domingo, 23 de novembro de 2014

RECOMEÇAR

Autor: María Dueñas
Edição: 2014/ novembro
Páginas: 440
ISBN: 9789720047052
Editora: Porto Editora

Sinopse: 
Recomeçar atravessa fronteiras e épocas para nos falar de perdas, coragem, segundas oportunidades e reconstrução. Uma história luminosa que desenrola intrigas imprevistas, amores entrecruzados e personagens cheias de paixão e humanidade.
Blanca é professora, com uma carreira consolidada, dois filhos jovens. A braços com o fracasso do seu casamento, decide deixar a sua atual vida para trás e ruma a Santa Cecília, na Califórnia, com a missão de organizar o espólio deixado por Andrés Fontana à Universidade; fechada num sótão sombrio, Blanca vê- se a braços com uma tarefa aparentemente hercúlea e cinzenta, mas que acabaria por revelar-se uma empreitada emocionante.

Amores cruzados, certezas e interesses silenciados que acabam por vir à tona, viagens de ida e volta entre Espanha e EUA, entre o presente e o passado de duas línguas e dois mundos em permanente reencontro.

Três anos depois da publicação de O Tempo entre Costuras, volto a bater à porta dos leitores com a história e a voz de uma mulher. Uma mulher contemporânea, cuja estabilidade, aparentemente invulnerável, se desvaneceu no ar. Chama-se Blanca Perea e decidiu fugir.
Maria Dueñas

A minha opinião: 
Quando comentei com um grupo de amigos que lera este livro, procuraram saber a minha opinião comparando com o "bestseller" anterior da autora. Infelizmente não posso fazer o paralelo porque não li "O tempo entre Costuras".  Foi contudo, devido ao eco desse romance que li "Recomeçar".  Por experiência própria sei que por vezes isso é um mau prenuncio.  

Recomeçar é um tributo às segundas oportunidades. 
A luz e a sombra da essência humana. 
Num dia mau deixaram de ser amadas. Perante o abandono e a incerteza, face ao desamor e à crueza irreversível da realidade, defenderam-se como puderam e batalharam com as armas que tinham ao seu alcance. Com boas ou más artes, com o que o intelecto, as vísceras ou o puro instinto de sobrevivência puseram à mão. A distribuição foi sempre arbitrária, a ninguém foi dado escolher, e há quem assuma e avance e quem fique a ruminar o ressentimento como uma pastilha elástica amarga que, passado décadas, ainda tem sabor.  
"(...) o amor é volúvel, estranho e arbitrário, privado de compreensão e racionalidade."  
(adaptação de fragmento retirado da pag. 427)

Blanca lutou durante vinte e cinco anos. Viu crescer os filhos, esteve perto do companheiro, construiu um lar e quando sentiu que "a vida caiu-lhe aos pés com o peso e o frio de uma bola de chumbo" partiu para longe para recomeçar. Não encontrou nem rasto do cenário californiano a que as séries televisivas e o imaginário colectivo nos habituaram, mas empenhou-se em tirar Andrés Fontana das trevas.  

Duas histórias que se cruzam quando tentam reconstruir o passado a partir dos testemunhos escritos e o que restava através da memória de Daniel, como duas versões diferentes do mesmo: a carne e os ossos face ao legado intelectual. 

Bem construído e com uma linguagem sóbria, elegante - irrepreensível, esta narrativa tinha tudo para agradar, mas uma letra miudinha e muitas páginas para atingir o âmago das personagens e o seu percurso, torna-a uma leitura exigente e por vezes cansativa, perdendo assim o fôlego e a concentração. Contudo, creio que vale a pena partir à descoberta porque é uma leitura subjectiva.

Sem comentários:

Enviar um comentário