segunda-feira, 23 de julho de 2012

Emmi e Leo - A sétima onda

Autor: Daniel Glattauer
Edição: 2012, Junho
Páginas: 240
ISBN: 9789720043078
Editora: Porto Editora

Sinopse:
«Pensas que não te vejo, que não te sinto. Engano. Puro engano. Quando te escrevo, seguro-te bem junto a mim.»

Emmi e Leo são os protagonistas de um amor virtual apaixonante, que passou por todo o tipo de emoções, menos a de um encontro físico. A relação, iniciada no irresistível Quando sopra o vento norte, parece ter chegado a um impasse. Leo decide partir para os EUA, renunciando a um amor impossível.
Quando regressa, longos meses depois, o encontro entre ambos concretiza-se. Mas Emmi continua casada e Leo tem em Pamela o amor estável com que sempre sonhara.Só que, na verdade, os dois amantes nunca estiveram mais apaixonados. Conseguirão eles, por fim, vencer o destino que parece teimar em separá-los?

A minha opinião:
Adorei ler Quando Sopra o Vento Norte e deliciei-me com esta refrescante "Sétima Onda". Que ansiedade me provocou a picardia entre Leo e Emmi que me fez ler este romance avidámente?!!!

Divertido, romântico e inovador, num jogo de palavras, ora espirituosas e provocatórias, ora audazes e inteligentes, ora carinhosas e carentes, num sentimento correspondido ... electrónicamente.
Desconhecidos que se cruzaram e descobriram, uma afinidade, empatia e entendimento tão grande que trespassou o seguro, o lógico e o racional e se tornou numa paixão avassaladora, que buscava a partilha e a compreensão. Uma paixão sofrida pelos impedimentos de ambos.

"Emmi, tenho de te confessar uma coisa, és a única mulher a quem escrevo, a quem escrevo desta forma, como sou, como quero. Na verdade és o meu diário, mas não ficas calada como um diário. Não és tão paciente. Intrometes-te sempre, retalias, contradizes-me, deixas-me desconcertado. És um diário com rosto, corpo e aparência."
(pag. 113)

Um amor possível e verossímel na Era da Informação/ Digital.

Numa linguagem simples, acessível e sintética, definimos e visualisamos os protagonistas, que o autor tão bem e distintamente caraterizou através de mensagens de email, e sofremos e torcemos pela união deles, apesar de todas as barreiras e dilemas.

"Porque te escrevo? Porque me apetece. E porque não quero esperar calada pela sétima onda. Sim,aqui conta-se a história da intransigente sétima onda. As primeiras seis são previsíveis e equilibradas. Elas necessitam umas das outras, formam-se umas sobre as outras, não trazem quaisquer surpresas. Mantêm a continuidade. Seis tentativas, tão diferentes ao vê-las de longe, seis tentativas - e sempre o mesmo objetivo.
Mas atenção à sétima onda! É imprevisível. Durante muito tempo é normal, desenrola-se numa sequência monótona, adapta-se à anterior. Mas por vezes rebenta. Sempre apenas ela, sempre apenas a sétima onda. Ela é despreocupada, inofensiva, rebelde, varre tudo e constrói tudo de novo. Para ela não há um antes, apenas um agora. Depois dela, tudo é diferente. Melhor ou pior? Só alguns podem julgar, aqueles que foram apanhados por ela, que tiveram a coragem de se entregar a ela e de se deixar enfeitiçar."
(pag. 160)

Eu fui apanhada por esta sétima onda, entreguei-me a ela. Deixei-me enfeitiçar nesta vertiginosa onda.

Sem comentários:

Enviar um comentário