segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Só Se Morre Uma Vez

Autor: Rita Ferro
Edição: 2015/ julho
Páginas: 312
ISBN: 9789722057677
Editora: Dom Quixote

Sinopse:
Que pensa uma mulher de 60 anos enquanto os homens se matam uns aos outros? Que a preocupa para além da crise e das guerras? Que utilidade lhe encontram, quanto vale para certas pessoas? Que amores ainda a podem surpreender? Que esperanças, que forças lhe restarão antes de se render à idade?
Numa época em que a beleza e a juventude se apresentam como divindades e o dinheiro se revela - dir-se-ia - como a única religião verdadeiramente ecuménica do Mundo, é com a singularidade do indivíduo à margem destes padrões que a grande humanidade se identifica.
Talvez por isso, Rita Ferro teime em deixar o testemunho do seu tempo, lugar e circunstância, partilhando com os leitores o seu Diário 2, interlocutor das suas memórias, perplexidades e reflexões na passagem para os sessenta.

A minha opinião:
Li o primeiro volume do Diário Intimo de Rita Ferro e gostei de conhecer esta mulher que se expõe nas paginas do livro e partilha tantas opiniões e juízos de valor sem grande critério. Tanto de si, para o mundo, que julga conhecê-la  sem saber o mundo que traz dentro de si. 

Neste segundo volume, o tom agridoce mantêm-se. Leio com um sorriso nos lábios, uma gargalhada, lamento ou critica, uma escrita inteligente e reveladora, livre e despretensiosa. Uma mulher de altos e baixos. Uma mulher esclarecida e decidida. Uma mulher aguerrida, mesmo nas horas amargas. Um testemunho muito pessoal destes tempos conturbados que vivemos.

Goste-se ou discorde-se, são muitas as passagens por ordem cronológica e espacial que, nos dão que pensar ou recordar.

Gosto da escrita clara e acessível, numa letra bem visível, num livro de razoáveis dimensões, que me acompanhou durante um curto período nas minhas deambulações por aqui e ali. Quem sabe ainda me cruzo com a escritora Rita Ferro?
Por ora, aguardo o ultimo Diário que me falta ler. 

Sem comentários:

Enviar um comentário