quinta-feira, 27 de setembro de 2012

A Luz Entre Oceanos

Autor:  M. L. Stedman
Edição: 2012, Julho
ginas: 368
ISBN: 978-972-23-4848-5
Editora: Presença

Sinopse:
Tom Sherbourne é um homem que, regressado dos horrores da Primeira Guerra Mundial, aceita ocupar o posto de faroleiro numa remota ilha ao largo da costa oeste australiana. A ilha proporciona refúgio e consolo para os fantasmas do passado, e Tom e a mulher, Isabel, estão satisfeitos com a sua vida, exceto com o facto de não conseguirem ter filhos. Um dia, numa manhã de abril, um barco dá à costa. Nele encontram-se um homem sem vida e um bebé a chorar. Isolados como estão do mundo real, Tom e Isabel decidem quebrar as regras e seguir o que o coração lhes diz. Mas a sua decisão terá consequências devastadoras...

A Luz Entre Oceanos é uma história sobre o bem e o mal, e de como por vezes se confundem. é uma história sobre o bem e o mal, e de como por vezes se confundem.
 
A minha opinião:
SUBLIME!
"A Luz Ente Oceanos" é um romance suave, terno e enternecedor que me deixa uma recordação indelével.

Mesmo para quem gosta muito de ler como eu e o faz com muitos e bons livros, existem sempre alguns que nos tocam  de um modo especial, que nos apanham despreparados e para além do prazer que nos proporcionam, acrescentam-nos algo que nos faz sentir diferentes depois de os ler. Um sentir amadurecido.

Este romance escrito com rara sensibilidade e inteligência, tocou alguma fibra do meu coração com as magnânimas personagens e uma história de profundo amor por uma criança. Um livro que fácilmente passa despercebido, sem nenhuma pecularidade que o torne particularmente atraente mas que oculta uma narrativa que é quase uma obra de arte.
Não vou desenvolver mais o meu comentário porque o menos pode ser mais e não quero acrescentar nada ao muito que há para sentir e refletir com esta leitura.

IMPERDÍVEL!
Inestimável!

sábado, 22 de setembro de 2012

Lembro-me de ti

Autor:  Yrsa Sigurdardóttir
Edição: 2012, Agosto
ginas: 400
ISBN: 9789897220432
Editora: Quetzal

Sinopse:
Três jovens propõem-se recuperar uma velha casa de uma aldeia abandonada, algures nos Fiordes Ocidentais islandeses. Mas não imaginam o cataclismo que este inofensivo trabalho vai desencadear. Na outra margem do fiorde, um psiquiatra investiga o suicídio misterioso de uma mulher mais velha que poderá estar ligado ao desaparecimento do seu próprio filho.

Estas duas intrigas vão convergir para uma história de um enorme suspense que os críticos têm considerado tratar-se da melhor que até agora saiu da pena de Yrsa Sigurdardóttir – Lembro-me de Ti foi galardoado com o Prémio de Ficção Policial Nórdica de 2011, e os direitos de adaptação ao cinema comprados pelo produtor islandês radicado em Hollywood Sigurjón Sighvatsson (Wild at Heart e The Killer Elite, entre dezenas de outros).
Um thriller policial arrebatador, uma leitura saborosamente arrepiante.

A minha opinião:
Quebrei um pouco o meu ritmo de leitura mas tal, deve-se certamente a alguma fadiga e não aos bons livros que tenho tido oportunidade de ler. Por temperamento, gosto de arriscar, principalmente quando encontro um  livro com um título sugestivo, uma capa atraente (perfeitamente enquadrada com o conteúdo) e uma sinopse apelativa como é o caso, mas foi com alguma relutância que saí da minha zona de conforto. Romances últimos de autores nórdicos que se distinguem pela sua escrita menos emotiva e pelas paisagens frias que descrevem com realismo. Não me desiludi.

Este thriller em duas estórias aparentemente distintas, alternando capítulo a capítulo em que cada um destes termina em suspense,  até que num dado momento convergem.  Uma destas narrativas é sobre três jovens mundanos, Katrín, Gardar e Lif, (e o pequeno cão Putti) que em dificeis circunstâncias pessoais se lançam na aventura de recuperar uma velha casa com o intuito de a transformar em fonte de rendimento. A outra, começa com a investigação policial de um ato de vandalismo de uma escola e um suicidio, sem suspeitarem que o psiquiatra Freyr seria pessoalmente envolvido através de indícios ao inexplicável desaparecimento do seu filho três anos antes. 
Em cada uma delas, o narrador é simultâneamente a personagem principal, Katrín e Freyr. Ambos se apercebem dos contornos sobrenaturais ou surreais do que os rodeia, com mais ou menos ceticismo.

Bem estruturado, escrita firme e segura, para um enredo enigmático e intrigante em torno do desaparecimento de crianças, com o sofrimento que lhe está associado (o que mais me perturba). Um género que quebrou a minha "rotina" literária, mas que irei repetir certamente por ser excelente.

sábado, 15 de setembro de 2012

Sapatos Italianos

Autor: Henning Mankell
Edição: 2011, Maio
ginas: 288
ISBN: 9789722348324
Editora: Presença

Sinopse:
Fredrik Welin passou os últimos doze anos da sua vida numa ilha do Báltico rodeada de gelo, tendo como única companhia o seu cão e a sua gata, e como única visita o carteiro. Um dia, vê uma figura aproximar-se lentamente e percebe que nada voltará a ser o mesmo. A pessoa que vem perturbar o seu exílio autoimposto é Harriet, a mulher que ele abandonou sem qualquer explicação há quase quarenta anos. Harriet diz vir obrigá-lo a honrar uma promessa que ele lhe fizera, mas Fredrik está prestes a descobrir que o seu reaparecimento esconde outra surpresa...

A minha opinião:
Um livro nada fácil de ler pelos sentimentos expressos - solidão, culpa, amargura, desencanto, medo. Escrita fluída que reflete o sentir de Fredrik e de todos as personagens com quem se relaciona. A própria paisagem, tão bem descrita é inóspita e bela, e reflete o abandono a que a personagem se votou para fugir dos outros e de si mesmo.
 
Um eremita cínico que se reformou da profissão de cirurgião depois de um erro e se isolou na ilha dos seus avós, tendo por única companhia humana o carteiro hipocondriaco. Essa realidade que durou doze anos é alterada com a chegada de uma mulher do seu passado, gravemente doente e lhe exige que cumpra a mais bela promessa que recebeu na vida. Numa linguagem crua e desencantada vamos tomando contato com outras personagens enigmáticas com comportamentos estranhos ou perturbados que revelam dados do seu passado ou da sua existência que os tornam muito humanos e sofridos ao leitor.

Não é uma leitura leve apesar de não a considerar amarga, mas transmite-nos sensações e emoções variadas e algumas desconfortáveis. Uma narrativa maravilhosa mas sombria.
 
"Não adianta andar à volta do passado. As nossas vidas correram como correram e tudo isso ficou para trás. Dentro em breve estarei morta. Tu viverás mais algum tempo, mas também desaparecerás. E todos os vestígios desvanecer-se-ão.
...
O amor dá uma sentimento de frescura, de paz, talvez até de segurança, que torna a necessidade de enfrentar a morte um pouco menos assustadora do que seria doutro modo."
 
(pag. 233)

domingo, 9 de setembro de 2012

CAVALO DE FOGO Paris

Autor: Florencia Bonelli
Edição: 2012, Junho
ginas: 600
ISBN: 9789720043757
Editora: Porto Editora

Sinopse:
Matilde Martínez, uma jovem pediatra argentina, viaja até Paris para aprender o idioma antes de partir para o Congo, ao serviço de uma ONG, para ajudar os mais carenciados. Apesar das suas inseguranças, traumas e dramas, a determinação de Matilde é tão forte que nada nem ninguém conseguirá demovê-la de cumprir o seu sonho. Eliah Al-Saud é um homem poderoso e sem piedade, descendente da família real saudita.

Dono de uma empresa de segurança privada, o negócio serve de fachada a um outro tipo de serviços: de espionagem, segurança e formação de mercenários.
Desde o seu primeiro encontro que o destino os unirá numa paixão tão intensa e irrefreável que nada poderão fazer para evitar a conspiração crescente que ameaça não apenas o seu amor, mas também as suas vidas. No cenário ameaçador e bélico do conflito israelo-palestiniano, Matilde e Eliah viverão uma aventura que os levará a percorrer o mundo e a enfrentar os perigos que cercam todos aqueles que ousam desafiar os impérios dominantes.

A minha opinião:
Um romance vertiginoso e apaixonante. Espionagem, intriga, suspense, ação e ... paixão.

Florencia Bonelli sabe como nos prender aos seus romances, mesmo volumosos  e suspirar pelo próximo. Afinal, este é o primeiro volume de uma trilogia
Quando um romance é muito bom, a ansiedade em continuar a ler é tal que não se consegue parar. Os livros desta exímia contadora de histórias são assim - elaborados e intensos, porque combina magistralmente uma história de amor entre personagens que nos fazem sonhar, com uma trama perigosa e intrigante que nos provoca arrepios. Muitas personagens com histórias pessoais e familiares complexas que os tornam fascinantes herois ou vilões. 

Cavalo de Fogo, animal do Zodíaco Chinês, que é de fogo porque de sessenta em sessenta anos, o fogo se converte no seu elemento (duplamente). Amam a sua liberdade, egocêntricos, magnéticos, generosos, impacientes e destemidos. Este é o signo e o perfil da principal personagem masculina, Eliah Al-Saud, (personifica a fantasia de qualquer mulher) que o usa como seu nome de código enquanto mercenário. (Foi muito divertido descobrir no decorrer da leitura que também eu sou um cavalo de fogo).
Um amor avassalador com Matilde.

Como cenário de fundo que o torna empolgante temos  de o conflito israelo-palestiniano e os partidários deste, a ameaça nuclear e os vários focos espalhados com os senhores da guerra que querem perservar ou aumentar o seu poder. Ainda assim, outros romances incipientes como o  de Sandór e Yasmim (proibido porque ele era o seu guarda-gostas) e o de Juana e Shiloah terão certamente desenvolvimentos e destaque nos próximos volumes e provocam fortes emoções.

Tanto haveria para acrescentar sobre este romance que resulta de um bom trabalho de investigação, além de uma capacidade criativa e de escrita, que nos deixa envolvidos e atentos ao que se passa neste mundo.

Um romance imperdível. Um grande prazer de ler!
 

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Como ver, ouvir e sentir os nossos anjos

Autor: Theresa Cheung
Edição: 2012, Março
Páginas: 232
ISBN: 9789896572594
Editora: Planeta

Sinopse:
Cada vez mais pessoas se sentem tocadas por anjos ou acreditam neles.
Mas o que são ao certo estes «seres de luz» que tanto consolam, curam e inspiram pessoas em todo o mundo?
Por que se dão a conhecer mais do que nunca nos nossos dias?
Como se manifestam?
Como podemos ver ou ouvir anjos e até saber qual é o nosso?
Por outras palavras, como reconhecemos a presença de anjos nas nossas vidas, nos dias de hoje?
Com este guia, a especialista em anjos Theresa Cheung responde a todas estas perguntas e a muito mais.
Este livro ensina a reconhecer a presença dos anjos na vida de todos os dias e a compreender as mensagens angélicas que nos ajudam a escolher isto ou aquilo. Juntamente com informações sobre anjos-da-guarda, arcanjos, espíritos e entes queridos que partiram, podemos também ficar a saber muita coisa sobre a natureza e propósito destas entidades divinas, o que podem e não podem fazer e como chamá-las em tempos de crise.
Quem procura alimento espiritual vai adorar este guia único, que ensina a invocar o poder, a maravilha e a magia dos anjos, hoje e sempre.

A minha opinião:
Em momentos mais sombrios e delicados, em que sinto a minha auto-estima e confiança no mundo que me rodeia ceder um pouco, procuro palavras inspiradoras que nada provam, mas que reforçam a crença de que existe uma entidade espiritual que orienta, conforta e cuida de nós. Crença essa, independente de qualquer religião ou doutrina. Algo para além do que vejo, ouço e sinto e que se pode manifestar por sonhos, coincidencias e pressentimentos desde que estejamos recetivos e em sintonia com os nossos sentidos e emoções (segundo a autora). Seguir o nosso instinto. (Recorda-me:
"A razão dizia-me: faz assim. O coração salvou-me sempre".)

Não é o primeiro livro que leio sobre esta matéria. Nem sequer é o primeiro livro que leio desta autora, mas gosto do modo como organiza, enquadra e expõe  as suas interpretações com definições simples e acessíveis, baseadas na sua fé, experiência pessoal e alguma pesquisa.
Não é um livro (guia) que leia todo de seguida. Gosto de o consultar e ler passagens.
As histórias, algumas que relembro de "Um anjo chamou por mim", tem um papel menos revelante neste livro mas ainda assim, apaziguam e confortam.

Uma leitura agradável, esclarecedora e bastante abrangente sobre os anjos.