segunda-feira, 22 de maio de 2017

A Construção do Vazio

Autor: Patrícia Reis
Edição: 2017/ março
Páginas: 160
ISBN: 9789722062312
Editora: Dom Quixote

Sinopse:
A história de Sofia, uma menina-tesoura que sobrevive a uma relação de violência e abuso e cresce com a convicção de que a maldade supera tudo.
Será possível atenuar a dor?
Como se resiste ao fantasma real da infância?
Que decisões partem dessa memória e podem limitar a vida?
Sofia abriga-se na amizade de três homens, Eduardo, Jaime e Lourenço, e vive sem desejo, sem vontade, de construção em construção, sendo o vazio o objectivo final.

Esta personagem surge pela primeira vez no livro Por Este Mundo Acima (2011) e faz parte do território ficcional da autora que, com A Construção do Vazio, termina um ciclo de três narrativas independentes iniciado em 2008, com o romance No Silêncio de Deus.

 
 A minha opinião:
Gosto muito da escrita de Patrícia Reis. Incisiva e económica nas palavras a marcar uma ideia ou emoção. Concisa e eficaz. Irrepreensivel. Sabia à priori que não seria uma leitura fácil devido ao tema. Desejava e receava ler este livro.

No entanto, Sofia, "a menina-desastre", conquistou-me de imediato com a sua terível narrativa. A mulher que se construiu no vazio e no silêncio, marcada desde a infância pelo abuso e violência exercida pelo pai e a maldade da mãe. Uma mulher solitária que perserva uma mão cheia de amigos. Uma sobrevivente. Não era a única naquele edificio onde vivia.
 
Leitura avassaladora. O sofrimento e busca de si mesma em Sofia levava-me a desejar-lhe um final feliz e a admirar mais o brilhantismo de Patrícia que, sem subterfúgios ou banalidades, sabe contar uma estória sem que me sinta tentada a abandonar a leitura e ainda me leva a refletir sobre o que se esconde entre quatro paredes e o que se oculta ao escurtinio publico, e como resistir a uma presença dominadora e manipuladora.

Possivelmente, foi o melhor romance que já li desta autora. Faltou-me no meu rol de leituras o "Por Este Mundo Acima" onde Sofia surgiu inicialmente. 

Sem comentários:

Enviar um comentário