segunda-feira, 3 de março de 2014

As Lágrimas de Lúcifer

Autor: James Thompson
Edição: 2013/ outubro
Páginas: 296
ISBN: 9789720043795
Editora: Porto Editora

Sinopse:
Um ano após o caso Sufia Elmi, o inspetor Kari Vaara regressa a contragosto a Helsínquia, numa tentativa desesperada para conseguir ultrapassar as insónias e os fantasmas que persistem em persegui-lo.
Ao serviço da Brigada de Homicídios de Helsínquia, Kari terá nas suas mãos os dois casos mais mediáticos do momento: o brutal homicídio da mulher dissoluta de um homem de negócios russo e o estranho envolvimento em crimes de guerra de um herói nacional da Segunda Guerra Mundial, já nonagenário, cujos contornos políticos estão na iminência de provocar um incidente diplomático entre a Finlândia e a Alemanha.

Assombrado pelo passado, serão as circunstâncias do presente que o farão descobrir a verdade e as respostas que tanto procura.

A minha opinião:
Sei que parece cliché mas este policial prendeu-me da primeira à última página como só um bom livro o consegue. Absolutamente viciante. James Thompson sabe como contar uma história com desprendimento e empenhamento suficiente para seguirmos todas as pistas e todos os raciocínios de Kari como se fossem nossos e ainda partilhamos os seus pensamentos de agrado e desagrado com o todo que o rodeia. A empatia natural com o inspector Kari Vaara ajuda em muito ao envolvimento com esta narrativa num ambiente culturalmente distinto e gélido como a Finlândia.

Kari é chamado a investigar dois casos com contornos políticos e sujeitos a pressões. Um crime brutal de uma mulher devassa  e a participação de um nonagenário que pretendem extraditar acusado de crimes de guerra durante a Segunda Guerra Mundial onde o seu avô também esteve. Passado e presente em confronto, enquanto fortes dores de cabeça o dilaceram. 
 
Li a biografia de James Thompson e percebi que foi buscar em muito as suas experiências pessoais para compor as personagens de Kari e Kate. Kate é americana como James o é, a viver na Finlândia.
Marido e mulher temerosos de falhar quando esperam uma filha após um passado difícil a superar. Boas pessoas que conseguiram singrar depois de uma infância terrível. Família que não escolhemos.

O lado mais sórdido da vida é com isso que Kari e os policiais se deparam no dia-a-dia. Crimes e suicídios. Perversões sexuais e um consumo excessivo de álcool. Embrenhada teia com variados desempenhos que o obcecado Kari e o génio arrogante Milo desvendam. 

Fantástico. Dos melhores policiais que já li. 

Sem comentários:

Enviar um comentário