sábado, 17 de outubro de 2015

Também Isto Passará


Autor: Milena Busquets 
Edição: 2015/ setembro
Páginas: 120
ISBN: 78-989-87-5289-5
Editora: Jacarandá

Sinopse:
Quando Blanca era pequena, para a ajudar a ultrapassar a morte do pai, a sua mãe contou-lhe uma lenda chinesa. Uma lenda sobre um poderoso imperador que convocou os sábios e lhes pediu uma frase que se aplicasse a todas as situações possíveis.

Depois de meses de deliberações, os sábios apresentaram uma proposta ao imperador:«Também isto passará.» E a mãe acrescentou: «A dor e a mágoa passarão, como passam a alegria e a felicidade.» Agora morreu a mãe de Blanca, e este romance, que começa e termina num cemitério, fala da dor da perda, do peso dilacerante da ausência.

Milena Busquets transforma experiências pessoais em literatura e, partindo do íntimo, consegue criar um romance que rompe fronteiras. Através da história de Blanca e da doença e morte da sua mãe, das relações com os amantes e as amigas, combinando prodigiosamente profundidade e leveza, a autora de Também Isto Passará, fala-nos de temas universais.
A dor e o amor, o medo e o desejo, a tristeza e a vontade de sorrir, a desolação e a beleza de uma paisagem em que se entrevê fugazmente a mãe falecida a passear junto ao mar. Porque aqueles que amámos não podem simplesmente desaparecer.

A minha opinião:
A temática dor da perda e o peso dilacerante da ausência não é de todo o tipo de leitura que procuro mesmo que ficcional. Sentimentos profundos e intensos fazem eco em corações magoados com narrativas plenas de sentido. 

A acção passa-se em Cadaqués, localidade catalã da província de Girona. Um lugar deslumbrante e acolhedor, como que um porto de abrigo para a personagem Blanca, que regressa com filhos, ex-maridos e amigos num processo de luto e balanço de vida. A mãe que faleceu após prolongada doença, doença essa que a transfigurou completamente como a mulher que era, deixa a filha devastada apesar da convivência ter sido marcada por uma relação de amor-ódio. 

Narrativa agridoce e acutilante que toca em factos da atualidade que urge refletir. Amor incondicional e absoluto, relacionamentos vários, e valores que se transmitem aos que nos sucedem na vida. Um bom exemplo da linguagem utilizada, sem subterfúgios ou subtilezas é o excerto abaixo (e com isto, fico por aqui neste meu comentário).

"Por vezes interrogo-me sobre o que acontecerá quando esta nova geração de crianças, cujas mães consideram a maternidade uma religião (...mulheres cujo único interesse e preocupação e razão de ser são os filhos, que educam como se eles estivessem destinados a reinar sobre um império, que inundam as redes sociais com as fotografias dos seus rebentos, não apenas de aniversários e viagens, mas dos filhos na sanita ou sentados no penico - não há amor mais impudico do que o amor maternal contemporâneo), crescer e se transformar em seres humanos tão deficientes, contraditórios e infelizes como nós, talvez mais até, porque não me parece que se possa sair ileso de ser fotografado a cagar."                                                                                                                               (pag. 111)

Sem comentários:

Enviar um comentário