domingo, 3 de junho de 2012

Um Erro Inconfessável

                                               

Autor: Emma Wildes
Edição: 2012, Janeiro
Páginas: 320
ISBN: 9789896572488
Editora: Planeta

Sinopse:
Um pedido diabólico requer uma solução diabólica.

Madeline May, a jovem viúva Lady Bewer, encontra-se num terrível dilema. Vítima de chantagem que se transforma em homicídio, torna-se claro que só um homem a pode ajudar: Luke Daudet, o mal-afamado visconde Altea, que está habituado a lidar com homens de reputação duvidosa e que ela despreza com todas as suas forças.
Como conhecedor de mulheres bonitas, Luke reconhece a atracção física que Madeline exerce sobre ele e o perigo que representa. Desde o momento em que se conheceram – e após uma inesquecível noite de paixão –, que sabe que é diferente. E quando recebe o fatídica pedido que lhe enviou, apercebe-se de que não conseguirá manter-se afastado…

A minha opinião:
Tinha curiosidade em ler esta autora que tantos elogiam. Contudo, não discerni grandes diferenças com outras escritoras de romances de época como Cheryl Holt e Laura Lee Guhrke, em que o foco está na relações afetivas de classes priveligiadas com personagens belas e magnânimas em que a sedução, voluptuosidade e sexo não faltam. Contos de encantar para adultos(as).
Quando recebi este romance é que reparei no lacinho cor-de-rosa que fecha o livro e soube que ia ler algumas descrições quentes dos encontros amorosos.

Uma leitura viciante porque as personagens são fascinantes, a narrativa é viva, e os sentimentos e emoções são o tema principal. Nesta estória são dois os romances. O de Madge e Altea,  e o de El (Elizabeth), irmã de Altea de quem era tutor, e Miles, primo por afinidade. A relação de El com Miles é divertida e impestuosa, sem que El perceba a paixão que os une. Miles sofre de ciumes e desejo. 

Espionagem e jogos de sedução num tempo em que a etiqueta e normas de conduta estipulavam como se relacionavam os ricos e priveligiados em sociedade. Títulos nobiliárquicos, posição social e bens/ dinheiro/ poder eram fundamentais para se acertarem casamentos entre iguais. Nem sempre resultavam em casamentos felizes.

Li demasiados romances do género num curto período de tempo e pretendo retomar o gosto por romances mais elaborados e/ ou realistas. Ainda assim funcionou para recuperar do cansaço e desgaste do dia-a-dia. Apimentada leitura.

Sem comentários:

Enviar um comentário