sábado, 28 de setembro de 2013

Dias de Paixão

Autor: Sarah Pekkanen
Edição: 2013, setembro
Páginas: 352
ISBN: 9789898626196
Editora: Topseller

Sinopse:
Até onde nos pode levar a paixão?
Quatro mulheres juntam-se com os seus maridos para uma semana paradisíaca na Jamaica, em pleno mar das Caraíbas. O motivo da reunião é o aniversário de Dwight, um amigo dos tempos da faculdade, que de rapazinho tímido e inseguro se transformou num empresário rico e bem-sucedido.

Todas elas anseiam por fugir temporariamente às suas vidas. Tina sente o peso e o cansaço de ser mãe de quatro crianças pequenas. Allie está abalada pela notícia de que uma doença genética degenerativa é comum na sua família. Savannah carrega o segredo da infidelidade do marido. Finalmente, Pauline, a mulher que não olha a despesas para organizar ao seu marido rico aquela festa inesquecível, esconde segredos de Dwight, e espera, com esta semana, reparar as falhas no seu casamento.
O que começa por ser uma semana idílica, com lânguidas horas passadas numa praia privada, jantares gourmet, aventuras radicais e noites de paixão, transforma-se em algo mais profundo com a chegada de uma poderosa tempestade que acaba por atingir a ilha. O grupo ver-se-á envolvido em redemoinhos tumultuosos, forçando cada uma das mulheres a reavaliar tudo o que sabe sobre os seus amigos e sobre si própria, as suas relações amorosas e a paixão. Todas procuram descobrir uma coisa...

A minha opinião:
Refleti sobre o que escrever! 

Apesar de inicialmente a capa e o título não me tentarem, foi a sinopse que fez com que me decidisse a lê-lo.
Escrita coloquial e fluída, sem grandes preâmbulos e descrições, dá-nos uma panorâmica das emoções e sentimentos destas credíveis e realistas mulheres que tem nesta idílica viagem patrocinada por um amigo do tempos da faculdade, o escape perfeito para os seus problemas durante uma semana. A amizade faz com que se confrontem com os obstáculos e esclareçam os equívocos que prejudicavam os seus relacionamentos. Profundos sentimentos recalcados vêem à tona quando nada mais havia para os ocultar, na proximidade e convívio entre quatro casais muito diferentes entre si, depois de um furação no paraíso.

Leitura perfeita para um dia de chuva como o de hoje. Aconchegada e aninhada recuperava de uma semana intensa com uma leitura que quando iniciada, não apetece interromper. Um deleite!

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Envolvida



Autor: Sylvia Day
Série: Crossfire (Vol. 3)
Edição: 2013, julho
Páginas: 400
ISBN: 9789897450136
Editora: 5 Sentidos

Sinopse:
Desde que vi o Gideon pela primeira vez, percebi que ele tinha algo de que eu precisava, algo a que eu não conseguia resistir. Percebi-lhe também uma alma perigosa e atormentada – tal como a minha. Envolvi-me. Eu precisava dele tanto como precisava que o meu coração batesse.

Ninguém sabe o quanto ele arriscou por mim e o quanto eu fui ameaçada; ninguém imagina quão negra e desesperada se tornou a sombra dos nossos passados.
Entrelaçados nos nossos segredos, tentamos desafiar o destino.
Definimos as nossas próprias regras e rendemo-nos completamente ao intenso poder da obsessão.

A minha opinião:
Por circunstâncias várias, o tempo ou ritmo dedicado à leitura mudou. Como tal, procuro variedade e qualidade. Um modo até de recuperar o entusiasmo. Romance erótico com estória é interessante, e não descarto como variedade que me proporciona lazer mas não necessariamente qualidade de leitura.

Depois de ler Rendida e Refletida fazia todo o sentido concluir a passional e sexual estória de Eva e Gideon, no que supunha ser o último da série Crossfire. Mas não é. E, dos três, é certamente o mais fraco, assumindo-se plenamente como romance erótico, com muitas e exaustivas descrições de atos sexuais entre os protagonistas - Gideon, "Sombrio e Perigoso" milionário que esconde um passado tenebroso e que canaliza as suas energias para verdadeiras maratonas sexuais, e Eva, também ela devastada por abusos, mas que o acompanha com o mesmo entusiasmo. Basicamente, a relação assenta em sexo e dependência emocional, com algum crescendo no nível de confiança entre eles, mas pouco. A trama não apresenta muito mais porque nada evolui ou desenvolve para cativar o leitor. Sequer algo de relevante ou intenso surge com as personagens secundárias. Ponderei inclusive desistir desta leitura numa determinada fase por ser cansativa.

Erótico ... nada mais.

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

O Café do Amor

Autor: Deborah Smith
Edição: 2013, maio
Páginas: 432
ISBN: 9789720045959
Editora: Porto Editora

Sinopse:
Cathryn Deen vivia num mundo de sonho: atriz famosa, idolatrada, era considerada a mulher mais bela do planeta. A fama era tudo na sua vida. Mas após sofrer um trágico acidente de automóvel, que a deixa marcada para sempre, decide ocultar-se de tudo e todos.

Escondida na casa da sua avó materna nas montanhas da Carolina do Norte, Cathryn tenta ultrapassar os seus traumas com a ajuda da sua grande prima Delta, uma mulher roliça e bem-disposta, dona do café local. Considerada por todos a alma daquele vale, Delta alimenta com os seus cozinhados e biscoitos deliciosos o corpo e o espírito dos mais carentes.
Um dos seus protegidos é Thomas Mitternich, um famoso arquiteto, fugido de Nova Iorque, após os atentados às Torres Gémeas lhe terem roubado o que de mais valioso tinha na vida: a mulher e o filho. Atormentado pela culpa, Thomas acredita que nada nem ninguém lhe poderá devolver a razão de viver e, entregue ao álcool e ao desespero, espera um dia ganhar coragem para se juntar àqueles que mais amava.
O destino irá cruzar os caminhos de Cathryn e Thomas numa história magnífica de superação, ensinando-os a transformar as adversidades em oportunidades e a valorizar a beleza que existe em tudo o que os rodeia.

A minha opinião:
Uma história admirável de coragem e inspiração ... e amor,  contada com a mestria de quem sabe como tocar a fibra sensível do coração do leitor, com palavras de dor e humor, numa mistura realmente inebriante. Personagens marcadas pelo drama, de inteligência acutilante e humor cáustico que sobreviveram a difíceis experiências de perda e no limite resistem.

Um romance que não nos deixa indiferentes, seja pela humanidade e integridade das personagens  que, mesmo fragilizadas, acodem e acolhem quem deles necessita, como as meninas enjeitadas pela sorte (e animais domésticos também), seja pelas deslumbrantes paisagens descritas das montanhas da Carolina do Norte, com o Cume da Mulher Selvagem, que herdou da avó Nettie e onde Cathryn Deen procurou esconder as suas cicatrizes e recuperar a fé e a esperança no futuro, com um núcleo de amigos que nunca desistem de ajudar e amparar.

Esta leitura tem o condão de nos reconciliar com a Humanidade e de nos fazer acreditar que o ser humano é notável quando sabe usar o coração. E o impensável acontece. Faz-nos sentir que a Vida vale a pena ser vivida. Afinal, "os desígnios da banha são insondáveis"

Um senão: Não gostei do título que achei lamechas e muito romancezinho. Preferia-o traduzido à letra "O Cafè Crossroads" de Delta que era o colo de mãe que todos precisamos em alguns momentos.

Um prazer de ler!

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Todos os teus beijos

Autor: Laura Lee Guhrke
Edição: 2013, maio
Páginas: 336
ISBN: 9789897260612
Editora: Quinta Essência

Sinopse:
Todos conhecem Dylan Moore - o seu brilhante talento e a sua busca pelo prazer - mas ninguém sabe o tormento que esconde. Apenas uma mulher se apercebe da força que impele a alma de Dylan, uma mulher que o persegue em sonhos e desperta nele paixões que nenhuma outra despertou. Desgraçada e agora muito pobre, Grace Cheval nada quer ter com o sedutor que a deseja.

Quando Dylan lhe oferece o emprego de precetora para a filha que há pouco encontrou, sabe que as suas intenções não são honradas. Porém, é-lhe difícil resistir a este homem tão carismático e devolve-lhe os beijos apaixonados com todo o ardor. Atrever-se-á Dylan a esperar que esta beldade orgulhosa e intrépida derreta o gelo que envolve o seu coração?

A minha opinião:
Laura Lee Guhrke tem uma escrita cativante e envolvente, com personagens muito charmosas e atraentes que torna uma estória de época com um previsível final cor-de-rosa numa aprazível leitura que nos deleita entre o sonho e a fantasia. Por essa razão, quando preciso de um escape, sei que esta é uma autora que nos presenteia com uma leitura romântica e sedutora. Mais uma trama que nos reporta a uma época de convenções e etiqueta, muito distante do que conhecemos como real. Em que o papel da mulher na sociedade e na família era muito diferente do atual. Interessante, por essa vertente que nos retrata.

Um artista/músico e compositor de sucesso atormentado depois de uma queda de cavalo, em que ficou com um problema auditivo que se esforça por ocultar, apesar de tal quase o levar à loucura e ao suicídio. Uma belíssima jovem viúva, rejeitada pela família, com relativo talento musical, que um dia salva o talentoso artista que a considera desde então a sua musa.

Lazer e entretenimento garantido. Sem grandes pretensões, senão o encantamento da leitora.

sábado, 14 de setembro de 2013

Culpa

Autor: Ferdinand von Schirach
Edição: 2013, agosto
Páginas: 152
ISBN: 9789722045001
Editora: Dom Quixote

Sinopse:
Um homem recebe no Natal uma dentadura nova, em vez de cumprir uma pena de prisão. Um rapaz é torturado quase até à morte em nome dos Illuminati. Os nove «cidadãos respeitáveis» de uma banda de metais destroem a vida de uma jovem, e nenhum deles tem de expiar o crime...

Ferdinand von Schirach transformou meros processos penais em literatura de qualidade, com uma intensidade penetrante, de uma forma discreta mas sempre assertiva, num estilo entre o lírico e o lacónico. São as questões intemporais como o bem e o mal, a culpa, a inocência e a responsabilidade que cada um de nós tem de assumir que se destacam.

A minha opinião:
Uma leitura para agitar consciências. Não que o autor, nestas concisas narrativas, o faça explorando as emoções. Fá-lo com desprendimento, quase lacónico ou irónico em alguns excertos, mas acutilante. Com tanta informação que recebemos hoje em dia, ficamos indiferentes ou ignoramos a dor e o sofrimento dos visados, sem sentirmos culpa ou medo, sem consciência do que realmente está envolvido. Estes contos permitem-nos reflectir ou visualizar subitamente o muito que se oculta entre nós ou fingimos não ver. Inclusive a natureza da culpa e de como lidar ou superar.

Literatura de qualidade. Como relatos de incidentes e casos policiais que passam pelas mãos de entendidos em leis, se podem transformar em contos fortes e pungentes.

Uma leitura forte e nada subtil para sentir e reflectir. 

domingo, 8 de setembro de 2013

Perto de ti

Autor: Anita Notaro
Edição: 2013, abril
Páginas: 452
ISBN: 9789897260551
Editora: Quinta Essência

Sinopse:
Louisa está farta da sua vida. Do namorado, do trabalho, do apartamento - tudo precisa de uma reforma imediata e radical. E assim ela decide mudar tudo a favor de uma existência despreocupada, trocando o seu apartamento por uma casa móvel, o carro por uma moto, e as suas roupas elegantes por outras informais. E, acima de tudo, começa um novo trabalho como psicóloga de cães.

Com as amigas Maddy e Clodagh, embarca numa nova aventura - para conhecer pessoas diferentes, descobrir novos lugares e encontrar um homem novo e fabuloso. O seu trabalho traz-lhe recompensas imediatas e extraordinárias quando ela conhece os donos de cães cujos problemas muitas vezes parecem ecoar os dos donos. Mas independentemente do stresse da sua nova vida, Louisa tem o apoio das amigas. Se ao menos isso pudesse durar para sempre...

A minha opinião:
Um romance muito feminino. E que não me arrebatou. Terno no cuidado com os animais que a protagonista, especialista em comportamento animal e psicologia (encantadora de animais, principalmente cães) quando decide mudar de hábitos, rotinas, em suma, de vida e abraçar outros objetivos mais simples e salutares onde os animais tem um espaço privilegiado.

Os donos dos animais tornam-se chegados, presentes com os seus problemas e dificuldades que Lulu a pouco e pouco vai colmatando e a amizade que partilha com as duas amigas de longa data, Maddy e Clodagh, alarga-se a um novo leque diferenciado de amigos.

Uma leitura pausada e amena que apesar de cativante é um tanto extensa e o desenvolvimento da estória um tanto lento.  Não é uma estória de grandes paixões mas de amizades consolidadas e problemas ultrapassados. Como os geracionais.

Encantador.

sábado, 7 de setembro de 2013

Casado até Quarta

Autor: Catherine Bybee
Edição: 2013, Agosto
Páginas: 200
ISBN: 9789722526333
Editora: Bertrand Editora

Sinopse:
Blake Harrison: 
Rico, de boas famílias, encantador… e a precisar de uma mulher que se case com ele até quarta-feira. Blake pede ajuda a Sam, que afinal não é o homem de negócios que ele pensava. Pelo contrário, Blake depara com Samantha Elliot, uma mulher linda e arrojada com uma voz de fazer perder a cabeça. 

Samantha Elliot: 
Dona de uma agência matrimonial, ela própria não está disponível para o casamento… quer dizer, até Blake lhe oferecer dez milhões de dólares por um contrato de um ano. Não há nada de indecente na proposta dele e, além disso, o dinheiro vai ajudar imenso nas contas do médico da família de Sam. A única coisa que ela tem de fazer é guardar para si a atração que sente pelo marido e evitar a cama dele. Porém, é difícil resistir aos beijos ardentes de Blake e ao seu charme sensual são demasiado difíceis de resistir. O contrato de casamento previa tudo e mais alguma coisa… menos que se apaixonassem.

A minha opinião:
Este romance é um miminho. Não percebi porque o consideraram na categoria de literatura erótica. Mas é certamente para almas românticas e muito sonhadoras. Das que ainda sonham com o príncipe encantado. É curioso que este tipo de histórias vai sempre existir, para alimentar a fantasia de relações perfeitas. Contudo, apesar de se saber que é uma utopia, é sempre bom sonhar. 

Blake e Sam são personagens idílicas. Blake tem o bónus de ser rico. Uma fortuna construída por si em afronta ao pai, mas que não o deixa renegar a herança quando este falece e deixa um testamento com cláusulas específicas. Quando conhece Sam e decide que será com ela que irá estipular o acordo, que não é mais do que um negócio sigiloso entre eles, deixam de parte qualquer envolvimento emocional ou físico. E o entusiasmo começa com uma narrativa em que os sentidos não respeitam o acordo. Depois existem outros interessados na herança e no título. Enfim ... um miminho e parece que lhe seguem outros porque este é um de uma série de romances com títulos relacionados com os dias da semana.

Para combater agruras e desgostos, uma breve leitura de encantar.

domingo, 1 de setembro de 2013

A livraria noite e dia do Senhor Penumbra

Autor: Robin Sloan
Edição: 2013, julho
Páginas: 288
ISBN: 9789722526791
Editora: Bertrand Editora

Sinopse:
A grande recessão fez com que Clay Jannon perdesse o seu emprego confortável, mas previsível, como web designer; contudo, a sorte, a pura curiosidade e a sua capacidade de subir e descer um escadote como um macaco permitem-lhe encontrar emprego no turno da noite da misteriosa Livraria Noite e Dia - gerida pelo não menos misterioso A. Penumbra. Após algumas noites de trabalho, os mistérios sucedem-se: a livraria tem pouquíssimos clientes, mas eles vêm repetidamente e parecem nunca comprar nada, limitando-se a «pedir emprestados» uns volumes obscuros dos recantos ainda mais obscuros da livraria, segundo um acordo com o excêntrico livreiro.

Apesar dos avisos do seu novo patrão, Clay não resiste a analisar o comportamento dos seus clientes e a tentar descobrir de que tratam aqueles estranhos volumes e exatamente o que se passa nesta bizarra livraria. No entanto, os segredos que descobre (com a ajuda de uma namorada que trabalha na Google e um bando de amigos geeks e techies) vão muito além das paredes da Livraria Noite e Dia… um mistério tão vasto que só pode caber dentro de um livro!

A minha opinião:
Divertido, jovial e muito diferente de qualquer outra coisa que li. Original! E irritantemente enigmático!
E que capa maravilhosa. Parecem livros dispostos em prateleiras - que brilham - quando apagamos a luz!

Bem, comecei esta leitura com ideias feitas. Erro crasso. Supunha que com base nesta estranhissima livraria aberta noite e dia, encontraria uma leitura leve e simples, sem grandes pretensões literárias e sem grande esforço intelectual, numa misteriosa aventura com prós e contras em torno da leitura em e-readers ou computadores comparativa à leitura em livros. Ou a hipotética incompatibilidade, sendo o primeiro dissuasor do segundo género. E de facto, através das novas tecnologias o acesso a informação codificada há 500 anos foi rapidamente deslindado, mas a conjugação de ambos permite um enriquecimento e aprofundamento do ato, apesar da objeção da Irmandade da Lombada Intacta e do Primeiro Leitor. Foi muito mais do que imaginei!!!

Depois de muitas peripécias rocambolescas, em que me perdi com tantos termos "técnicos" que quase exigiram tradução (senti-me jurrássica) estava algo irritada comigo mesma por não vislumbrar de que se tratava O Enigma. E fiquei felicíssima (e aliviada) com o desfecho.   

Cinzas do Passado

Autor: Martin Suter
Edição: 2012
Páginas: 256
ISBN: 978-972-0-04377-1
Editora: Porto Editora

Sinopse:
A história comovente de um homem arrastado para o passado por uma doença que o despoja do presente.

Aos sessenta e cinco anos, Konrad Lang ainda vive às custas da abastada família Koch. Durante anos, foi um parasita tolerável, inicialmente enquanto companheiro de brincadeiras de Thomas Koch, o herdeiro da fortuna da família, mais tarde enquanto zelador da mansão de férias em Corfu, embora sempre sujeito aos caprichos da família. Certa noite, porém, Konrad pega acidentalmente fogo à mansão, reduzindo-a a cinzas. A princípio, atribui-se a causa desse incidente ao seu alcoolismo, mas os esquecimentos de Konrad sucedem-se.
São os primeiros sintomas de um mal misterioso, que trará consigo consequências perturbadoras. No entanto, à medida que a memória recente de Konrad se vai esvaindo, as recordações que muitos esperavam estar soterradas vão ressurgindo pouco a pouco... A doença de Alzheimer instala-se, ameaçando pôr a descoberto segredos guardados a sete chaves.

A minha opinião:
Este livro intrigou-me. E durante muito tempo aguardou a sua vez de ser lido. A capa e o título fascinaram-me, mas nada sabia sobre ele. Quando iniciei a leitura, tipo teste, fiquei agarrada pela escrita segura e convincente acerca de uma personagem solitária, Konrad Lang, que vivia à margem de uma família rica e poderosa sem razão aparente, sequer caridade ou dívida antiga. Um mistério que entrelaça toda a narrativa sem que descortinemos o porquê, mas que magistralmente o autor tece ao longo das páginas em que se percepciona uma doença silenciosa e devastadora como o Alzheimer, que estaria interligada com o vício da bebida de que Koni sofria. 

Thriller psicológico. Ao melhor nível. 
Doença que pouco a pouco se vai manifestando e revelando as graduações e a confusão do paciente que a tenta ocultar aos demais que o rodeiam, por "pequenos esquecimentos, distrações insignificantes, coisas que se perdem, nomes que se esquecem, dificuldade em escolher o menu dos restaurantes, perda do sentido de orientação, incapacidade de reconhecer pessoas que se conhece bem e de recordar os nomes dos objetos e sua utilidade. Tudo se esquece e apenas se recordam as coisas muito antigas." (pag. 211). E nesta última frase, temos o "busílis" de toda a trama - de todo este intenso thriller que o autor concebeu em torno de uma doença que revela o passado escondido na memória e que não poderia ressurgir sob pena de um crime o silenciar. 

Um livro admirável que não nos deixa indiferentes.