quinta-feira, 31 de maio de 2018

A Sociedade Literária da Tarte de Casca de Batata

Autores: Mary Ann Shaffer e Annie Barrows
Edição: 2010/ março
Páginas: 377
ISBN: 9789896720155
Tradutor: Ana Mendes Lopes
Editora: Suma de Letras

Sinopse: 

Depois do sucesso estrondoso do seu primeiro livro, a jovem escritora Juliet Ashton procura duas coisas: um assunto para o seu novo livro, e, embora não o admita abertamente, um homem com quem partilhar a vida e o amor pelos livros. 
É com surpresa que um dia Juliet recebe uma carta de um senhor chamado Dawsey Adams, residente na ilha britânica de Guernsey, a comunicar que tem um livro que outrora pertenceu a Juliet. 
Curiosa por natureza, Juliet Ashton começa a corresponder-se com vários habitantes da ilha. 
É assim que descobre que Guernsey foi ocupada pelas tropas alemãs durante a Segunda Guerra Mundial, e que as pessoas com quem agora se corresponde formavam um clube secreto a que davam o nome de Sociedade Literária da Tarte de Casca de Batata. 
Fascinada pela história da dita Sociedade Literária, e ainda mais pelos seus novos amigos, Juliet parte para Guernsey. O que encontra na ilha mudará a sua vida para sempre…

A minha opinião: 
Ler bons livros arruina a nossa capacidade de ler livros maus. (pag. 78)

Este romance estava pousado na minha estante à espera do momento certo que chegou agora. Um daqueles livros que comprei para ler um dia. Eventualmente, quando passasse à reforma. Como se eu precissasse disso! Comprei-o porque sabia que era bom. Com a sua reedição, depois do filme chegar às salas de cinema, com um título mais completo como Guernsey - A Sociedade Literárira da Tarte de Casca de Batata, peguei nele para desanuviar do thriller anterior. Não é exatamente como eu esperava. É melhor! Comovente e divertido, num estilo mordaz e loquaz, trata-se de um romance epistolar. As cartas de Juliet são espirituosas e fiquei fã dela desde a primeira. De resto, adorei tudo. As descrições da ilha, as extraordinárias personagens e a ligação entre elas. Um romance em que aprendemos sobre a Ocupação das Ilhas do Canal e não só, mais se pudermos rir ao mesmo tempo. Emocionei-me também. Nada sabia sobre este pedaço da História. Da Segunda Guerra Mundial sabia o suficiente para temer ler mais sobre o assunto. Sabia porém que uma sociedade literária com referência a livros seria fascinante de ler. 

Uma casualidade. Um livro é devolvido à sua legítima proprietária, Juliet Ashton e começa uma inesperada troca de correspondência no pós-guerra com os habitantes da ilha de Guersney e uma interessante partilha entre personagens tão altruistas e generosas.

Curiosamente, esta sociedade literária tem muito em comum com um grupo de leitores com quem me enconto mensalmente. As regras: "falávamos à vez dos livros que iamos lendo. No início, tentámos ser calmos e objectivos, mas essa intenção desmoronou-se rápidamente e o propósito dos oradores passou a ser o de tentar convencer os ouvintes a lerem o livro em questão. (Nós também o fazemos). Depois de dois membros lerem o mesmo livro já podiam discutir - que era aquilo que mais nos dava prazer. Nós liamos, falávamos e discutíamos livros e fomo-nos tornando cada vez mais amigos uns dos outros. (Nós também o fizemos). Outros habitantes da ilha pediram-nos para se juntarem à Sociedade e os nossos serões juntos passaram a ser momentos animados, vivos - de quando em vez quase nos conseguíamos esquecer da escuridão que grassava lá fora." 

PRECIOSO, DIVINO (como diria uma amiga minha), SUBLIME. Um romance para guardar e acarinhar, tão fácil de ler e ainda assim inesquecível. Não percam a oportunidade de o ler e apreciar a nova capa que achei linda. 



Sem comentários:

Enviar um comentário