segunda-feira, 18 de junho de 2012

A Melodia do Amor

Autor: Lesley Pearse
Edição: 2011, Agosto
Páginas: 520
ISBN: 9789892315973
Editora: ASA

Sinopse:
Liverpool, 1893. Os sonhos de Beth são desfeitos quando ela, o irmão Sam e a irmã mais nova, Molly, ficam órfãos. As suas vidas, até então tranquilas e seguras, sofrem uma dramática reviravolta. Para escapar a um futuro de miséria e servidão, Sam e Beth decidem arriscar tudo, atravessar o Atlântico e partir à conquista do sonho americano. Mas Molly é demasiado pequena para os acompanhar e os irmãos vêem-se obrigados a tomar uma decisão que os marcará para sempre: deixá-la em Inglaterra, a cargo de uma família adoptiva.
A bordo do navio para Nova Iorque não faltam vigaristas e trapaceiros, mas o talento de Beth com o violino conquista-lhe a alcunha de Cigana, a amizade de Theo, um carismático jogador de cartas, e do perspicaz Jack. Juntos, os jovens vão começar de novo num país onde todos os sonhos são possíveis.
Para a romântica Beth, esta será a maior aventura da sua vida. Conseguirá a Cigana voltar a encontrar um verdadeiro lar?

Uma história de amor incondicional e coragem sem limites. Um livro irresistível, da autora de Nunca me Esqueças, Procuro-te e Segue o Coração.

A minha opinião:
Uma epópeia vertiginosa de leitura compulsiva. Volumoso, mas de rápida leitura porque muitas são as aventuras, a um bom ritmo e com muita acção. Apesar de baseado em factos reais não deixa de ser claramente uma obra de ficção.

Este é um daqueles romances que nunca chamaram a minha atenção. A capa até é bela na sua simplicidade, mas a sinopse não captou o meu interesse. Contudo, apesar de não ser um best-seller é um romance agradável e bem construido, com personagens carismáticas, em que narra um período da história quando muitos procuravam melhores condições de vida ou mesmo fugir à miséria, e embarcavam à conquista do sonho americano. Primeiro Nova Iorque,  depois Filadélfia, a fuga para  Montreal e finalmente a corrida ao ouro em Dawson City, no Yukon, Canadá.

A personagem principal, Beth Bolton - A Rainha Cigana é uma superheroína - jovem, bela, forte, corajosa e muito talentosa, que arrebata a admiração e o aplauso dos muitos que a ouvem tocar violino. Acompanhada do irmão e de dois amigos, vão viver inumeras dificuldades e peripécias. O desfecho não me surpreendeu, aliás pareceu-me previsível (muitos romances lidos), mas ainda assim foi uma leitura empolgante como se projetasse toda a história em filme.

       "Ocorreu-me que nunca antes tinha conhecido um paz tão perfeita.  Desde que se conseguia recordar, sempre houvera gente e barulho à sua volta. Até nas montanhas, no trilho, houvera sempre pessoas por perto. Em Dawson, perguntara muitas vezes a velhos garimpeiros que viviam a quilómetros de distância  do vizinho mais próximo como conseguiam aguentar tamanho isolamento. Quase todos diziam que o adoravam. Fazia agora uma pálida ideia do porquê. O silêncio curava todos os males."
pag. 462

2 comentários:

  1. estou a acabá-lo e não estou a gostar.. demasiado enfadonho e muita coisa e depois nos rápidos e morte de Sam apenas numa página! não me está a cativar, a melhor parte é mesmo a corrida ao ouro.. vou esperar para ler o final! mas esta autora não é para mim :/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também não é a minha autora preferida mas talvez volte a ler algo dela. Foi uma estreia.

      As perdas para o fim são pretexto para o desfecho do romance. Lê até ao fim que percebes.

      Eliminar