sexta-feira, 26 de maio de 2017

O Filho

Autor: Jo Nesbø
Edição: 2017/ março
Páginas: 536
ISBN: 9789722062039
Editora: Dom Quixote

Sinopse:
Antes de ser condenado, Sonny era um adolescente exemplar, campeão de luta livre, e tinha um futuro brilhante pela frente. Até saber que o pai, o seu ídolo, era afinal um polícia corrupto que preferiu o suicídio a ser exposto. Agora, Sonny é um prisioneiro modelo. Metade da sua vida foi passada como recluso, cumprindo penas por crimes que não cometeu. Como compensação, nunca lhe falta heroína. É o centro de um núcleo de corrupção: guardas prisionais, polícias, advogados, e até um capelão desesperado, todos empenhados em mantê-lo drogado na prisão.

Mas quando Sonny descobre a chocante verdade por detrás do suicídio do pai, planeia uma engenhosa fuga e começa a perseguir os responsáveis. Contudo, ao mesmo tempo que faz justiça pelas próprias mãos, é também perseguido por criminosos e pelas forças da lei. Com destaque para Simon, um inspetor prestes a reformar-se, e antigo amigo do pai. 
A questão é quem conseguirá chegar a ele primeiro, e o que fará Sonny quando se sentir encurralado?

Mais uma narrativa, fora da série Harry Hole, em que Nesbø prova, uma vez mais, ser exímio em criar personagens marcantes e merecer a distinção de mestre do suspense.

A minha opinião:
Uma estreia!
Apesar dos muitos livros publicados deste autor nórdico de policiais, eu não o conhecia. E se a capa dos seus livros é apelativa, torna-se ainda mais estranho eu nunca me ter focado neles. A sinopse refere um vingador - o Filho, de um policia, o que me deixou convicta de que o devia ler. 

Não sei como é a série Harry Hole, mas gostei muito de Simon Kefas. Um policia com história. Um policia sagaz e experiente nos Homicídios de Oslo. E claro, Sonny Lofthus, um jovem educado, simpático e ... místico. Um estudante promissor, que se dedicara a competições de luta livre, até perder o pai e a mãe se entregar ao desgosto, bastando a droga para afastar a dor. Mais tarde, para sustentar o vício, assumia culpas alheias. A confissão de um recluso veio alterar esta situação e dá-se a espetacular fuga. Depois ... uma sucessão de acontecimentos onde acontecem alguns crimes em ajuste de contas e a fuga aos seus perseguidores num suspense insustentável que prende à leitura com afeto e repudio pelas personagens. 

A empatia com as personagens principais é o elo mais extraordinário que cria com o leitor. O enredo, neste género, é do melhor que já li e agora que o conheço dificilmente vou perder este autor de vista.

De referir que é também um convite à reflexão sobre um mundo marginal de drogas e dependências numa sociedade tão organizada e racional onde a corrupção tem o seu lugar. 

Muito bom!

Sem comentários:

Enviar um comentário