sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Solstício de Verão

Autor:  Tara Moore
Edição: 2012, Junho
Páginas: 440
ISBN: 9789897260049
Editora: Quinta Essência

Sinopse:
O Baile do Solstício de Verão dos Granville é sempre inesquecível. Todas as pessoas importantes da sociedade irlandesa ​​reúnem-se em Carrickcross House - a propriedade rural da família - para uma noite de folia. Mas este ano a noite é muito especial: a matriarca Honoria vai anunciar o noivado do seu neto Rossa com Ashling Morrison. Ashling está delirante. Alto, moreno e bonito, Rossa é o partido perfeito, mas será demasiado bom para ser verdade?

Por que motivo está Honoria tão interessada em fazer Ashling - enteada da sua arqui-inimiga Coppelia - parte do clã Granville? Poderá Carrick, o irmão de Rossa, manter a sua posição como herdeiro legítimo? E o que fará a implacável Coppelia? Com a promessa de convidados distintos, bebidas, danças e assassínio... será um solstício de verão inesquecível!

A minha opinião:
A capa sugeria-me um típico romance "cor-de-rosa" com glamour, paixão e intriga. Romance que me permitiria "desligar" das preocupações e ansiedades do dia-a-dia, enquanto me deixava seduzir  por personagens carismáticas em ambientes luxuosos.
Não poderia estar mais enganada. E essa é a mais-valia deste romance. De me surpreender. Mas não me seduziu.

Crime, mistério, intriga e vingança num romance repleto de segredos sórdidos, que vão sendo desvendados em ritmo acelerado sobre personagens que de belas, tinham apenas o aspeto exterior. Até a linguagem utilizada entre os mesmos é grosseira (ordinária até),  o que não seria previsível ou expectável entre personagens da classe alta e de refinada educação. Soberba, ganância, prepotência, manipulação, perversão e vícios vários (alguns de indole sexual, eventualmente para combater o tédio ou quiça a perda enquanto muito jovens dos pais), são alguns dos adjetivos que poderão caracterizar o comportamento de certas personagens e esses já não são inesperados. O expoente máximo de insanidade maléfica e perversa são os "anjos caídos" - os gémeos Sapphire e Indigo Granville. Depois disso, a excêntricidade e homossexualidade de Jaspar Granville, a par com o encantador e inescrupuloso Rossa. O melhor, é sem dúvida, Carrick, o herdeiro legítimo de um património cobiçado - Carrickcross.

Escrita simples e acessível em que se nota um maior cuidado com a acção do que com o conteúdo. Como se de um seriado ou folhetim radiofónico se tratasse e em que se procura uma trama contínua de impacto. Alguma superficialidade e inexpressividade quer das personagens, quer do próprio enredo. Não creio que retome esta autora em outras leituras.

Sem comentários:

Enviar um comentário