domingo, 11 de junho de 2017

O Rio das Pérolas

Autor: Isabel Valadão
Edição: 2017/ maio
Páginas: 248
ISBN: 9789722533782
Editora: Bertrand Editora

Sinopse:
Maria e Mei Lin podiam ser duas pessoas diferentes. Na verdade, são duas facetas da mesma mulher. Quando Mei Lin, uma menina irreverente, com grandes sonhos, foge do convento e das freiras que a criaram para não se ver condenada a uma vida sem fulgor, predestinada por outros, estava longe de imaginar que a sua escolha a precipitaria para o submundo das casas de ópio e de prostituição de Macau. Mas o destino prega-lhe uma partida e Mei Lin acaba por ser vendida como pei-pa-chai — no fundo, uma escrava sexual. É então que conhece Manuel, filho de uma das famílias portuguesas mais importantes do Território, alguém que lhe pode dar outra vida.

Mas será a nova família capaz de a aceitar? E será que o passado ficou verdadeiramente para trás? Uma viagem por Macau nas décadas de 40, 50 e 60 e pelas contradições da vida num território português às portas da China, no rescaldo da Segunda Guerra Mundial e da guerra sino-japonesa.

A minha opinião:
Gosto tanto quando um livro me agrada a ponto de se tornar compulsiva a leitura como aconteceu com "O Rio das Pérolas". Não é a primeira vez que o escrevo e acho sinceramente que é isso que nos torna leitores. Quando encontramos um livro que é o certo, dada a expectativa e a satisfação ao virar de cada página até ao desfecho. Outro aspecto já referido é a alegria na descoberta de novos autores para mim. 

Apesar da nota de abertura dificilmente não se percebia que o contexto histórico é preciso e que a autora sabia bem do que escrevia, resultado de um apurado trabalho de investigação, bem como de algum tipo de experiência pessoal. A escrita é fluída e natural como as águas de um rio, o enredo é simples e cede às vicissitudes do tempo e do local onde se passa a ação e as personagens principais são femininas e maleáveis. 

Sem pretensões elevadas é um romance histórico que parte da premissa do abandono de recém-nascidos, normalmente do sexo feminino naquela região. "Nascidas em circuntâncias menos favoráveis, marcadas pelo estigma da desvalorização da mulher para o trabalho nas regiões mais pobres, o destino de muitas raparigas era o abandono à porta das igrejas ou orfanatos ou, frequentemente afogados à nascença." (pag. 13)

A trama evolui e temos um mix de aventuras, espionagem e romance quando Maria/ Mei Lin foge do colégio aos doze anos, depois de ouvir uma conversa entre o padrinho e a madre a respeito do seu possível casamento. O casamento com um homem bom acaba por acontecer anos mais tarde mas a vida de Maria/ Mei Lin continua presa a segredos do passado.

Muito interessante e enriquecedor. Não será certamente um best-seller mas deu-me imenso gozo ler um livro assim, pontuado por usos e costumes longínquos de outros tempos. 

Sem comentários:

Enviar um comentário