, a heroína deste romance, é uma bela rapariga, inteligente, boa aluna, voluntariosa e com uma forte personalidade. Mas é gorda. E isto, esta característica física, incomoda-a de tal modo que coloca tudo o resto em causa. Na adolescência sofre, e aguenta em silêncio, as piadas e os insultos dos colegas, fica esquecida, ao lado da mais feia das suas colegas, no baile dos finalistas do colégio. Mas não desiste, não se verga, e vai em frente, gorda, à procura de uma vida que valha a pena viver.

A minha opinião:
Este livrinho foi perfeito nas minhas deambulações diárias, em que qualquer momento livre servia para o abrir e ler. 

Memórias de uma jovem que se tornou mulher enquanto cirandou nas várias divisões da casa (por capítulos), amou e perdeu-se no preconceito de que era gorda.

Mas não é apenas disso que se trata. Um romance que claramente tem muito de autobiográfico e fala da vida e dos pequenos nadas que a compõem com um olhar critico, objetivo e impiedoso, mas também especulativo e manipulando o real. Fala das pessoas que aparecem na nossa vida e mais tarde desaparecem por um motivo qualquer e do que nos deixam. Fala ainda da solidão e do vazio que se esconde.

Uma mulher como todas as outras. Como eu. Uma mulher com um mundo dentro de si. Uma mulher com uma identidade e tanto sentir, tantas vezes ambíguo mas verdadeiro. Uma mulher que tinha uma fome impossível de saciar que desamou o seu corpo.

Leitura crua mas que me encantou. Irrepreensível escrita e quase poética. Percebo agora o muito ruído que há em torno deste livro de que também eu faço eco.

domingo, 15 de janeiro de 2017

Destinos e Fúrias

Autor: Lauren Groff
Edição: 2016/ novembro
Páginas: 432
ISBN: 978-972-23-5920-7
Editora: Editorial Presença

Eu Confesso

Autora: Jaume Cabré
Edição/Reimpressão: 2015
Páginas: 736
ISBN: 9789896712563
Editora: Tinta da China

Sinopse:
Na Barcelona franquista, o pequeno Adrià cresce num amplo e sombrio apartamento; o pai está determinado a transformá-lo num humanista poliglota, a mãe, num violinista virtuoso. Brilhante, solitário e tímido, o rapaz procura satisfazer as ambições desmesuradas que depositam nele, até ao dia em a morte violenta e misteriosa do pai o leva a questionar a origem da fortuna familiar. Meio século depois, Adrià recorda a sua vida, indissociável do turbulento percurso de um violino excepcional. Da Inquisição ao nazismo, de Barcelona ao Vaticano, vai-se desvelando a cruel história europeia: uma cadeia de eventos iniciada na Idade Média, com repercussões trágicas até à actualidade.

A minha opinião:
Eu confesso. Confesso que demorei muito mais tempo do que tinha planeado a ler este livro genial. Confesso que não esperava uma leitura tão complexa e rica que exigia atenção e concentração, mas que ainda assim marca. As folhas deste livro de baixa granulometria tornam este livro mais denso do que imaginei. Os saltos temporais e espaciais que podem ser de alguns séculos são espectaculares mas custaram-me a entrar inicialmente na história. Não pretendo deste modo dissuadir qualquer leitor de se embrenhar neste livro que asseguro é um livro de uma vida. Um livro para guardar, preservar, reler e recomendar.

Depois de o ler, fui fazer uma pesquisa na Net e o que encontrei dispensa que me alongue muito neste comentário porque foi sobejamente apreciado e bem julgado nos posts que li, que de todo consigo igualar. 

Uma criança sobredotada numa família sem amor e um violino único que nunca fora tocado por um musico talentoso mas que serve de mote para uma intrincada narrativa, em análise sobre o poder do mal desde a Inquisição passando pelo nazismo para Adrià que se debate com a culpa e o amor. 

Sara Voltes-Epstein é o amor de quem se viu separado em jovem e que mais tarde se reconciliou. No fim da sua vida escreveu uma longa carta no verso de um trabalho que entregou ao amigo Bernat. Sentimentos expressos de uma mente privilegiada que tal como o pai era um colecionador que conheceu o medo e a solidão. 

Um romance completo. O homem na sua complexidade. 

sábado, 31 de dezembro de 2016

E Onde é que Está o Amor?

Autora: Ana Zanatti
Edição/Reimpressão: 2013
Páginas: 136
ISBN: 9789897020711
Editora: Editora Guerra & Paz

domingo, 25 de dezembro de 2016

Sete anos bons

Autor: Etgar Keret
Edição:  2016 / agosto
Pages:  184
ISBN: 
978-989-676-177-6
Editora: Sextante Editora (chancela)

domingo, 4 de dezembro de 2016

A Rainha do Sul


Autor: Arturo Pérez-Reverte
Edição: 2003/ outubro
Reimpressão: 2016
Páginas: 440
ISBN: 972-41-3575-6
Editora: ASA

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Concerto em Memória de Um Anjo

Autor: Eric-Emmanuel Schmitt
Edição: 2016/ outubro
Páginas: 192
ISBN: 978-989-75-4147-6

Editora: Editorial Presença

domingo, 20 de novembro de 2016

Água do meu coração

Autor: Charles Martin                         
Edição: 2016/ setembro
Páginas: 384
ISBN: 978-972-0-04802-8
Editora: Porto Editora

sábado, 19 de novembro de 2016

O Meu Nome é Lucy Barton

Autor: Elizabeth Strout                                     
Edição: 2016/ setembro
Páginas: 176
ISBN: 
9789896651176
Editora: Alfaguara Portugal

domingo, 13 de novembro de 2016

A Empregada

Autor: Laura Amy Schlitz
Edição: 2016/ outubro
Páginas: 368
ISBN: 9789896488123
Editora:Editora In

Sinopse: 
Inspirado no diário da avó de Laura Amy Schlitz, a premiada autora deste livro, este é um romance de época que se traduz numa perspicaz e realista visita guiada pela América do início do século XX. A viagem da protagonista, Joan, conduz o leitor por uma interessante exploração dos temas mais quentes da viragem do século, como o feminismo e o trabalho doméstico, a religião e a literatura, a educação e a independência financeira, o amor e a lealdade, antissemitismo, kosher, gratidão, velhas rezingonas, gatos, chapéus e joanetes. Um livro divertido e emotivo, que relata na primeira pessoa a luta de uma jovem inteligente e lutadora pelo direito a um futuro melhor, e do preço que por ele se tem de pagar.

A minha opinião: 
"A empregada" é um romance em forma de diário de uma jovem de 14 anos em 1911 que para fugir a uma vida de subserviência num ambiente familiar rural e masculino consegue um trabalho remunerado como empregada domestica mentindo sobre a idade. 

Os usos e costumes, as diferenças socioeconómicos e o antissemitismo destacam-se nesta historia contada na primeira pessoa do singular. 

Romance de época leve e divertido que me transportou no tempo com a Joan Skraggs (Janet Lovelace para a família judia que a acolheu em Baltimore) e me envolveu nos seus dramas como se os testemunhasse.  Impulsiva, romântica e justa, conquista a idosa governanta Malka com o seu bom coração e esforço, assim como todos os membros da família judaica. Personagens bem caracterizadas pela autora.

O que me conquistou como leitora foi a paixão de Joan pelos livros que minimizavam a sua solidão, mas adorei o conflito entre a sua fé católica e a fé judaica dos Rosenbachm que ela resolveu brilhantemente na sua conversa com o padre. 

Exactamente o tipo de leitura que eu precisava na ocasiao. Aventura e sonho sem devaneios românticos enjoativos. 

domingo, 6 de novembro de 2016

Uma Dor tão Desigual

Autor: Afonso Cruz, Dulce Maria Cardoso, Gonçalo M. Tavares, Joel Neto, Maria Teresa Horta, Nuno Camarneiro, Patrícia Reis, Richard Zimler
Edição: 2016/ setembro
Páginas: 200
ISBN: 9789724751139
Editora: Teorema

Sinopse:
Este livro resulta de um desafio feito a oito autores portugueses para que explorassem as fronteiras múltiplas e ténues que definem a saúde psicológica e o que dela nos afasta. Em estilos muito diferentes, um leque extraordinário de escritores brinda-nos com textos que mostram como qualquer um de nós pode viver momentos difíceis e precisar de ajuda.
Estas são histórias de perda, solidão, fraqueza e delírio, mas também de esperança e humanidade. São relatos de gente que podíamos conhecer e talvez conheçamos, histórias íntimas e ricas de homens e mulheres como nós.
A área da saúde psicológica está ainda sujeita a muitos preconceitos, que dificultam a procura de ajuda profissional e estigmatizam quem sofre. Pretende-se com este livro combater esses preconceitos, despertar consciências e ajudar a encontrar uma saída.

A minha opinião: 
Gosto de contos. São curtos, concisos e diretos. Ou seja, estórias pequeninas, sem muitos detalhes que não façam diferença, em que rapidamente chegamos à mensagem que estava na mente do autor, ou não, porque cada leitor foca aspectos que mais lhe interessam.   

Estes contos são relevantes pela temática que abordam. E foi justamente isso que me chamou a atenção.  Isso e o conjunto de autores convidados para este desafio, que do meu ponto de vista foi superado com exito.  

Pode-se gostar mais de um ou de outro dos oito contos que aqui se apresentam,  mas todos foram bem conseguidos. Criativos e muito bem escritos como seria de se esperar. Todos focam problemas distintos e tocam-nos porque já os conhecemos através de amigos, familiares ou meras versões verbais bem menos imaginativas e mais assustadoras. Provavelmente, em algum momento das nossas vidas sentimos a necessidade de ajuda ou de compreensão para situações assim que fugiram do nosso controle. 

Se não, não deixem de ler como um  breve interlúdio que não se deve dispensar pelo muito que nos faz sentir e reflectir.  Uma dor tão desigual. Um prazer de ler!