sexta-feira, 15 de agosto de 2014

O Estranho Ano de Vanessa M.

Autor: Filipa Fonseca Silva
Edição: 2014/ julho
Páginas: 200
ISBN: 9789722528641
Editora: Bertrand Editora

Sinopse:
Quando entrou no carro naquela tarde de Inverno, Vanessa não sabia que estava a embarcar numa viagem sem retorno. Uma viagem interior, que pôs em causa todas as suas escolhas e, acima de tudo, toda uma vida construída em torno das expectativas e opiniões dos outros.

Entre momentos trágicos e cómicos, que envolvem uma mãe controladora, uma tia hippie, um casamento entediante, um chefe insuportável e uma amiga que não sabe quando se calar, O Estranho ano de Vanessa M. conduz-nos numa viagem de autodescoberta e faz-nos reflectir sobre o sentido da vida e o poder que temos de, a qualquer momento, colocar tudo em questão. Porque a busca da felicidade não tem prazo.
Uma nova voz irrompe na cena literária portuguesa, leve, despretensiosa, crua, divertidíssima e incrivelmente humana.

A minha opinião:
A capa ou o título não captaram a minha atenção. A autora sim, apesar de recear que um segundo romance pudesse ficar aquém do primeiro, mas não desiludiu. Um romance que não quis perder.

Vanessa é uma mulher exasperada com o rumo que a sua vida levou, em muito contrário aos seus desejos. Um tédio insuportável de que tomou consciências nas consultas que frequentava por imposição do tribunal. Atitudes impetuosas como o estranho abandono de Mimi, o desfazer do casamento e a interrupção de uma carreira à qual se tinha dedicado durante dez anos, são as consequências mais visíveis da sua mudança de vida. Um ano a desbravar um novo caminho até à boaventura alcançar. 

Com uma boa noção dos conflitos da geração dos trinta, a autora cria uma ficção bem humorada, critica e mordaz sobre assuntos sérios que, atingem algumas mulheres no seu quotidiano. Uma carreira exigente com um chefe medíocre que brilha com o trabalho dos seus subordinados, um casamento por amor mas demasiado cedo por ceder às vontades alheias, uma filha menor que se culpabiliza por não amar o suficiente e compensa com bens materiais e tantas outras responsabilidades que a deprimem, sem compensações de maior. Um estória que tem tanto de divertido quanto de matéria de reflexão e que se lê sem parar porque a Vanessa no seu bom ritmo não nos dá descanso. 

Narrativa fluída e coloquial, como se a Vanessa interagisse com o leitor e este fosse mais uma personagem com quem partilhava os seus pensamentos e a sua intimidade.

Ressalva: Ainda não percebi a escolha da capa que não me parece adequada ou corresponder ao que li. 

Mais uma vez, uma escritora portuguesa a que me rendi. Uma agradável surpresa que tanto me satisfez. E de boas em boas leituras vou prosseguindo.

Sem comentários:

Enviar um comentário