quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Até que o amor nos separe

Autor: José Gameiro
Edição: 2011
Páginas: 196
ISBN: 9789898461179
Editora: Matéria Prima

Sinopse:
O que ela pensa, o que ele nunca diz, as feridas dos dois e aquilo que os une.

Tomando como ponto de partida as crónicas semanais do Expresso e peças várias de diversos casos que atendeu no seu divã, José Gameiro construiu estas duas personagens, Manuel - o piloto de aviões - e Maria - a bancária -, que se debatem com os grandes dilemas e os pequenos conflitos da vida conjugal. Embora sejam um casal exemplar, têm de enfrentar as suas crises. Quando surge uma sensual italiana, como vão eles equilibrar o seu amor? Como poderão ultrapassar os ciúmes, a traição, a saudade, a inveja?
Através dos anos de experiência do psiquiatra, esta ficção torna-se também modelar para muitos dos problemas que qualquer marido e mulher poderão encontrar.

A minha opinião:
Diários fictícios do Manel e da Maria inspirados em mulheres e homens comuns que espelham a realidade das relações conjugais no que elas tem de intensidade, imprevisibilidade, flutuações, intimidade e até de imutável. Inclui ainda reflexões do autor sobre o casal em questão e uma experiência de terapia.
A riqueza emocial diferente entre sexos que reagem a situções diversas, algumas que causam sofrimento e perplexidade, assim como o relacionamento com os filhos e com os pais num amâgo complexo em que a individualidade de cada um também interage.

Não consegui ficar indiferente a este livro pela autenticidade e transparência destas personagens que reconheço, descritas com simplicidade e consistência numa linguagem corrente e fluída. De tão acessível, lê-se de um só folêgo. O complicado torna-se simples.

"As mulheres têm mais jeito para a conjugalidade e são mais exigentes, enquanto os homens são mais simples quanto aos indicadores positivos da relação - se houver sexo, está tudo bem; se não houver está tudo mal..." (sorri com esta observação e não resisti a transcrevê-la) .
Um prazer de ler.

2 comentários:

  1. Olá Vera,

    Ainda não tinha lido nenhum crítica acerca deste livro do José Gameiro. Acho que espetivaste-me a curiosidade!

    Por acaso fui ao lançamento deste livro e não tinha ficado muito entusiasmado.

    Continuações de boas leituras

    ResponderEliminar