segunda-feira, 20 de outubro de 2014

A Fórmula da Saudade

Subtítulo: Podemos fugir dos outros, mas não de nós mesmos
Autor: Daniel Oliveira
Edição: 2014/ outubro
Páginas: 248
ISBN: 9789897411854
Editora: Oficina do Livro

Sinopse:
Uma história inspirada em factos reais, com vários elementos autobiográficos ao longo de todo o livro.
A conhecida apresentadora de televisão Camila Vaz vê-se obrigada a fugir de Portugal para atenuar o escândalo provocado pelo lançamento do livro A Persistência da Memória. Quando finalmente decide reaparecer em público, recebe um jornalista num hotel do Rio de Janeiro, no último dia do ano - e rapidamente o encontro se torna um espaço de confissão e sedução, despertando sentimentos e memórias de ambos há muito perdidos no tempo.

A conversa entre os dois trará à superfície a paixão e o ciúme, a inocência e a perversão, a fé e o sexo, levando a que o entrevistador recorde a bela história de amor que lhe corre no sangue - a dos seus avós, Zulmira e Joaquim, que se conhecem na Lisboa dos anos 1950, até que o jovem oficial é enviado para as colónias portuguesas na Índia, onde a tensão social fará com que a sua missão termine em tragédia. O que sucede depois de acontecer o pior? Será possível condensar a saudade numa fórmula universal que descodifique o amor, a morte, a vida? E como é que uma conversa entre um homem e uma mulher se pode tornar uma viagem ao íntimo da alma humana?

A minha opinião:
"Nós estamos permanentemente a conhecer o que acontece e a definir essas imagens por comparação com o conhecimento que já adquirimos, daí que a definição de beleza, inteligência (...) seja sempre uma interpretação nossa, que nos vai estimular consoante a nossa idiossincrasia e o histórico do nosso próprio comportamento."     (pag.59)

Pareceu-me uma metáfora para a abordagem que fazemos a este livro. Consoante o leitor e o seu sentir, esta viagem que a leitura nos proporciona pode ser empolgante e estimulante ou difusa e insatisfatória.  Pela minha parte, tenho um mix dos dois. 
Nota-se, que é inspirada em factos reais, e que muito do autor  foi transferido para o narrador nesta entrevista a Camila. A sua faceta de entrevistador, com perguntas sustentadas não apenas na pesquisa ou interesse, mas também na sua sensibilidade e historia, no que que procura desvendar Camila. Uma mulher bela, madura, sofisticada e  inteligentíssima, que desconcerta por vezes o entrevistador. E o leitor. 
Um jogo de sedução em que se fala de sentimentos e relacionamentos. Muitas são as definições apresentadas, que nos fazem abrandar a leitura e refletir. Ainda assim, houve momentos em que me pareceu que faltou alma na narrativa. Uma percepção difícil de definir por palavras. 

Aproximadamente a meio do livro, surge a história de amor dos avós do narrador como prova concreta de que que o amor pode transformar.   

"- A saudade doí?" - Questionei.o.
"- É a mãe de todas as dores. É uma falta de nós, uma incompletude de nós mesmos. A saudade é a inconsequência da vida, é a frustração, o não ter tamanho suficiente para se chegar aonde se quer, é não ser bom o suficiente para ter tudo o que se merece, não ter a glória da satisfação permanente. É não conseguir. Saudade é o que somos, mais do que aquilo que fomos."   (pag. 90)

Sem comentários:

Enviar um comentário