sábado, 28 de janeiro de 2012

O Dom

Autor: Richard Paul Evans
Edição: 2011, Novembro
Páginas: 304
ISBN: 9789896373849
Editora: Saida de Emergência

Sinopse:
Não há coração que o amor não transforme

Enquanto para o mundo o Natal era um dia de alegria e celebração, para Nathan Hurst era a lembrança do acontecimento que lhe destruiu a infância. Tudo muda na sua vida e no seu coração no dia em que uma tempestade de neve e um voo cancelado o levam ao encontro de uma jovem mãe e o seu filho. Aquilo que parece ser uma obra do acaso, poderá ser afinal, o encontro com a sua paz interior. Poderá Nathan descobrir que o Natal é, de facto, a época dos milagres?

A minha opinião:
Um livro muito especial para almas sensíveis. Emociona com a sua linguagem simples numa estória terna sobre amor e cura.

Percebemos a magia deste livro quando o abrimos e deparamos com uma mensagem do autor para o leitor que nos conta uma pequena história pessoal e explica que "O Dom é sobre o poder de curar. Por vezes, o que mais desejo na vida é ser curado. Talvez o mesmo se possa dizer do mundo. Caro leitor, espero que este livro possa curar o seu coração..."

Um livro que nos conforta e nos aquece o coração com a profundidade dos sentimentos expressos pelas magnânimas personagens que podem ser qualquer um de nós quando nos damos ao próximo espontaneamente. Vamos cultivando medos e inseguranças e deixamos de reparar nos outros.Centramo-nos em nós e justificamo-nos com o ritmo acelarado das nossas vidas ou dificuldades. Um sorriso pode fazer diferença.

Nathan Hurst era alguém que apesar de adoentado reparou numa mãe e duas crianças em dificuldades e no amor que as ligava. Ofereceu ajuda e o retorno foi uma recompensa divina.
No desenrolar dos acontecimentos que envolvem Collin (uma criança tão especial que nem consigo descrever) vamo-nos confrontando com o bem, por todos os que o compreenderam e amaram e do mal, através do seu pai e dos seus juízos de valor. Também percebemos o impacto dos media e a cegueira das pessoas quando não pensam nas consequências dos seus actos infuenciadas por certas notícias.

A sociedade perdeu alguns valores que é preciso recuperar. Talvez este modesto livro contribua para alguma reflexão e nos modifique um pouco. Teve esse efeito sobre mim.

Pequenos capítulos com pequenos apontamentos do diário de Nathan Hurst  são outras perólas que o autor nos presenteia, como por exemplo:

"A história mais importante que alguma vez escreveremos na vida é a nossa própria... e não o faremos com tinta, mas com as nossas opções quotidianas."

Terno, eloquente e enternecedor. Um prazer de ler.

5 comentários:

  1. Vera,
    tenho alguma dificuldade em ler obras que estejam repletas de sentimentos demasiado fortes e profundos. Não é que não goste, longe disso, mas sinto-me assoberbado com sentimento e isso dificulta-me a concentração na leitura. ;)

    ResponderEliminar
  2. André,
    Existem leituras para todos os estados de espírito mas assoberbado com sentimento e desconcentrado talvez não seja o momento para leituras.

    lol

    ResponderEliminar
  3. Olá Vera (resposta aos autores portugueses)
    Eu tenho andado em busca dos autores portugueses, não dos clássicos nem tão pouco de escritores de Nobel. Agora estou a passar uma fase de leituras portuguesas mas leves. E conclui o mesmo que tu temos bons escritores.
    Também não gosto nem perco tempo e dinheiro com as biografias dos famosos;)
    Beijocas literárias;)

    ResponderEliminar
  4. Ups já agora tenho este livro na estante tenho que lhe dar uma oportunidade;)

    ResponderEliminar
  5. Leitora,
    Eu era muito céptica com autores portugueses porque me aborreciam com tanta pretensa erudição, até que descobri que estava errada, e pretensiosa estava a ser eu.Tenho lido bons livros de autores portugueses.

    Quanto ao "O Dom" deves dar-lhe mesmo uma oportunidade porque deves gostar mas sem altas expectativas senão desiludes-te.

    ResponderEliminar