terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

Culpa

Autor: Jeff Abbott
Edição: 2018/ setembro
Páginas: 392
ISBN: 978-972-0-03118-1
Editora: Porto Editora

Sinopse:
Há dois anos, Jane Norton esteve envolvida num acidente de automóvel que vitimou o seu amigo David e a deixou com amnésia. Ao início, todos são compreensivos em relação ao sucedido, mas o aparecimento de um bilhete de suicídio assinado por Jane no local do acidente gera a desconfiança, o ressentimento e o afastamento de todos aqueles que os conheciam.

Para além de continuar a enfrentar a suspeita e a hostilidade da cidade onde vive, o aniversário do acidente traz novos problemas: a campa de David é vandalizada e Jane começa a receber mensagens anónimas através das redes sociais. Alguém com um nome falso diz saber o que verdadeiramente aconteceu na noite fatídica de que ela não se lembra. Jane, desesperada por obter respostas a todas as questões que a atormentam, lança-se numa investigação frenética que pode, mais uma vez, colocá-la perante um destino mortífero.

Com uma escrita ágil, viciante e atual, Jeff Abbott reafirma o seu talento como um dos mestres mundiais do suspense, construindo um thriller cujo enredo original, as surpresas constantes e, acima de tudo, a profundidade psicológica das personagens são marcas de um romance negro de primeira ordem.

A minha opinião:
Tantas mentiras. Tanto que lhe haviam ocultado. Enquanto Jane estava cega com a sua culpa e procurava recuperar a memória dos últimos três anos antes do acidente em que perdeu o seu melhor amigo, David,e o pai, num outro acidente anterior, outros escondiam os seus segredos, as suas intenções, as suas culpas. E reescreviam a história.

Uma agressão desencadeia uma série de reações, depois de uma misteriosa personagem entrar em ação tentando culpabilizar e fazer com que todos os envolvidos paguem. Jane busca a verdade e esperta, segue todas as pistas possíveis. 

Como leitora, fiquei viciada neste desenfreado enredo, com reviravoltas sucessivas que não antecipava. Sequer, cheguei a quem se escondia sob o nome Liv Danger. A óbvia, melhor amiga, não me convencia.

De início, começou devagar. Sem grande suspense ou interesse. Mas ganhou fôlego e tornou-se um bom thriller psicológico. Agarrou-me e li-o sem parar em poucos dias. Muito fixe!

Sem comentários:

Enviar um comentário